English French German Italian Spain

 


 

PERGUNTAS E RESPOSTAS

 

 

 

                     

 

Este tópico tem como finalidade responder algumas questões que nos são enviadas e tentar resolver dúvidas de nossos leitores. Esse tópico é periodicamente atualizado. Por isso, aconselhamos aos nossos leitores sempre acessarem.

Algumas perguntas são feitas sobre eventos específicos e como nem todas as perguntas tem a data de sua postagem, devem ser entendidas sob esse aspecto temporal.

Se você quiser participar deste tópico, envie um e-mail com seu nome para boletimomega@gmail.com, fazendo a sua pergunta e explicitando seu desejo de participar nesta seção.

Responderemos às perguntas na ordem de chegada ou por ordem de complexidade. As perguntas e respostas ficarão no ar por um tempo determinado e serão substituídas por outras mais novas.

As perguntas enviadas poderão ser separadas e os e-mails recebidos poderão ser editados, para que haja uma melhor compreensão e distribuição. As intervenções de nossos leitores estarão identificadas com a cor marrom.

Nossas respostas não são infalíveis e devem ser consideradas e questionadas sob o discernimento espiritual que todo aquele que nasceu de novo possui (I Coríntios 2:14-16).


Pergunta enviada por um leitor em 01/07/17

Amados, em 2 Cr 7.14 diz: ... "se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, orar e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra."

Em mais de 15 anos de vida cristã eu já ouvi muitos sermões ou estudos sobre esta passagem, e, eu gostaria de entender melhor.

Compreendi o contexto deste trecho, compreendo a importância da oração, desde que ela esteja dentro da Vontade de Deus. Este texto acima pode ser contextualizado para o cenário da nossa nação?

Sei que o Senhor é poderoso e creio que Ele pode mudar toda situação. Entretanto, vivemos os últimos dias, desde que o exército romano destruiu Jerusalém no ano 70.

A cada dia, a cada semana, a cada mês e a cada ano que passa, o mundo todo vai mergulhando em maior imoralidade, em pecados, em corrupção... O mundo vai piorando mais e mais, o ser humano vai tomando formas mais ímpias e a tendência mesmo é ficar pior.

Numa visão escatológica, o mundo vai caminhando para o seu clímax, as profecias vão se cumprindo.

Tudo caminha para a volta do Senhor e para o período de tribulação que antecederá essa volta.

Deus, mesmo assim, com a oração da igreja, poderia melhorar ou mudar qualquer que seja a nação, mesmo diante do fato que estamos caminhando para tempos mais difíceis?

Deus abençoe, abraços.

Paz de Cristo!

Agradecemos por você entrar em contato. Com relação a sua pergunta, cremos que é necessário partir do todo, do contexto global, para depois ir até as partes específicas.

Sem dúvidas, há um plano de Deus para Sua criação. Esse plano é perfeito e não pode ser interrompido pela vontade humana.

Os eventos escatológicos fazem parte desse plano e tudo aquilo que está revelado certamente se cumprirá.

No entanto, cremos também que o Altíssimo pode mudar situações específicas, sempre e quando não interfiram nesse contexto maior já mencionado.

Não sabemos se a restauração de uma nação inteira interferiria nesse contexto profético maior... Nosso dever, enquanto cristãos, é orar pelas autoridades.

No entanto, sabemos que o mundo caminha para tempos e eventos já profetizados, onde, por exemplo, é revelado que ao anticristo "deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação" [Apocalipse 13:7]

Então, cremos que nosso dever e missão também é orar, mas cientes que a última palavra quem dá é o Senhor.

Particularmente, não cremos que, no atual momento profético, uma nação inteira seja mudada... Mas aquilo que é impossível para nós ou para você, é possível para Deus.

Então, devemos continuar como diz a Palavra "vigiando e orando"... Vigiando com relação aos sinais que estão acontecendo e orando em todo tempo, intercedendo por todos.


Projeto Ômega


Pergunta enviada pelo leitor Luiz Henrique, em 12/07/15


Se não me engano, li em um estudo do Projeto Ômega que a sétima trombeta do Apocalipse não é a mesma do arrebatamento, correto?

Então, quem está sendo galardoado em Ap 11:18? Não só a recompensa, mas os mortos sendo julgados e os que destroem a terra sendo destruídos. Isto tudo não acontece na segunda vinda de Cristo?

Em nosso grupo surgiu uma dúvida quanto a sequência dos eventos finais. Eu entendo que os selos serão abertos. Então, após o sétimo selo vem as trombetas e após a sétima trombeta vem as taças, e é aqui que também confesso ter uma dificuldade, pois creio que é na sétima trombeta que acontece o arrebatamento. Porém, como seria isso, se depois dela vem as taças?

Outra dúvida: creio que após a vinda do Messias ainda ficarão pessoas na Terra, mas alguns irmãos crêem que o Milênio será no céu e que a prisão de Satanás é uma prisão circunstancial, porque não haverá ninguém para ser tentado aqui. Eles se baseiam em passagens que supostamente dizem que todos serão destruídos na volta do Messias.

Eles utilizam este verso como base: "E os mortos do Senhor naquele dia se encontrarão desde uma extremidade da terra até a outra; não serão pranteados, nem recolhidos, nem sepultados; mas serão como esterco sobre a superfície da terra" [Jeremias 25:33]

Eu citei Isaias 65:20: "Não haverá mais nela criança de poucos dias, nem velho que não tenha cumprido os seus dias; porque o menino morrerá de cem anos; mas o pecador de cem anos será amaldiçoado"

Assim tentei mostrar que no Milênio haverá pessoas, mas ao lermos o verso 17, vimos que ali fala de novo céus e nova terra, então fala do milênio ou da nova criação? Mas como tem pecador ser for nova criação?

Irmão Luiz, a Paz de Cristo!

Agradecemos por você ter entrado em contato conosco. Sobre as questões levantadas por você, nós cremos sim que a sétima trombeta será o momento em que ocorrerá a volta de nosso Salvador e nosso encontro com Ele, juntamente com todas as consequências relatadas para a sétima trombeta, que se prolongam desde antes da volta de Cristo e até mesmo pouco depois...

Cremos que a sétima trombeta abrangerá um certo espaço de tempo. Já o toque de trombeta que ocorrerá no momento da volta gloriosa do Mestre [Mateus 24:31], denominado por Mateus como "rijo clamor de trombetas" será um toque específico de trombetas anunciando a chegada do Rei Jesus naquele momento específico.

Quer dizer, a sétima trombeta do Apocalipse compreende uma série de eventos, num espaço maior de tempo. Já o toque de trombeta no momento da volta de Cristo será específico, inserido nesse contexto maior que é a sétima trombeta.

Sobre Jeremias 25:33, cremos que retrata o cenário de destruição e morte que haverá sobre a Terra como resultado do Dia Do Senhor, ou seja, por todas as coisas que ocorrerão nas taças e também diante da vinda do Rei dos reis diante do Armagedom.

No entanto, a passagem não pode ser usada para afirmar que todos serão aniquilados ou mortos, já que passagens como Zacarias 14:16 ou Ezequiel 36:33-36 mostram claramente a presença de nações logo após a vinda do Mestre.

Sobre a passagem de Isaías 65, é importante salientar que naquela época a revelação sobre o Milênio não havia sido exposta. Apenas na revelação apocalíptica é revelado esse aspecto dentro do plano de Deus.

Então, é compreensível que tudo seja colocado no contexto de "novos céus e nova terra". Porém, os tempos proféticos pertencem ao Senhor [Atos 1:5-7].

Veja que, após a ressurreição de nosso Senhor, os discípulos tinham a expectativa imediata da restauração do reino de Israel, porque aquilo estava profetizado juntamente com a manifestação do Messias no Antigo Testamento!

Para eles, tudo se cumpriria ao mesmo tempo... Mas, hoje, sabemos que nos planos do Altíssimo estava inserido esse tempo que vivemos, denominado por alguns de "era da graça", após o qual o Messias voltará, agora sim para reinar na Terra.

O que há de concreto é que o Milênio está revelado nas Escrituras de forma clara, na revelação final do Apocalipse, e não se pode usar o que não está escrito [que o Milênio não existe] para negar o que está escrito!

Abs,


Projeto Ômega


Pergunta enviada por um leitor em 16/03/14:

No programa do dia 15 de março de 2014 vocês se referem ao momento em que os poderosos da Terra se esconderão em rochas e cavernas. Eles se esconderiam no momento de algum evento natural ou guerra mundial?

Estes esconderijos já estariam sendo construídos e onde ficariam localizados? Os poderosos já têm conhecimento prévio da proximidade desses grandes eventos e deixam a grande massa na ignorância? Agradeço antecipadamente as suas explicações.

Agradecemos por você ter entrado em contato. Sobre sua pergunta, cremos que as pessoas, tanto ricos como pobres, buscarão se esconder nas cavernas e nas rochas no contexto do que está exposto em Apocalipse 6:12-17. Um contexto de grandes e terríveis comoções nos céus. O texto diz que naquele momento as pessoas reconhecerão que é vindo o "grande dia"...

Se compararmos com o resto da revelação apocalíptica, vemos que durante o governo da besta as pessoas terão uma atitude muito diferente... Serão presunçosas, blasfemarão do Altíssimo, etc. Apenas quando começarem a ocorrer esses sinais é que as pessoas despertarão para a terrível realidade que as espera.

Esse trecho de Apocalipse 6:12-17 nós o atrelamos a Joel 2:30-31 e Mateus 24:29. Veja que em Mateus 24:29, aqueles sinais ali expostos ocorrerão "logo após" a maior de todas as tribulações. Então, entendemos que logo após os 42 meses de governo da besta, começarão a ocorrer esses eventos terríveis nos céus... Anunciando a chegada do Dia do Senhor [volta do Messias numa manifestação poderosa e grandiosa]. Logo, cremos que as pessoas somente nesse momento buscarão, desesperadamente, abrigar-se nas cavernas e rochas das montanhas.

No entanto, isso não quer dizer que pessoas, na atualidade, principalmente aquelas de maior poder, tenham eventualmente abrigos preparados por outros motivos, pois não faltam fatores de risco no mundo em que vivemos.

Não cremos que os poderosos levem muito a sério essas profecias, porque o próprio Apocalipse aponta que quase todos adorarão à besta e receberão o seu sinal. Apenas despertarão para a realidade quando já for muito tarde, quando já estiverem ocorrendo esses sinais logo após a grande tribulação.

Porém, na atualidade, os poderosos devem ter vários abrigos e bunkers para eventualidades de destruição sim, mas por motivos humanos, não porque estejam crendo nas profecias...Há décadas, já se constroem em alguns países abrigos anti-nucleares e essa tendência tem crescido. Esperamos ter ajudado com nossa resposta. Se as dúvidas persistirem, pode entrar em contato conosco. Que o Eterno Pai continue lhe guiando.


Abs,

PROJETO ÔMEGA

 

 


Pergunta enviada por um leitor em 29/01/14:

YHWH abençoe todos nós...Queria agradecer pelo vosso site porque é muito elucidativo e é um instrumento que ajuda a divulgação das boas novas de Jesus Cristo e no desenvolvimento da verdadeira espiritualidade cristã.

A minha pergunta vai no sentido do vosso artigo sobre o nome de Deus e de Jesus. O vosso artigo diz que o nome foi esquecido no tempo. O Eterno e Todo-poderoso permitiu que o seu nome fosse esquecido? Adoramos um Deus cujo nome foi esquecido? Para mim isto não faz sentido.

Concordo que Jesus consegue ler o pensamento e o coração das pessoas, concordo com a vossa posição relativamente ao sectarismo que existe em volta do nome de Deus e do seu filho. Não seria correto ver a historicidade de nomes desde antigamente até os nossos dias, por exemplo: Hallelu yah e os nomes dos profetas Daniel, Isaías, Jeremias e Natanyahu (atual premiê israelita).

Eu acho pouco correto dizer que a pronúncia do nome Deus perdeu-se no tempo. Um Deus que não zela pelo seu nome? Permitiu que o seu nome fosse esquecido? Parabéns pelo site e pela mensagem de grande utilidade espiritual.

Leitor,

PAZ!

Agradecemos por você entrar em contato e pelo importante incentivo. Sobre o tema do nome, o que afirmamos é que a pronuncia exatamente correta do tetragrama não pode ser taxativamente determinada, principalmente nas inflexões vocálicas das últimas consoantes, posto que a raiz "Ya" ou "Ia"é bastante clara. O termo "Yah" é, podemos dizer, indiscutível.

Concordamos que o estudo sobre isso tem que ser contínuo, abnegado e profundo. Não podemos cair no erro de pensar que não devemos buscar mais sobre o tema e saber a pronúncia mais aproximadamente do nome de nosso Criador.

Vários nomes hebraicos trazem raízes que apontam para o tetragrama, como você bem lembra. Em nosso estudo, deixamos exposto isso... Que a pesquisa e o estudo sobre o tema são muito importantes.

Sobre o Eterno não zelar Seu nome, entendemos seu argumento. No entanto, podemos ver que o zelo pelo seu nome também ocorre em sentido inverso logo após ele ter sido revelado a Moisés.

"Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão" [Êxodo 20:3]

Ou seja, vemos nos 10 mandamentos um zelo do Pai no sentido de que seu nome não seja tomado em vão, mais do que um zelo para que seu nome fosse pronunciado por aquela geração, haja vista que é um nome precioso, o qual, em lábios impuros e em pessoas não regeneradas espiritualmente, seria mal utilizado.

Basta ver como as pessoas têm usado a palavra "Deus" no seu dia a dia... Se usa de qualquer forma, até mesmo em contextos que dariam nojo citar aqui... Vemos que, na Antiga Aliança, embora o Criador tenha feito um pacto e uma escolha de uma nação específica e tenha, em função dessa escolha e pacto, mantido contato e comunhão com várias pessoas, o contexto geral era de pessoas ainda não regeneradas espiritualmente...

Pessoas que, em sua índole espiritual, ainda não tinham experimentado o novo nascimento. Logo, vemos que o zelo do Criador pelo Seu próprio nome, objetivando que ele não fosse falado de forma injustificada, faz muito sentido.

Podemos dizer que o nome do Criador jamais foi esquecido e jamais o será... Já a sua pronúncia, de acordo com o padrão fonético dado a Moisés, aquele que ele ouviu na sarça, devido aos fatos já relatados, fica, para nós, muito difícil de estabelecer de forma categórica. Porém, devemos buscar por isso, pois, afinal, trata-se do nome de nosso Pai. Ficamos aqui a sua disposição. Que YHWH continue lhe abençoando!


Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Perguntas enviadas por um leitor:

"No contexto de Mateus 24: 15-21, o que significa "Orai para que a vossa fuga não suceda no inverno e nem no sábado" ? O termo "inverno" faz até sentido, pois pessoas fugirem num clima de frio ou de neve seria mais difícil, porém o termo "sábado" como se aplica a nós, não se aplica aos judeus?"

Cremos que essa passagem deve ser entendida sob o prisma do contexto anterior. O Mestre estava falando especificamente da abominação da desolação, a qual ocorrerá em Jerusalém. O próprio Salvador lembra o que já tinha sido profetizado por Daniel [Daniel 9:27, Daniel 11:31, Daniel 12:11].

Por essa razão, cremos que os termos "inverno" e "sábado" estão condicionados a esse contexto, da região de Jerusalém e proximidades. No entanto, entendemos que daquele momento se propagará para todo o mundo "grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver" [Mateus 24:21]. Cremos que a abominação desoladora será o ponto inicial da grande tribulação.

"No capítulo 7 de Apocalipse mostra os cristãos que sofreram a grande tribulação e estão nos céus perante o Cordeiro. Depois segue-se os outros acontecimentos como o sétimo selo e as setes trombetas. Também, em Apocalipse 15:2 mostra os que passaram pela grande tribulação, nos céus louvando a Deus.

Não estou conseguindo encaixar as sequencias dos fatos no livro do Apocalipse. Entendo tudo o que vocês têm explicado, creio assim como vocês (no pós-tribulacionismo) , mas não consigo encaixar essas sequencias de visões que o apóstolo João presenciou e relatou no livro do Apocalipse. Parece que o livro relata as visões de João, mas não necessariamente na ordem temporal.

Me parece que o livro repete a mesma revelação duas vezes, mas com detalhes distintos. Por exemplo, o livro relata a volta de Cristo duas vezes (em Apocalipse 19: 11-21 e 6:2), mas sabemos que ele voltará apenas uma vez. Parece que os mesmos acontecimentos são relatados duas vezes e de forma diferente. Há um estudioso em escatologia que ensina essa técnica de estudo do livro (Gino Ianfrancesco)"

Cremos no que você mesmo levanta como possibilidade dentro de sua pergunta. O Apocalipse não deve ser entendido como um roteiro cronológico, onde cada coisa é narrada em ordem. É visível que existe uma ordem global no livro, mas afirmar que existe uma estrita ordem cronológica é cair em evidentes contradições.

Você cita um exemplo e existem muitos outros. Cremos que os textos apontados por você [Apocalipse 7:14, Apocalipse 15:2], quando combinados com o resto das Escrituras e com o resto do próprio Apocalipse, deixam claro que a Igreja estará na Terra no período tribulacional e será "tirada" desse cenário no momento da gloriosa volta do Ungido.

É mostrado que pessoas saem da grande tribulação e são eternamente consoladas ou pessoas que saíram vitoriosas do governo da besta. Tudo isso indica para uma permanência anterior dessas pessoas no cenário tribulacional.

Os textos em questão (Apocalipse 7:14 e Apocalipse 15:2) narram eventos celestiais atemporais, os quais ocorrem em outra dimensão.

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por um leitor

Fico honrado em ser um de seus leitores e gostaria de tirar uma dúvida que surgiu no estudo A IGREJA NA TRIBULAÇÃO a respeito das duas testemunhas de Apocalipse 11, pois "no meu entendimento" adquirido através de outros estudos antes de conhecer o Projeto Ômega, essas duas testemunhas seriam o antigo e o novo testamento que serão mortos (a bíblia proibida por lei) pelo anticristo e assim permanecendo por três anos e meio, causando regozijo entre os homens (Apocalipse 11:10) comparando com (II Timóteo 4:3-4).

Estou muito feliz em ter o privilégio de desfrutar desses estudos com os irmãos e aguardarei o vosso ponto de vista e que a paz do Altíssimo esteja convosco!!!


Leitor,


Agradecemos por você ler e valorizar o nosso site. Sobre o tema proposto por você, o entendimento de que as duas testemunhas sejam o Novo e o Antigo Testamento não nos parece ter suficiente sustentação.

Em primeiro lugar, a real importância da mensagem do Evangelho, do qual o Antigo Testamento é uma sombra e o Novo é a revelação, não está contida ou limitada às páginas de um livro. É uma mensagem espiritual.

Então, a pregação, aceitação e avanço do Evangelho não poderiam ser impedidos pelo anticristo ("morte" do Antigo e Novo Testamento) porque a eficácia da revelação do Altíssimo é espiritual e a Sua Palavra habita em cada um dos Seus.

Por outro lado, há elementos que nos levam a crer que as duas testemunhas se tratam de pessoas. As duas testemunhas testemunharão por um período definido (1.260 dias). O farão vestidas como se vestiam muitos dos antigos profetas. Sua forma de atuação também remete ao ministério de profetas do Antigo Testamento [Apocalipse 11:3-6].

A própria ressurreição das duas testemunhas, trazendo grande espanto às nações, faz mais sentido se essas testemunhas forem realmente pessoas. Bom, esse é o nosso entendimento. Que o Eterno continue lhe abençoando!

PROJETO ÔMEGA


 

Perguntas enviadas pelo leitor Leandro

 

Em Atos 2:16-21 fala do escurecimento do sol e a lua se tornar em sangue. O apóstolo Pedro diz que eles estavam recebendo a manifestação do Espírito Santo e vivendo os últimos dias e fala desses sinais. Será que naquele dia de Pentecostes o sol se escureceu e a lua se tornou em sangue?

O texto me parece que dá margem para essa interpretação. Pedro confirma a profecia de Joel. Ou será que esses sinais têm um sentido alegórico? Peço que por favor me ajudem nessa interpretação.

Em Daniel 2:44 diz que os reinos dessa terra passarão e o reino de Cristo será para sempre. Um amigo meu que deve ser preterista ou historicista acredita que o reino de Cristo já chegou, pois ele interpreta como sendo os quatro reinos que já passaram: Babilônia, medos-persas, Grécia e Roma.

O que está me confundindo é que o texto diz que "nos dias desses reis surgirá um reino que os destruirá e esse reino será para sempre". Ele diz que o quarto animal terrível seria esse reino de Cristo. Então, assim tudo já se passou. Gostaria ter uma explicação melhor para esse contexto e os nossos dias.

 

Leandro,


Agradecemos por você ter acessado nosso site e desejamos que o Pai Eterno continue guiando você rumo a toda a Verdade. Com relação aos pontos que você levanta, vamos tentar analisá-los de acordo com o conjunto de todas as Escrituras.

"Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel: E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; E os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, Os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos sonharão sonhos; E também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e as minhas servas naqueles dias, e profetizarão;

E farei aparecer prodígios em cima, no céu; E sinais em baixo na terra, Sangue, fogo e vapor de fumo. O sol se converterá em trevas, E a lua em sangue, Antes de chegar o grande e glorioso dia do Senhor; E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo" [Atos 2:16-21]

Cremos que Pedro aplica a profecia de Joel àquele contexto (Pentecoste) para mostrar que os últimos dias haviam começado. Esse ensino pode ser visto também em outros escritores do Novo Testamento, onde os conceitos de "última hora" ou "últimos dias" são usados para definir a própria geração que vivia no século primeiro.

Se analisamos esse conceito de tempo considerando toda a criação divina, desde a criação do Universo até a criação do homem, veremos que esse tempo que estamos viviendo atualmente, entre o ministério de Cristo na Terra e Sua gloriosa volta, pode ser considerado com muita propriedade como o "tempo do fim".

É bom salientar que Pedro cita a profecia de Joel para associá-la com aquilo que as pessoas tinham presenciado no Pentecoste. No entanto, pela narrativa anterior do mesmo capítulo de Atos, apenas parte desses sinais ocorreram, ou seja, as manifestações do derramamento do Espírito.

Quando Pedro cita os outros sinais (cósmicos, apocalípticos) não quer dizer que já estavam se concretizando naquele momento, pois não há nenhuma base escriturística ou histórica para afirmar isso. Pelo contrário, o próprio Mestre havia relatado com detalhes quando ocorreriam aqueles sinais cósmicos (prodígios em cima, no céu, sinais em baixo na terra, sangue, fogo e vapor de fumo, sol convertendo-se em trevas e lua em sangue).

Segundo o ensinamento de Cristo, esses sinais só ocorreriam logo após a maior de todas as tribulações (Mateus 24:29) e não antes. Também, só ocorreriam após a pregação do Evangelho a todas as nações e não antes.

Cremos que Pedro citou toda a profecia de Joel para ensinar àquelas pessoas que aquilo que elas estavam presenciando tinha base nas Escrituras e que, a partir daquele momento, iniciava-se o último tempo profético, onde quem invocasse o nome do Senhor seria salvo.

Nesse contexto, ele citou os sinais cósmicos que ocorrerão no fim. Mas isso não quer dizer que já naquele tempo tais sinais ocorreram. Em nosso artigo PEDRO E AS PROFECIAS você poderá encontrar mais comentários sobre essa passagem.

"Mas, nos dias desses reis, o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e este reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos esses reinos, mas ele mesmo subsistirá para sempre" [Daniel 2:44]

Sobre essa passagem de Daniel, realmente há muitas interpretações. O que fica patente ali é que o sonho que Nabucodonozor teve e que foi interpretado por Daniel, revela uma sequência de reinos. Por essa sequência e levando em consideração a própria história, vemos que os reinos mencionados ali são o da Babilônia, Medo-Pérsia, Grécia e Roma.

Porém, é importante olhar para a própria figura do corpo vista por Nabocodonozor no sonho. Mais do que segmentar cada reino, cremos que é importante ver que se trata de um corpo que será destruído [Daniel 2:35].

Se bem o ministério do Senhor Jesus lançou os alicerces espirituais para que esse corpo seja destruído e o Reino do Pai já se manifesta na Terra através da Igreja, essa concretização física da destruição final do domínio desses reinos só se dará diante do retorno glorioso de Cristo. É isso que Apocalipse 19 revela.

A própria lógica e a história mostram que esses reinos, de uma ou outra forma, continuam ativos, influentes e dominantes em nosso mundo. Seria muito descabido afirmar que os reinos deste mundo estão aniquilados. Pelo contrário, o poder deles se aproxima do clímax, que será o governo da besta. Basta ver o noticiário para perceber como o poder humano está agindo mundo nos dias atuais.

Cremos que os dez dedos da estátua vista por Nabucodonozor se associam aos dez chifres que entregarão seu poder ao anticristo nos dias finais [Apocalipse 17:12-13]. É importante salientar que a pedra (Jesus) fere a estátua (sistema humano de governo) nos pés e após isso todo esse sistema é desfeito...

Cremos que isso ocorrerá como consequência da gloriosa volta de Cristo, quando Ele voltara para derrotar o anticristo e os 10 chifres, começando assim o Seu reino de paz e justiça na Terra.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por um leitor

 

"Paz de YHWH a todos!!! Quero agradecer a ajuda que os irmãos têm dado a todos através do site Projeto Ômega. Tenho uma dúvida concernente à ordenação que diz que devemos obedecer às ordens das autoridades, pois as mesmas são constituídas pelo Altíssimo, conforme o que está escrito em Romanos 13:1-7... No governo mundial do anticristo, como devemos proceder?"

Leitor,

Agradecemos por você ter acessado nosso site e ter entrado em contato conosco. Sobre sua pergunta, que é muito importante, cremos que há duas considerações a fazer, as quais, talvez, possam ajudá-lo a comprender melhor o texto de Romanos 13:1-7.

Em primeiro lugar, devemos considerar o texto linear. Isso pressupõe entender Romanos 13:1-7 de acordo com todo o contexto anterior que vinha sendo abordado por Paulo. Sabemos que a divisão dos livros neotestamentários em "capítulos" e "versículos" foi inserida muito depois do tempo em que Paulo enviou sua carta aos romanos. Portanto, sempre é bom ter isso em mente.

Então, Paulo vinha abordando no contexto anterior sobre o tema do amor ao semelhante e ao fato que devemos, no que depender de nós, fazer o possível para termos paz com todos os homens e para não buscarmos vingança contra as injustiças (Romanos 12:18-21).

Então, essa sujeição apontada por Paulo em Romanos 13:1-7, não é uma obediência nem subserviência cega, mas é, de certa forma, "suportar" ou "tolerar" as autoridades humanas, tendo paz com elas no que depender de nós.

No entanto, a Palavra também é clara que, diante de uma ordem ou atitude de uma autoridades humana que se oponha ou se levante contra a Verdade do Evangelho ou contra a vontade do Criador expressa em Sua Palavra, importa antes agradar a Ele do que a homens (Gálatas 1:10, Atos 4:20, Atos 5:29).

Um claro exemplo disso está em Atos 5:29, onde, embora houvessem recebido uma proibição das autoridades para pregar o Evangelho, Pedro e os outros irmãos continuavam a fazê-lo, porque a ordem para isso havia sido emitida pelo próprio Cristo (Mateus 28:19-20).

Logo, diante de qualquer ordem de autoridades humanas que se contraponha à Verdade do Criador, devemos opornos a ela e obedecer ao Senhor, de forma pacífica e amorosa. Sobre o governo do anticristo, a Palavra é clara ao revelar sua malignidade e comprometimento com Satanás. Então, devemos manter-nos totalmente afastados desse reino, assim como devemos manter-nos afastados de tudo o que é mal.


Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por um leitor

 

"Tenho acompanhado há algum tempo o site Projeto ômega, assisto diariamente aos vídeos do canal Últimos Acontecimentos Online e gostaria de participar desta seção. Agradeço antecipadamente a atenção dos amados irmãos.

Com relação ao estudo intitulado "Controle Total", pretendo tomar a mesma atitude dos irmãos, ou seja, não deixar que ponham no meu corpo qualquer sistema que permita me rastrear no futuro.

Gostaria de perguntar se as Escrituras dão alguma orientação sobre como sobreviver naquele tempo, já que não poderemos comprar, vender e, como consequencia, não poderemos nos alimentar, locomover, ir ao médico e outras coisas essenciais. É só orar mesmo ou tem alguma outra orientação?"

Leitor,

Agradecemos por você ler e valorizar nosso site. Com relação a sua pergunta, o Messias, quando descreve a chegada da abominação desoladora (Mateus 24;15), dá instruções específicas a quem estiver em Jerusalém e na Judéia naquele período.

São instruções pragmáticas e elas, embora se refiram a um determinado local, podem ser entendidas de forma geral, posto que aquilo que começará com a abominação desoladora se expandirá por todo o mundo.

Nosso Salvador cita como conseqüência imediata da abominação desoladora a chegada da maior aflição (tribulação) de todos os tempos (Mateus 24:21). No entanto, apesar das medidas físicas e estruturais que possam ser tomadas, o fundamental é ser guiado pelo próprio Espírito Santo.

Se o Espírito do Eterno Pai não estiver na vida de uma pessoa, de nada valerá o seu esforço humano. Cremos que a chave neste caso é estar atento à voz do Espírito Santo em nossos corações. Ele tem a maneira certa, o modo certo e o momento oportuno de atuar com cada um, de forma pessoal e específica.

É óbvio que há coisas que podemos discernir com a inteligência natural que o Criador já nos dá. Por exemplo, se soubéssemos que chegaria um furacão daqui a duas semanas, logicamente, quem fosse prudente e inteligente, iria tomar as medidas adequadas para esse evento... Então, se sabemos alguns detalhes do que ocorrerá, é lógico tomar as medidas cabíveis.

No entanto, para aquele que vive em Cristo, essa inteligência natural deve estar em íntima comunhão com a mente de Cristo, que é a inteligência espiritual. Esperamos ter respondido a sua pergunta e ficamos a sua disposição para outros esclarecimentos.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por um leitor


"E os dez chifres que viste, e a Besta, estes odiarão a meretriz e a farão devastada e nua, e comerão as suas carnes e a queimarão completamente no fogo" (Apocalipse 17:16)

"E eu vi a Besta e os reis da terra, e os seus exércitos, ajuntados para travar guerra com aquele que está sentado no cavalo e com o seu exército. E a Besta foi apanhada, e junto com ela o falso profeta, que realizava na frente dela os sinais com que desencaminhava os que tinham recebido a marca da Besta e os que prestavam adoração à sua imagem. Ambos, ainda vivos, foram lançados no lago ardente que queima com enxofre" (Apocalipse 19:19)

Sabemos que Babilônia integra o Império Mundial da Religião Falsa. No primeiro texto acima, os elementos políticos, representados pelos 10 chifres, destroem Babilônia a Grande, provavelmente destruindo templos, apossando-se de contas bancárias, confiscando terrenos, propriedades, etc.

Isso parece preceder o estabelecimento da adoração mundial ao Anticristo. No entanto, vemos um outro elemento religioso aparecendo durante a Grande Tribulação ajudando o Anticristo e que é destruído não pelos 10 chifres, mas, pelo próprio Jesus e seus exércitos celestiais.

Trata-se do Falso Profeta, o qual, na frente da Besta, realiza sinais. Porém, em Apocalipse 13:13 é dito que uma Besta com aparência de cordeiro e que fala como dragão também faz sinais. De acordo com a simbologia bíblica de Daniel e Apocalipse, animais significam poderes políticos. Com base nisso, tenho algumas perguntas:

Afinal, o Falso Profeta é um elemento político ou religioso? Porque ele é tratado à parte de Babilônia, a Grande?

As religiões não-cristãs e afro-orientais tais como Budismo, Xintoísmo, Confucionismo, Ubandismo, etc, serão também destruídas pelos 10 chifres?

Se entendemos que o Catolicismo faz parte da Babilônia, é lógico acharmos que o Papado não sobreviverá ao ataque à grande meretriz? O Protestantismo a nível mundial será também atacado pelos 10 chifres?

Leitor,

Muito interessantes suas indagações e reflexões. Nós cremos que o falso profeta é a besta descrita a partir de Apocalipse 13:11. Ela possui 2 chifres "semelhantes aos de um cordeiro"... I

sso nos indica que ela terá domínio sobre duas instancias de poder, significando que nela se concentrarão caracterísiticas religiosas e políticas ao mesmo tempo, posto que é essa segunda besta, que surge da terra, que exerce "todo o poder" da primeira besta em sua presença (Apocalipse 13:12), e é ela quem faz que aos homens lhes seja imposto o sinal da besta (Apocalipse 13:16).

É ela também que, sob uma permissão específica, fará com que a imagem da besta tenha espírito e exercerá juizo marcial sobre os que não adorarem essa imagem. Então, vemos que essa segunda besta, que em Apocalipse 19:20 é chamada de "falso profeta", tem poderes religiosos e políticos.

É muito provável que o falso profeta surja dentro da Grande Babilônia e, aproveitando inicialmente esse posto religioso, leve as pessoas e os 10 chifres, comandados pela primeira besta, a levantarem-se contra a própria Grande Babilônia, tempos depois. O falso profeta será o responsável pela instauração a nivel mundial de um novo culto...

Cremos que chegará um momento em que tudo o que se relaciona às formas religiosas que os homens seguem ou tem seguido historicamente, serão negadas ou subtituídas por uma nova forma, onde, através dos grandes sinais feitos pelo falso profeta, o próprio anticristo será objeto de adoração mundial:

" ...O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus" (II Tessalonicenses 2:4)

E essa adoração será transferida também para o dragão (Satanás):

"E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?" (Apocalipse 13:4)

Então, cremos que toda forma de crença que se desvie da adoração da besta e de sua imagem, e também do dragão, será combatida. É óbvio que o principal alvo da besta e o seu objetivo mais secreto será a Igreja do Senhor, aqueles que verdadeiramente pertencem ao Seu Corpo, pois Satanás deseja a destruição desse Corpo...

Um Corpo que não pode ser denominado ou classificado sob uma determinada "religião"... No entanto, cremos que, inicialmente, a perseguição à Igreja estará incluida dentro de um contexto de perseguição a qualquer que não adore a imagem da besta ou receba seu sinal.

É muito difícil prever se determinadas religiões serão destruídas ou não pelos dez chifres, pois algumas delas poderão submeterse à nova religião do falso profeta e da besta. No entanto, sabemos a que a Grande Babilônia será destruída e cremos que a Grande Babilônia é o sistema religioso que, embora tenha aparencia de piedade, tem se prostituído com os poderes políticos deste mundo.

Como dissemos, é muito perigoso dizer que religião será destruída pela besta através dos 10 chifres ou que religião se prostará diante da besta, aceitando seus novos paradigmas... Mas cremos que haverá esses dois casos... O importante e vital é estar no Corpo de Cristo e adorar somente ao verdadeiro Senhor.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pelo leitor Douglas

Graça e Paz irmãos!

Após ler o texto sobre o arrebatamento e a segunda vinda de Cristo como um evento que acontecerá ao mesmo tempo após a grande tribulação, fiquei em dúvida em relação à parábola de Mateus 25, sobre as dez virgens. Não seria um "rapto" daqueles que negaram a vida da alma? Sendo que as dez virgens eram crentes?

Se for possível explicar-me seria muito útil para a minha edificação.

Douglas,

Obrigado por ler o nosso site. Sobre a parábola das 10 virgens, devemos considerar, em primeiro lugar, que essa narrativa ocorreu na sequência do que o Mestre já vinha falando sobre a Sua vinda, desde Mateus 24:1. Logo após narrar os detalhes da Sua vinda e dos sinais que a antecederiam, nosso Salvador narra algumas parábolas a respeito do que havia revelado pouco antes.

Então, cremos que a parábola das 10 virgens, com a narrativa da chegada do noivo, deve ser entendida sob o crivo do que Cristo já havia claramente revelado sobre Sua vinda. Não deve ser entendida como uma revelação separada, mas dentro de um contexto.

Nessa narrativa anterior, nos é revelada apenas uma vinda, a qual ocorrerá, segundo o próprio Mestre, de forma visível, logo após a maior de todas a aflições e na qual Seus escolhidos serão reunidos nos ares ao som do toque de trombeta (Mateus 24:21-31). Não faria sentido o Senhor descrever pormenorizadamente uma vinda e, ato contínuo, deixar nas entrelinhas uma outra vinda, a qual ele não tinha mencionado aos mesmos discípulos.

O segundo ponto a ser considerado é que a vinda de Cristo será como um ladrão para quem não estiver vigiando. Não será como um ladrão para quem estiver vigiando. A grande questão é que, quando Ele voltar, poucos estarão realmente vigiando...

Muitos serão enganados pela besta. Se hoje milhares de cristãos se deixam levar por falsos ensinamentos e qualquer modismo interessante que surge, quantos não serão enganados quando toda a eficácia de Satanás for exercida sobre o mundo? O nosso Salvador pergunta: Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra? (Lucas 18:8).

Veja o que Paulo ensina em I Tessalonicenses 5:4 e o que Cristo revela em Apocalipse 3:3. Vigiar significa estar de olhos bem abertos durante um período de vigília ou um período de trevas. As virgens tinham que possuir azeite, pois precisavam das lâmpadas para iluminar seus caminhos na escuridão da noite. Tudo isso nos remete ao período de maior escuridão que virá sobre a Terra... O período da tribulação final com toda a sua escuridão espiritual.

Por último, gostaríamos de chamar sua atenção para o fato do noivo chegar depois do que as virgens esperavam. O noivo tardou e as virgens começaram a cochilar.... Ou seja, o noivo chegou depois do que elas estavam pensando que ele chegaria... Num determinado momento, no meio da densa noite, algo as faz acordar... Um grito em meio à escuridão...

Quem tinha azeite para enfrentar aquela escuridão e acender sua lâmpada, pôde encontrar-se com o Noivo. Quem não tinha azeite, foi tragada pela escuridão... Perdeu-se no caminho... Veja que todas essas figuras nos remetem, mais uma vez, ao período tribulacional. Esse é o nosso entendimento. Que você possa buscar no Senhor a Verdade, pois somente o Espírito Santo pode oferecê-la. Que Cristo continue lhe abençoando e honrando.

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 


Pergunta enviada por uma leitora

"Querido Irmão:

Como será difícil suportar a tribulação com fé, presenciar a morte de tantos "inocentes", tanta destruição, e ainda assim crer que D'US é justo e fiel, precisaremos tanto de ajuda para ver além das aparências...

Penso que precisamos urgente de líderes capazes de conduzir os rebanhos em meio ao vale das sombras da morte por onde eles terão que passar até que sejam retirados daqui pelo ETERNO, líderes capacitados pelo Seu Espírito e treinados para a sobrevivência em meio à tribulação.

Não só sobrevivência material (como suas ótimas instruções para a preservação de alimentos), mas a sobrevivência emocional em meio à dor que virá. Líderes capacitados para ajudar a sobrevivência da Fé em meio à realidade do caos e da dor...

Ao ver as coisas começando a acontecer parece impossível olhar para o alto e se regozijar pela salvação próxima... Para mim "parece" ser "fácil" suportar a perseguição, o difícil será suportar a dor do próximo..."

Leitora,

Realmente, a morte de tantas pessoas em tragédias como a do Rio de Janeiro nos deixam profundamente tristes. Apenas aqueles que chegaram a um nível máximo de insensibilidade e comportamento psicótico podem dizer que isso não os atinge em nada.

Cabe a nós, enquanto filhos do Altíssimo, não apenas sensibilizar-nos com tão situação, mas também agir, assim como nos ensinou o Mestre, ajudando efetivamente a quem precisa de nossa ajuda e socorro. O ser humano não foi criado para morrer nem para viver num ambiente de caos e destruição. Por isso, tais coisas causam tanto impacto em nós...

Assim como o Rio de Janeiro, milhões de tragédias têm ocorrido desde que Adão saiu do Éden. Tenha certeza que, se você sente por essas pessoas, muito mais o Criador delas. Aquele que enviou o Seu próprio Filho à Terra para a maior de todas as humilhações e o maior de todos os sofrimentos, assumindo forma humana, carregando todos os pecados da humanidade sobre si e morrendo numa cruz.

A criação cósmica e terrena geme por causa do impacto do pecado humano e angelical (anjos caídos). É uma consequência dessas desobediências. Veja as passagens de Gênesis 3:17-19, Oséias 4:1-3, etc.

À medida que a iniqüidade cresce e chega ao seu clímax (período tribulacional), as reações da natureza serão cada vez mais profundas. Isso sem contar que o próprio homem destrói a natureza criada pelo Pai. Note que TUDO o que o homem cria em termos materiais gera algum tipo de ferida na natureza.

Isso se deve a que a humanidade caminha na contramão do plano original de Deus e não quer dar ouvidos à dádiva divina de redenção através do Filho Unigênito. No entanto, a boa notícia é que se aproxima o dia em que céus e Terra serão renovados e que o Senhor reinará sobre a Terra e os homens aprenderão a viver em comunhão com o Senhor e com a Sua criação! (Isaías 2:1-4, Miquéias 4:-1-4, Apocalipse 21 e 22).

Por outro lado, devemos considerar que o Eterno é soberano para exercer juízos e só Ele sabe o destino de cada alma. Para Ele todos estão vivos, até mesmo os mortos, e Ele julgará a cada um de acordo com os critérios que Ele estabelece.

Os propósitos Dele são mais elevados que os nossos. A justiça Dele é perfeita e exercida com amor, assim como o amor é perfeito e exercido com justiça...

Sem dúvidas, os momentos que se aproximam serão difíceis, mais do que os atuais (!). No entanto, eu creio firmemente que o Senhor Jesus zela pela Sua Igreja e levantará servos Seus para trazer direções, conforto e edificação em meio a esse período difícil.

O Mestre mostrou de forma clara aos Seus discípulos que eles iriam sofrer graves danos físicos e profundas oposições. No Evangelho, em nenhum momento nos é prometido que ficaremos fisicamente isentos das conseqüências do gemido da natureza, mas temos a promessa de vencer o mundo e de, através de Cristo, vencer a morte, para, então, começar a viver num mundo de acordo com o propósito original de Deus para a humanidade.

Nosso Eterno Pai quer relacionar-se com Suas criaturas e não tratá-las apenas como peças programáveis e manipuláveis. Em Seu infinito amor, decidiu dotar-nos de vontade própria e de um considerável poder de decisão.

É uma pena que a humanidade, em sua maioria, sempre decida contra os desígnios do Criador, rejeitando o que lhe é presenteado gratuitamente por Ele.

Que o Senhor continue lhe fortalecendo e fazendo com que sua lâmpada esteja cheia de azeite para iluminar seus passos em meio à escuridão que se aproxima.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por uma leitora


"Irmãos,

Uma pergunta: o que é que leva três grupos diferentes de pessoas a três interpretações diferentes a respeito do arrebatamento? O que dizem os batistas, os assembleianos, os adventistas? Se for possível responder, eu agradeço muito"

Leitora,


Sua pergunta é crucial. Se a Verdade é uma só, porque existem diversas crenças? Em primeiro lugar, devemos partir da premissa que existe apenas uma Verdade. Nosso Salvador afirmou que Ele é a Verdade (João 14:16).

Logo, isso não pode ser compactuado com a ideia mundana de que "cada um tem sua verdade". Aplicando isso às diferentes crenças em relação ao encontro do Jesus nos ares com a Sua Igreja, a Verdade é uma só.

Uma questão fundamental quando analisamos essas diferenças, é que grande parte dos que sustentam uma crença o fazem porque "ouviram falar" ou porque assim lhes foi ensinado. São poucos os que se dedicam a buscar a verdade, a estudar, o orar e a pesquisar.

A maioria tende a adotar uma determinada interpretação porque assim todos no grupo creem ou porque assim as pessoas sempre creram dentro daquela instituição...

Uma prática salutar é perguntar quando surgiu determinada crença no seio da Igreja. No contexto que estamos analisando, a Igreja dos primeiros séculos aguardava a gloriosa vinda do Senhor Jesus para livrá-los do anticristo e iniciar o Seu glorioso Reino aqui na Terra.

Em nosso site existem várias citações mostrando isso. A crença num arrebatamento secreto sete anos antes ou três anos e meio antes da vinda do Senhor só apareceu séculos depois. Os irmãos primitivos não diferenciavam no tempo o encontro nos ares e a gloriosa manifestação de Cristo.

Esse, por si só, já seria motivo suficiente para não adotar as crenças pré ou midi. Elas simplesmente não faziam parte da fé da Igreja nos primeiros séculos. No entanto, existem outras razões, como as escriturísticas.

Crer no pré ou no midi implica em deduzir muitas coisas que não estão reveladas e, ao mesmo tempo, tirar de contexto outras que estão claramente reveladas. Por exemplo, sustentar que a última trombeta não é a última ou que a primeira ressurreição não é a primeira, mas apenas uma parte da primeira...

Então, cremos que essa diferença de interpretação surge quando pessoas dão ouvidos a novidades interpretativas e começam a adotar essas novidades como se fosse a verdade. Outras, começam a crer porque aquilo se encaixa com suas expectativas pessoais ou com a idéia que elas fazem do que Deus pode e não pode fazer...

Com o passar do tempo, devido à repetição e à institucionalização, essa novidades vão se tornando uma "verdade" inquestionável. A maioria das vezes é difícil convencer alguém de que algo não está certo dentro daquilo que ela crê. Somente o Espírito Santo pode guiar-nos a toda Verdade.

No entanto, deve haver uma busca sincera por parte da pessoa, uma busca desprovida de vaidades humanas e de condicionamentos institucionais.

Com relação às denominações citadas por você, pelo que temos estudado, os batistas creem predominantemente no pré-tribulacionismo, assim como a maioria dos assembleianos.

A maioria das igrejas evangélicas tradicionais, consolidadas a partir do século XIX, foi diretamente influenciada pelas doutrinas de John Darby, o qual teorizou o dispensacionalismo naquele século, sistema que dá base ao pré-tribulacionismo. A Bíblia comentada de Scofield também serviu para influenciar muitos líderes.

Não obstante, nos últimos anos muitos têm abandonado essa crença e voltado à crença da Igreja Primitiva. Já os adventistas creem numa espécie de pós-tribulacionismo próprio, já que, ao mesmo tempo em que utilizam a Bíblia, dão credibilidade e valor também às profecias e ensinamentos de Ellen White para sustentar suas crenças. Esperamos ter respondido a suas questões. Que o Altíssimo continue lhe guiando a toda a Verdade.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pelo leitor Joel

 

"Olá Jesiel!

Sou leitor assíduo do seu site, e como já disse em outra oportunidade, você tem publicado artigos bem interessantes. Gostaria que você me desse sua opinião sobre o seguinte: o sinal ou marca da Besta, tem a ver com alguma coisa física ou espiritual? Obrigado e fique com o Eterno!"

Joel,

Agradecemos por você ter acessado nosso site e ter entrado em contato conosco.


Com relação ao sinal da besta, cremos que tal sinal tem a ver, ao mesmo tempo, com coisas físicas e espirituais. O sinal se relaciona ao aspecto espiritual porque será imposto dentro de um contexto maligno. Não será apenas uma marca para fazer parte do sistema financeiro, mas estará dentro de um contexto maior de adoração e malignidade. A narrativa do Apocalipse une esses elementos:

"E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão. E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada. E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens.

E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia. E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta.

E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome" (Apocalipse 13:11-17).

Em Apocalipse 14:9-10, o terceiro anjo também une esses elementos, ao pronunciar a sentença para quem adorar a besta e receber o seu sinal. Adorar a besta e receber o seu sinal serão coisas entrelaçadas.

Cremos que, mesmo quem receber o sinal e não adorar a besta de forma convicta, o fará de forma interesseira, curvando-se ao sistema da besta para poder sobreviver (comprar e vender). Por isso, a marca tem conotações espirituais de desobediência a Deus e de subserviência e adoração a satanás.

No entanto, a marca ou sinal da besta será algo físico também. Nós acreditamos nisso. Será algum tipo de mecanismo ou imagem colocada na mão ou na testa das pessoas que aceitarem as propostas da besta e a finalidade dessa marca, além do aspectos espirituais enganosos que já vimos, será material também, pois estará associada à compra e venda, ou seja, ao sistema financeiro e comercial que impera no mundo.

Esperamos ter respondido de forma satisfatória à pergunta levantada por você. Ficamos aqui a sua disposição. Que o Pai Eterno continue te guiando e abençoando.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pelo leitor Vladi

 

"Paz de Cristo!

Gostaria de saber se você pode me ajudar a entender Mateus 24:36. Eu sei que os escolhidos estarão na grande tribulação, mais não entendo como Mateus 24:36 se encaixa neste evento, sendo que diz que nem o Filho sabe dia e hora, a não ser o Pai. Como Cristo virá após a tribulação, teoricamente saberemos o dia! Espero que você possa me ajudar!

Desde já agradeço!

Paz!"

Vlad,

Obrigado por ler nosso site e entrar em contato conosco. Com relação a sua pergunta, a primeira questão a ser vista é que, quando o Senhor Jesus afirma que "Daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai", está referindo-se, obviamente, ao dia de Sua vinda. Sempre devemos entender um texto de acordo com o seu contexto.

Se lermos os versículos anteriores, veremos que esse dia apontado pelo Mestre é um dia pós-tribulacional, pois a ÚNICA vinda mencionada em todo o contexto é aquela que Ele descreve momentos antes de falar sobre "dia" e "hora" (Mateus 24:29-31).

Então, ensinar, como o faz o modelo pré-tribulacionista, que a vinda de Mates 24:36 é diferente da vinda de Mateus 24:29-31, é violentar uma regra básica de compreensão e leitura da Palavra, além de tornar desconexa a linha narrativa do Senhor, insinuando que Ele começa a falar de uma vinda diferente da que havia narrado imediatamente antes.

Porém, sua dúvida central se baseia no seguinte raciocínio: Se a vinda de Cristo e o arrebatamento ocorrerão após a tribulação, então, teoricamente, saberemos o dia.

No entanto, se você notar, o Senhor Jesus diz que voltará após os sinais cósmicos do Dia do Senhor (lua e sol escurecendo, estrelas caindo, potências dos céus sendo abaladas). Esses sinais ocorrerão, como mostra o Senhor, imediatamente após a grande tribulação.

O Senhor Jesus nos ensina que Sua vinda só estará "às portas", ou seja, iminente, após o cumprimento de todos os sinais que Ele mesmo estabeleceu:

"...Quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, às portas" (Mateus 24:33)

Então, não há como saber o DIA e a HORA exata da vinda de Cristo, pois ela ocorrerá num momento desconhecido logo após a grande tribulação e dos sinais do Dia do Senhor. É como se alguém dissesse a você: Olha, eu vou te visitar logo após o final do ano... Você não saberá se essa pessoa vai aparecer em sua casa no dia 1º de janeiro, no dia 15 ou no dia 31... Muito menos, você saberá a hora exata...

É mais ou menos assim que devemos posicionar-nos enquanto à vinda do Senhor. Sabemos que ela ocorrerá logo após a grande tribulação e dos sinais cósmicos (Mateus 24:29), mas não sabemos dia e hora.

O propósito da revelação profética é que saibamos, entre outras coisas, o tempo certo da volta de Cristo e os sinais que ocorrerão antes dessa vinda, para que não sejamos enganados (Mateus 24:4). Apenas não sabemos o dia e hora, pois essa vinda ocorrerá qualquer dia e hora logo após a grande tribulação.

Esperamos ter esclarecido sua dúvida. Se ela ainda persiste, pode mandar suas questões para que possamos continuar esse diálogo. Porém, o mais importante é que você busque confirmação no próprio Espírito Santo, o qual te guiará a toda a Verdade.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pelo leitor Eduardo


"Olá Jesiel, a paz do Salvador.
Há hoje, principalmente na internet, muitas informações sobre a existência de grupos "secretos" como os Illuminati, os Billderberg, FEMA, entre outros. Fala-se muito sobre os planos deles de causarem a diminuição populacional e criarem uma Nova Ordem Mundial super-controlada, dando ao final o poder a um líder único, o anticristo.


Muitas pessoas riem disso tudo e dizem que não passam de teorias de conspiração, inclusive pastores e lideres de respeitadas denominações evangélicas procuram desacreditar tais informações.


Fico preocupado com isso tudo, as vezes sem saber em quem acreditar. Tenho certo receio com pastores que negam tudo isso, pois fala-se que há muitos pastores maçons e muitas denominações são instituições humanas capazes de serem corrompidas e levadas a participar da ordem das coisas. Por outro lado, tento não ficar "panicado" achando demônio em tudo e caçando bruxas em todo lugar, pois alguns exageram.


Acho que o anticristo não vai surgir do nada, acho que alguma preparação deve ocorrer no mundo para seu surgimento. Obviamente há as potestades referidas por Paulo que atuam nas regiões celestes. Mas, no plano terrestre tem que haver uma atuação também, não tem?


Me corrija se eu estiver errado, mas acho que algumas passagens bíblicas podem carregar em si implícitas a existência de uma elite aristocrática, no final, trabalhando por isso. Veja:

"Por que se amotinam os gentios, e os povos imaginam coisas vãs? Os reis da terra se levantam e os governos consultam juntamente contra o SENHOR e contra o seu ungido, dizendo: Rompamos as suas ataduras, e sacudamos de nós as suas cordas" (Salmos 2: 1 - 3)

"E levou-me em espírito a um deserto, e vi uma mulher assentada sobre uma besta de cor de escarlata, que estava cheia de nomes de blasfêmia, e tinha sete cabeça s e dez chifres (…) E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a besta. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta" (Apocalipse 17: 3, 12 e 13)

Esses textos não nos revelariam que é provável um certo complô político internacional no fim dos tempos para levar o mundo ao governo do anticristo? Assim, os que tem estudado e revelado a existência de tais grupos "secretos" na elite mundial não estariam delirando, não é? Não seriam todos paranóicos ao final. Bom, Jesiel, o que você acha?

Mais uma pequena dúvida: Paulo diz que "já o mistério da injustiça opera". Isso ele quis dizer já a partir daqueles dias? E o que seria esse mistério da injustiça? Algo em especial? Quanto ao que o detém, embora haja controvérsias, me parece convincente a opinião de que seja Miguel, correto? Mas, o que seria o mistério da injustiça já em operação?"

Eduardo,

Seus questionamentos são muito importantes. Creio que a Palavra chave nessa questão é EQUILÍBRIO.

De um lado, não podemos acreditar em tudo o que é divulgado na internet e em outros meios de comunicação sobre conspirações, planos secretos, sociedades ocultas, etc. Diante de todas essas informações, o que podemos fazer é analisar uma a uma usando o discernimento espiritual e ver até aonde cada uma delas é verídica, sem nenhum tipo de ansiedade, medo ou inquietação, pois o Senhor está no controle de nossas vidas.

Uma coisa é acreditar e outra é pesquisar. São duas coisas diferentes. Mesmo assim, não podemos substituir a leitura, meditação na Palavra, oração, pelo estudo desses fatos e teorias. Então, devemos seguir o conselho de Paulo, examinar tudo e reter o que é proveitoso.


Por outro lado, não podemos também acreditar em tudo o que o poder oficial diz, pois sabemos muitos bem que eles ocultam e distorcem informações. Não podemos crer naqueles que dizem: "Está tudo normal, não há motivos para ocupar-se com isso... Nada vai mudar...

Esqueça essas coisas de profecias porque você não estará aqui para viver", etc, etc. Todas essas vozes estão se levantando contra a própria Palavra, que nos insta a ter uma constante atitude de vigilância em relação às profecias (Mateus 24:33, Mateus 24:43-44, Tiago 5:7, Lucas 21:28)

Temos que acreditar sim na Palavra do Eterno Pai, a qual nos dá todas as diretrizes e informações para que possamos viver em todas as áreas, inclusive na área profética.

Como fica claramente revelado na Bíblia, há um sistema humano de governo e poder que chegará ao seu clímax do período tribulacional, onde será aclamado pela grande maioria (Apocalipse 13:4). Esse governo será fruto do "mesmo intento" (vontade, propósito, plano) dos principais governantes da época (Apocalipse 17:12-13). Esse clímax do poder humano terá como líder o anticristo.

Como você aponta, há um "mistério da injustiça (iniquidade)". De acordo com o contexto apontado por Paulo, esse mistério é o que está por trás da chegada do sistema do anticristo, "cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, e com todo o engano da injustiça para os que perecem" (II Tessalonicenses 2:9-10).

Então, devemos estar apercebidos contra esses sinais e prodígios de mentira. As hostes satânicas têm um grande poder de engano. Podem semear falsas informações, criar datas que não se cumprem só para que o ceticismo das pessoas em relação às profecias bíblicas aumente, podem desviar a atenção do que é realmente importante para ser observado...

Também, convém ressaltar que a maioria das teorias conspiratórias surge na cabeça de pessoas que têm um alto grau de criatividade, imaginação ou, em alguns casos, de desvios perceptivos, mas que não passa disso: Histórias fictícias.

Porém, isso não nega a verdade que existe sim uma conspiração maligna para elevar ao poder mundial o anticristo e fazer com que as pessoas blasfemem o nome do Senhor adorando a besta. Quem não acreditar nisso estará caminhando na contramão da revelação bíblica.

Sem dúvidas, há um grupo de pessoas influenciadas direta ou indiretamente pelas hostes malignas, que já está trabalhando há algum tempo para a implantação do sistema da besta. Da mesma forma que pessoas são guiadas e influenciadas pelo Espírito Santo, pessoas são guiadas e influenciadas por espíritos enganadores da maldade.

Então, devemos estar atentos a tudo o que está ocorrendo, sabendo filtrar o que é verdade e o que é ilusão, o que é informação verdadeira e o que não é. Isso, sem nenhum tipo de ansiedade ou apreensão, pois nada e ninguém poderá nos separar do amor de Cristo (Romanos 8:35-39). Porém, estar em Cristo significa também crer em Sua Palavra e viver de acordo com a Sua Palavra.

Tenho a mais absoluta certeza que várias teorias da conspiração são apenas contra-informações criadas ou influenciadas por esse seres malignos para ludibriar as pessoas e fazer com que até mesmo servos do Altíssimo desviem sua atenção do que realmente merece atenção. Porém, isso não quer dizer que não há conspirações.

A maior de todas as conspirações malignas e que engloba todas as outras é o mistério da injustiça, a qual, como já foi exposto "é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, e com todo o engano da injustiça para os que perecem" e já opera há algum tempo. A sua manifestação total sobre a Terra está condicionada apenas à retirada, em determinado momento, daquilo que detém essa manifestação (II Tessalonicenses 2:5-7).


Crer em tudo o que é noticiado, dando crédito aos infindáveis boatos, fofocas e hoax que povoam os meios de comunicação, torna-se um grande erro. Desacreditar de tudo também é um grave erro. Ver conspiração maligna em tudo é um erro. Fechar os olhos para o que está ocorrendo e dizer que tudo está "normal" é um erro também.

Viver num constante estado de tensão, paranóia e ansiedade é totalmente contrário à vida cristã. Viver desapercebido, desatento, anestesiado e conformado com este mundo também é radicalmente contrário à Verdade do Evangelho de Jesus.


Entendo que devemos acreditar na Palavra e observar cada sinal, fazendo-o passar pelo crivo e pela peneira da Palavra da Verdade. O Salvador nos ensina a estarmos apercebidos (Mateus 24:44). Ele nos diz: "Acautelai-vos, que ninguém vos engane" (Mateus 24:4). Ora, para que eu tenha cautela com o fim de não ser enganado devo estar atento às Palavras Dele e observar, através dos acontecimentos, o Seu cumprimento nos meus dias. Equilíbrio é a palavra chave. Um e outro extremos são perigosos.


Que o Senhor nos conduza a toda a Verdade. Enquanto mais se aproxima o dia da volta Dele, mais o engano se propagará e mais a iniquidade se multiplicará. Quem não estiver alicerçado na Palavra da Verdade e em comunhão com o Espírito da Verdade será enganado de uma ou de outra forma: Ou acreditando no que não deveria acreditar ou por ter acreditado que nada ocorreria...

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pela leitora Suzana

"Querido irmão, tenho vivido um dilema. Sou da área empresarial e o que vemos nos cursos de atualização é a necessidade da corporação ser sustentável. Sei que a economia é direcionada ao reinado do anticristo. Aí vem minha dúvida. Como profissional, não posso me posicionar contra essa "sustentabilidade". O que fazer?


Outra coisa. Mesmo como ser humana, eu economizo água, não jogo lixo nas ruas e tenho digamos "ações ecologicamente corretas". Agindo assim, estou a contribuir com o reinado do Impostor???"


Suzana,

Referente a sua pergunta, você precisa saber que, quando a Bíblia fala de "mundo", está se referindo a dois conceitos: mundo físico, que é a natureza criada pelo Senhor e mundo sistema, que é a conjunção de poderes humanos, governos, pensamentos e padrões. O problema é que o português não é tão rico como o grego. No grego, o mundo criado (natureza, planeta) é KOSMOS. Já o mundo sistema (governos, atitudes e padrões humanos) é AEON.

Então, compreendendo essa diferença você ficará tranquila enquanto ao seu proceder. É perfeitamente lícito e até um dever cuidar e amar a criação do Pai. Também tentamos ao máximo não poluir o planeta, não sujar, não gastar água além da conta, etc, etc. Se valorizamos a criação de YHWH (mundo KOSMOS), então deveremos ter essa atitude.

O Apocalipse revela que o juízo do Senhor virá também sobre aqueles que destroem a Terra (Apocalipse 11:18). Então, mesmo sabendo que a natureza está sofrendo e sofrerá com os juízos divinos, devemos ter sempre uma atitude responsável e agradecida diante dela, pois ela foi criada por nosso Pai.

Por outro lado, nossa oposição deve ser contra o mundo AEON, o sistema de valores, as influências, as tentações, os padrões humanos, etc. Não devemos conformarmos com esse mundo (Romanos 12:1-2). É óbvio que algumas vezes o inimigo usa o respeito pela natureza para disseminar de forma sorrateira os valores malignos do mundo AEON. Porém, se estivermos em Cristo, saberemos discernir a diferença.

Há uma grande diferença entre ser ECOLOGICAMENTE CORRETO e ESPIRITUALMENTE CONSCIENTE. O primeiro irá reverenciar e respeitar a natureza seguindo a cartilha e o padrão de pensamento deste sistema, que é maligno e enganador. O segundo irá respeitar a natureza como prova de amor e louvar ao Criador dela. Espero que tenhamos esclarecido sua dúvida. Ficamos a sua disposição para continuar essa comunhão.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA



 

Pergunta enviada por uma leitora

"Olá, estive lendo o texto "A IGREJA NA TRIBULAÇÃO" e existe uma parte em que é dito:

"A exemplo de José, que divinamente orientado pelo Altíssimo e exercendo o seu dom de sabedoria, estocou provisões para sua sobrevivência em tempos difíceis, nós devemos, se formos conseqüentes com aquilo que afirmamos e cremos, fazer o mesmo, tanto no aspecto espiritual quanto no âmbito material."

"A Igreja será protegida sobrenaturalmente em meio à tribulação".

E mais abaixo:

"Mas os que esperam no Senhor renovarão as forças; subirão com asas como águias, correrão e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão".

A minha questão é: Porque temos que guardar provisões para os tempos difíceis, se no tempo em que Moisés passou 40 anos no deserto, YHWH providenciou o maná para que não morressem de fome? Jesus disse que tudo o que pedirmos em seu nome ele o fará, segundo a Sua Vontade.

Acho que é um pouco contraditório para mim guardar alimentos para esse período, já que o Pai supre todas as nossas necessidades.

Se fosse realmente importante guardarmos provisões durante a tribulação, não estaria escrito na bíblia que o deveríamos fazer? Que testemunho dou as outras pessoas que evangelizo se guardar comida para os tempos difíceis ? Não dirá : "Para que guardas comida? Então o Pai não pode todas as coisas?" Vocês têm feito um excelente trabalho! Deus esteja convosco! Glória ao Eterno Pai!”

Leitora,

Agradecemos ao Senhor pela sua vida e a você por ler o nosso site. A pergunta levantada por você, à luz da lógica humana, tem toda razão de ser elaborada. Humanamente, é uma contradição dizer que o Pai irá suprir as nossas necessidades e, ao mesmo tempo, insinuar que devemos, no momento certo, estocar elementos que poderão ser úteis para a nossa sobrevivência... Isso, quando apenas analisado pela lógica humana.

Gostaria de refletir com você a respeito de como se dá o suprimento divino. Às vezes, o Eterno age de forma sobrenatural, além de todas as regras físicas que regem o nosso universo.

Então, Ele faz surgir água da rocha, faz com que o mar se divida em dois, faz com que caia maná e aves dos céus, faz com que doenças sejam curadas, com que pessoas sejam transportadas de lugar, que mortos sejam ressuscitados, exércitos gigantescos sejam vencidos, etc, etc. Tudo isso e muito mais está registrado na Palavra. Para Ele não há impossíveis!

Porém, ao mesmo tempo, Ele, em Sua soberania, às vezes, escolhe agir através de nós. Isso é bíblico e não pode ser negado. Quando isso ocorre, se estamos em Cristo, não seremos nós quem faremos, mas Ele em nós e através de nós. Quando Maria e João tiveram que fugir com o pequeno Jesus para o Egito, Deus supriu essa proteção para eles utilizando os próprios pais para tal.

O Senhor poderia muito bem estender uma capa protetora sobre aquela família ali mesmo, tornando-a invisível para os soldados de Herodes, ou poderia tê-los transportado sobrenaturalmente para outro local geográfico, como fez com Felipe (Atos 8:39). Mas Ele escolheu assim e Ele é soberano. Quem somos nós para determinar como ele agirá?

Em Mateus 24:16, o Mestre insta aos judeus que estiverem na Judéia na época da abominação desoladora a que fujam para os montes. Poderia o Senhor transportá-los de forma sobrenatural? É claro! No entanto, há ocasiões e casos em que Ele quer agir através de pessoas.

Ele agiu através de Faraó, de Nabucodonosor, de Ciro, etc, para, em determinados momentos, trazer suprimento material para Seu povo (Israel), então, por que não agiria através de Seu próprio povo (Igreja), no sentido de ter como reserva alguns elementos úteis para sobrevivência num caso de desabastecimento geral e planetário? Logo, biblicamente, uma coisa não invalida a outra.

Os irmãos dos primeiros três séculos, apesar de serem instrumentos de milagres, do poder do Espírito Santo e de um grande crescimento da Igreja, não foram poupados pelo Senhor de ter que se esconder em cemitérios subterrâneos abandonados (catacumbas), nem de viverem nesses verdadeiros labirintos escuros e mal-cheirosos anos e até décadas a fio.

Perguntamos, Deus podia livrá-los desse ambiente e do martírio que comumente sofriam quando eram pegos? Sim! Mas, em Sua infinita sabedoria e soberania não o fez. E ponto final.

Então, quanto entendemos esse paradoxo para o raciocínio humano, que nos mostra um Pai soberano, que pode agir sozinho de forma sobrenatural, mas que em determinadas ocasiões escolhe agir a través das ações humanas e que ama agir através da Igreja, entenderemos por que haverá um suprimento sobrenatural para a Igreja durante a tribulação e porque, ao mesmo tempo, isso não nos impede de ter alimentos e remédios estocados!

Através desse entendimento também sabemos que haverá irmãos que serão protegidos de forma gloriosa e sobrenatural e outros que serão decapitados pela besta. Isso é soberania de Deus.

Uma passagem que nos mostra bem essa questão está em Mateus 6:25-34, quando o Senhor Jesus fala sobre a solicitude da vida e o suprimento que o Altíssimo dará a quem buscar primeiramente o reino:

"Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário? Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta.

Não tendes vós muito mais valor do que elas? E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura? E, quanto ao vestuário, por que andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam; E eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles.

Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pouca fé? Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos? (Porque todas estas coisas os gentios procuram).

De certo vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas; Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal" (Mateus 6:25-34).

Veja bem. O Senhor Jesus diz que o Pai conhece as nossas necessidades e que todas as coisas concernentes a nossas necessidades individuais (comer, beber, vestir-se), seriam acrescentadas por Ele. Na Palavra, vemos casos em que isso se deu de forma sobrenatural, por exemplo, quando o Senhor multiplicou pães e peixes.

Mas vemos também casos em que Ele supriu através do trabalho humano, por exemplo, quando os discípulos colheram espigas (Mateus 12:1), quando foram comprar comida na cidade (João 4:8) e trabalhar (Atos 18:1-3).

A Graça do Altíssimo é multiforme (I Pedro 4:10) e só Ele pode determinar a as formas que esse favor imerecido se manifestará. Nós não temos tal autoridade. A mesma Palavra que nos insta a vivermos despreocupados com que haveremos de comer, vestir, ou beber, nos insta a trabalhar para ter o que comer, vestir e beber, não colocando no trabalho a nossa confiança, mas como uma benção concedida pelo Senhor para prover o que precisamos:

"E procureis viver quietos, e tratar dos vossos próprios negócios, e trabalhar com vossas próprias mãos, como já vo-lo temos mandado" (I Tessalonicenses 4:11)

Nossa confiança NÃO deve estar em nossa capacidade, mas na provisão do Senhor. Isso não nos impede de fazer o que estiver ao nosso alcance, sabendo que, mesmo quando fazemos aquilo que está ao nosso alcance, Ele está agindo em nós através de Sua Graça, que se expressa na saúde, inteligência, oportunidades, trabalho, capacidade de guardar alimentos, etc!

Quando entendemos a Verdade do Evangelho que mostra o Pai agindo em nós e através de nós, toda a preocupação levantada em sua pergunta, que na verdade traz implícita uma separação entre o que o Eterno faz e a Sua Igreja faz (separação que não existe), se desvanece.

O Senhor nos deu capacidade, trabalho e conhecimento das profecias para que estejamos cientes do que vai ocorrer. Ter a benção da capacidade de trabalhar e de efetuar o que for preciso para a nossa sobrevivência diária, e simplesmente cruzar os braços, esperando uma ação sobrenatural, é um comportamento que não traduz o Espírito do Evangelho.

Quando o Senhor quiser agir de forma sobrenatural, Ele o fará e sempre será num momento em que realmente precisaremos. Não tenho dúvidas que, durante a tribulação, Ele nos protegerá e suprirá de forma sobrenatural, pois a tribulação não poderá ser atravessada de forma vitoriosa através das capacidades humanas.

Porém, enquanto estiver ao nosso alcance, vamos fazer aquilo que está em nossas mãos para fazer, sabendo que, até mesmo o que nossas mãos fazem, vem da Graça Dele, pois Ele vive em nós, sempre fazendo isso sem "pré-ocupação", mas com "o-cupação".

Espero que você tenha entendido a nossa posição a respeito e esperamos que essa questão possa ser refletida. Agora, falando de forma genérica, temos lido vários questionamentos a respeito. A

lguns chegam ao cúmulo de afirmar que, por crerem que o rapto secreto ocorrerá antes da tribulação, então estarão isentos de qualquer grande dificuldade ou aflição mundial e que o cristãos não pode sofrer perseguição ou tribulação.

Sabemos que é muito difícil para pessoas que foram ensinadas anos a fio no pré-tribulacionismo, tomar atitudes de preparação para o período tribulacional que se aproxima ou até mesmo para um período de grande aflição que anteceda a tribulação em si.

Quando somamos a isso a idéia de "intocabilidade" do cristão disseminada nos modernos ensinamentos prosperacionistas e positivistas das últimas décadas, vemos quão árdua é a nossa missão de alertar a todos. Mesmo assim, fica aqui o nosso amoroso alerta. Não apenas aqui, mas em todo o conteúdo deste site.

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pela leitora Luciana

"Olá, tenho acompanhado o site de vocês e fiquei um pouco preocupada com a última atualização falando sobre um grave colapso financeiro que deve acontecer no meio do ano. Gostaria de saber sobre as fontes dessa informação e se realmente devemos nos preparar com estoques de alimentos e água.

Sempre fico preocupada com datas estipuladas e gostaria de me preparar para o caso disso realmente acontecer, porque pelas notícias que tenho lido, dá a entender que a economia americana está se recuperando. Atentamente, Luciana"


Luciana,


Obrigado por compartilhar conosco suas dúvidas. Em relação ao que poderá acontecer no âmbito financeiro em meados do ano, essa é uma possibilidade que devemos considerar, em função das várias revelações que irmãos têm recebido em diferentes locais do mundo e da análise técnica de muitos especialistas que não têm compromisso com as grandes corporações financeiras.

Porém, devemos esperar com muita cautela para ver o que realmente ocorrerá nessa data. Do que temos absoluta certeza, baseados na fé que temos na Palavra do Senhor Jesus, é que horrendas coisas ocorrerão antes de Sua gloriosa volta e que um sistema maligno abrangendo a parte financeira e comercial será implantado no mundo (Apocalipse 13:16-18). Dessa crença nós não podemos abrir mão, porque é revelação da Palavra.

Então, em relação a esse possível colapso que poderá ocorrer em meados do ano, recomendamos muita atenção, acompanhamento e cautela. Em relação ao cumprimento das profecias bíblicas, recomendamos e esperança inabaláveis.

Sobre a questão de estocar alimentos e outros objetos de utilidade vital, temos recebido muitas perguntas a respeito e respondido a todas elas da seguinte forma: Cremos que é altamente recomendável, não apenas considerando o possível colapso de meados de ano, que pode ocorrer ou não, mas considerando todo o contexto profético, ter sempre uma quantidade boa de alimentos estocados, pois esse sistema no qual vivemos, seja em junho, julho, agosto, ou daqui a um ano, dois anos, ou mais, vai ruir, para que o governo da besta assuma. É uma questão de tempo e, pelos sinais, cremos que está próximo.

Então, manter essa constante atitude de preparação, tendo e renovando continuamente esse estoque, é uma reação lógica à fé que temos nas profecias bíblicas. Caso nada de grave ocorra em meados deste ano, ter um bom estoque não fará mal a ninguém (...).

Pelo contrário, se houver esse desequilíbrio e caos financeiro, e isso afete de forma mais ou menos forte nosso país, aqueles que não tiverem um boa reserva e que estejam apenas à mercê do sistema bancário, do comércio normal e doque o governo possa fazer por eles, poderão passar por péssimas situações e tornar-se facilmente manipuláveis.

Mas, repetimos: Em função do que estamos observando, mesmo esse colpaso financeiro não ocorrendo de forma contundente em meados deste ano, sempre será bom ter esse estoque, pois estamos às portas do cumprimento final das profecias.

Outra coisa que julgamos importante destacar é que ter um estoque de alimentos, água e elementos úteis à sobrevivência, apenas são recursos humanos para enfrentar uma situação adversa extrema. Mas, nossa esperança não deve estar nisso.

No período em que já estamos vivendo, e mais ainda no que se aproxima, vamos depender do Senhor e Sua proteção sobrenatural para sobreviver. Muitos irmãos irão falecer por causa da perseguição e das catástrofes. Mas todos os que estiverem em Cristo, sejam vivos ou mortos, reinarão com Ele, em corpos glorificados, para todo o sempre! Essa é a nossa bem-aventurada esperança.

Sei que nossas palavras não são muito agradáveis aos ouvidos humanos, os quais gostam de ouvir sobre coisas prazerosas, sobre prosperidade, sobre bem-estar, sobre dinheiro no bolso e no banco, sobre um bom e seguro emprego, lazer, diversão, etc...

Mas, isso é que temos para compartilhar com todos. Essa é a Verdade que seguimos. Esperamos ter explicado de forma satisfatória a nossa posição a respeito. Ficamos a sua inteira disposição para o que estiver ao nosso alcance. O Pai Eterno continue te abençoando e guardando!

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 



Pergunta enviada pelo leitor Gilmar


"Pode-se crer que haja uma conspiração para matar uma parte da população? Vacina realmente pode matar? Obrigado"

Gilmar,

Obrigado por acessar o nosso site. Referente a sua primeira pergunta, podemos afirmar que sim. Os mesmos espíritos malignos que influenciaram e usaram líderes como Hitler, Nero e tantos outros, são aqueles que estão trabalhando para que o anticristo governe sobre o mundo.

Logo, desses seres podemos esperar todo tipo de mal, inclusive o propósito de reduzir drasticamente a população mundial.

Não temos provas de que isso está sendo planejado ou que vai ocorrer antes da tribulação, mas cremos que é bem possível sim. O que fica claríssimo nas Escrituras é que, no período tribulacional, a parte da população que não aceitar o sinal da besta nem adorar a imagem da besta será perseguida com o propósito de ser exterminada (Apocalipse 13:15, Apocalipse 20:4)


Diante dessa possibilidade, fica aqui nossa mensagem. Quem está em Cristo é uma nova criatura. Nossa esperança está em Jesus Cristo e nada pode abalar-nos. Se morrermos, somos Dele. Se vivermos, continuamos sendo Dele (Romanos 14:8).

A Palavra diz que o anjo do Senhor acampa-se ao nosso redor e nos livra (Salmos 34:7). O Pai nos protege de todo mal, mesmo quando morremos em decorrência de algum evento qualquer. Isso pode parecer paradoxal, mas quando é entendido espiritualmente faz todo sentido.

Para o Altíssimo, aqueles que são de Cristo, mesmo mortos, estão vivos, pois os que estão em Cristo já venceram a morte. Nós, enquanto humanos, tendemos a ver as coisas de forma muito limitada, associando somente "vida" aos poucos anos que permanecemos neste corpo corruptível.

Porém, para quem nasceu de novo em Cristo, a vida é eterna e há promessa de um novo e incorruptível corpo.

Com relação à vacina, o que cremos é que ninguém pode ser obrigado a tomar uma vacina. Cada um deve ter todos os dados a sua disposição para fazer sua escolha pessoal e vacinar-se ou não. No caso da vacina contra o H1N1, que talvez seja o motivo de sua pergunta, temos visto alguns indícios que são, no mínimo, bem estranhos e que nos fazem duvidar de seus reais propósitos.

A questão é que, nos tempos em que estamos vivendo, devemos estar atentos a tudo, pois a iniqüidade está se multiplicando de forma exponencial. Cada vez mais, o discernimento espiritual se faz mais necessário para que possamos tomar decisões.

Ore ao Senhor e tome a sua decisão. Não podemos dizer "tome" ou "não tome" a vacina, pois não temos elementos suficientes nem autoridade para afirmar uma coisa ou a outra, mas podemos dizer que há elementos estranhos rodando toda essa história, desde o início do surto até agora e é vital que estudemos detalhadamente todos esses elementos. Que o Senhor continue te abençoando. Ficamos a sua disposição para o que estiver ao nosso alcance.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pela leitora Luciana

 

"Segundo últimas notícias, os EUA e a ONU deram um prazo de 24 meses para que haja um entendimento entre Israel e o povo palestino e para a formação do Estado Palestino. Vocês crêem que vai haver um acordo de paz antes do final deste prazo e o anticristo irá mediar esse acordo, ou vai ocorrer um grande conflito?"

Luciana,


Em primeiro lugar, agradecemos por você acessar o nosso site. No dia 02/04/10, o primeiro ministro da Autoridade Nacional Palestina, Salam Fayyad, também colocou 2011 como o ano da criação do Estado Palestino... Diante de sua pegunta, cremos que é prudente trabalhar com as duas opções.

Porém, pessoalmente cremos que possa haver um rápido e profundo conflito antes do tratado de paz, provavelmente envolvendo o Irã também. Esse tratado de paz, feito entre Israel e palestinos, selando a instauração do Estado Palestino, tem tudo para ser o momento inicial da tribulação de 7 anos (Daniel 9:27) e a condição prévia para a invasão de Gog.

O importante é estarmos atentos a essas possibilidades e sei que você está, graças ao Pai Eterno. Que o Senhor continue te abençoando. Vamos continuar vigiando e orando!

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pelo leitor Guilherme

 

"Meu querido, sou assíduo leitor de seus artigos e até divulgador deste site, o qual considero vital para todos aqueles que realmente temem ao SENHOR e esperam a Sua vinda no fim. Gostaria de fazer uma pergunta a respeito da noiva do Cordeiro. Quem é a Noiva? É a Igreja, é Israel, são ambos ou é a Nova Jerusalém, conforme Apocalipse 21:9?


Creio que se considerarmos o texto de Apocalipse 21, então a Igreja não pode ser a Noiva. Por favor me esclareça essa dúvida. Não seria esse um outro engano que foi tomado como verdade no meio da Igreja?"

Guilherme,

Cremos que a noiva de Cristo é tudo aquilo que lhe está prometido pelo Pai. Sabemos que o Senhor Jesus, em comunhão com o Pai, reinará plenamente sobre toda a criação e que os inimigos do Criador serão derrotados, julgados e condenados para sempre (Apocalipse 20:10-15-I Coríntios 15:23-28).

É nesse contexto espiritual, da relação entre o Filho e Seu reinado eterno sobre as coisas restauradas, que devemos entender os termos "noiva" e "esposa". É bom salientar que no textus receptus, a exemplo da versão bíblica Almeida Corrigida e Fiel, não aparece o termo "noiva" em Apocalipse 21:2 e Apocalipse 21:9, quando é descrita a Nova Jerusalém, mas sim "esposa" e "mulher do Cordeiro":

"E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa (nymphe) ataviada para o seu marido" (Apocalipse 21:2).

"E veio a mim um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das últimas sete pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a esposa (nymphe), a mulher (gyne) do Cordeiro" (Apocalipse 21:9)


O termo nymphe pode ser traduzido por mulher prometida, noiva, mulher recém casada, jovem esposa, mulher jovem e até mesmo nora. É aplicado nas passagens de Mateus 10:35, Lucas 12:53, João 3:29, Apocalipse 18:23, Apocalipse 21:2, Apocalipse 21:9 e Apocalipse 22:17. Já o termo gyne é aplicado a uma mulher de qualquer idade, mas também a uma esposa ou uma mulher que está preste a se casar.

Esse termo é aplicado na maioria das passagens que se referem à mulher, inclusive a de Efésios 5:22:33, onde Paulo faz um paralelo entre a relação entre esposo e esposa e Cristo e a Igreja.

Devemos ter sempre em mente que no mundo espiritual e no mundo físico as coisas ocorrem em tempos diferentes. Se no mundo espiritual a Igreja é esposa de Cristo, é uma com Ele, fazendo parte de Seu Corpo já a partir de Seu sacrifício na cruz (Efésios 5:29-30), no mundo físico, quando estaremos para sempre com o Senhor reinando e governando com Ele, as bodas selarão essa união e simbolizarão o eterno relacionamento que o Senhor terá com os Seus em Seu eterno reino (Lucas 22:17-18, Apocalipse 19:7).

Nesse contexto, toda essa discussão a respeito de quem é a noiva de Cristo perde um pouco o sentido, quando olhamos sob essa ótica abrangente. Alguns chegam ao ponto de afirmar que a noiva de Cristo é uma espécie de "elite" dentro da Igreja... Essa e outras concepções errôneas surgem quando não se entende que todas as coisas convergem para Cristo.

Os salvos são Dele e entre Ele e a Igreja há uma relação de comunhão perfeita, comparada por Paulo ao casamento (Efésios 5:22-33). Cremos que, no aspecto espiritual, já não há mais diferenças entre Israel e Igreja. Todos os que crerem e nascerem de novo, não importando se são gentios ou judeus, pertencem à Igreja.

É óbvio que o Senhor tem planos específicos para a nação israelense, porém cremos que esse plano se dá dentro do Corpo instituído por Cristo através da manifestação da Graça de Deus na cruz.

Por último, a Nova Jerusalém, uma cidade celestial que descerá à Terra restaurada após o Milênio, será a morada do Pai e do Cordeiro (Apocalipse 21:22) e nela habitarão todos os que nasceram de novo e estão inscritos no livro da vida (Apocalipse 21:27).

Logo, cremos que a noiva de Cristo se refere a tudo aquilo que está relacionado ao tempo em que todas as promessas serão concretizadas em Cristo e a paz, justiça e harmonia reinarem eternamente na criação. Então, entendemos que o termo "noiva" ou "esposa" engloba a Igreja, Israel, Nova Jerusalém e tudo aquilo que fizer parte do reinado eterno do Senhor e do Pai.

No entanto, cremos que esse é um mistério que está além de nossa total compreensão. Apenas quando o Senhor se manifestar saberemos qual a profundidade dessa revelação do amor de Jesus Cristo pela Igreja e todas as implicações do que significa a Nova Jerusalém. O apóstolo Paulo, quando mencionou a relação entre Cristo e a Igreja, fez a seguinte afirmação:

"Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja" (Efésios 5:32)

Esperamos ter esclarecido alguma coisa pra você. Ficamos a sua disposição, pedindo que o Senhor continue te abençoando e guiando.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pelo leitor Alfredo

 

Olá amigo!

Gostaria de saber sua opinião e a dos demais irmãos sobre quando vocês crêem que teríamos que começar a estocar alimentos. Quanto antes se fizer uma conserva, por exemplo, ela perde a sua validez. Qual é a possível notícia que nos dirá que a conta regressiva de 7 anos já começou? E sobre pagar adiantado o IPTU, vocês crêem que servirá de algo para não perder a casa?

Seria bom aprender sobre remédios caseiros, primeiros socorros, fabricação de barracas, purificação de água, etc. E esta dúvida: Quando o iníquo se manifestar, teremos que continuar evangelizando ou parar de evangelizar?

Nossos antigos irmãos se escondiam dos romanos utilizando como símbolo o peixe, que eram utilizadas pelos adoradores de Dagom, será que medidas similares poderão ser tomadas por nós? Ou teremos que ir como ovelhas ao matadouro ????

Seguir reunindo-se para para adorar ao Senhor, seguirá tendo algum sentido ou só servirá para que nos localizem de forma mais fácil? Será melhor reunir-se em família? Será que Deus nos revelará todo isso ou deixará a nosso critério e interpretação das Escrituras? Tudo isso é muito sub-real... Deus nos abençoe e proteja. Jesus vive, aleluia.

Alfredo,

Você fez perguntas muito interessantes e pragmáticas. Vamos tentar respondê-las em ordem:

1. Cremos que o período tribulacional de 7 anos começará quando seja firmado um tratado de paz de grandes proporções através da direção do anticristo (Daniel 9:27). Não sabemos se esse tratado será informado publicamente ou se será secreto.

A marca da besta começará a ser obrigatoriamente implantada a partir da metade dessa tribulação, ou seja, nos últimos 3 anos e meio (Apocalipse 13:5, Apocalipse 13:16-18).

Como o tratado pode ser firmado de forma oculta, devemos estar atentos a outros sinais, como a consolidação dos 10 chifres, a invasão de Gog a Israel (cremos que essa invasão sucederá no início da tribulação) ou a uma possível reconstrução do templo em Jerusalém com o início das cerimonias judaicas nele.

Porém, além de estarmos atentos a esses acontecimentos futuros, devemos ir acompanhando os atuais e pedir ao Espírito do Criador que sempre nos guie a toda a Verdade, pois os acontecimentos atuais podem nos dar uma idéia de quanto tempo falta para que se cumpram todas as coisas.

Por exemplo, pode ser que ANTES da marca da besta, seja implantado em todos os países, ou em alguns países, formas de identificação pessoal que possibilitem a localização e monitoramento imediato da pessoa. Nesse caso, não recomendaríamos a ninguém que receba esse tipo de identificação, mesmo não sendo a marca.

Então, é muito arriscado fixar uma data para que comecemos a estocar alimentos. Somente a seqüência dos acontecimentos e o discernimento espiritual nos dirão quando começar. Cremos que ainda não é necessário fazer isso pensando no período tribulacional.

Agora, sempre será muito recomendável ter alguns estoques. Estamos vivendo tempos muito difíceis, mesmo sem ter entrado ainda na tribulação. Há possibilidades de catástrofes e de grandes crises financeiras mundiais que podem ocorrer a qualquer momento.

Para que os 10 chifres surjam e seja implantado o sistema da besta, o atual sistema tem que cair. Isso certamente gerará grandes repercussões na economia mundial. Por isso, sempre que possível, é bom ter algúm tipo de estoque já neste tempo, ANTES da tribulação, como uma opção.

Contudo, DURANTE a tribulação não haverá opção: Ou a pessoa aceita a marca da besta e adora ao anticristo, ou ficará fora de todo abastecimento e transação financeira. Aí sim, será imprescindível ter algum tipo de estoque.

2. Sobre pagar adiantado o IPTU e outros impostos, creio que não trará maiores diferenças. Aconselho que você continue pagando seu IPTU anualmente, como está fixado na lei. No momento em que as coisas começarem a ocorrer, o Espírito Santo te fará saber sobre a decisão de continuar em casa ou não.

É muito possível que todo o sistema de tributação, taxas e impostos sofra mudanças. Então, não aconselho que você pague antecipadamente o IPTU, a menos que você queira fazê-lo.

3. Certamente seria muito bom aprender sobre remédios caseiros, primeiros socorros, fabricação de barracas, purificação da água, técnicas de sobrevivência e tudo quanto está relacionado a isso. Essas são informações muito importantes e, se o Senhor nos permite, vamos continuar escrevendo artigos sobre isso. Sabemos que o anjo do SENHOR acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra.

O Espírito Santo estará conosco até nos momentos mais horrendos da grande tribulação. Porém, isso não significa que vamos ficar de braços cruzados e não fazer o que estiver ao nosso alcance para continuar vivendo.

4. Não devemos parar de evangelizar. Sempre que tenhamos a oportunidade, até nos momentos tribulacionais, vamos evangelizar. Temos que ser simples como as pombas e prudentes como as serpentes, assim como nos ensinou nosso Senhor Jesus. O evangelismo deve ser feito de forma correta, sempre sob a direção do Espírito Santo.

5. Sem dúvidas, assim como os irmãos primitivos tinham, por necessidade, que utilizar meios de comunicação baseados em códigos, para que não fossem facilmente decifrados pelos perseguidores do Império Romano, nos podemos comunicar-nos, se possível, através de meios que não sejam facilmente identificados pelo sistema da besta.

Temos que estar preparados para não negar nossa fé, mesmo diante da tortura, ameaça e morte. Porém, se é possível continuar vivo, sem ser localizado ou identificado, usando locais protegidos e meios de sobrevivência e comunicação não identificáveis, é lícito usá-los.

Sobre o símbolo do peixe, cremos que os irmãos dos primeiros séculos não usariam nenhum símbolo associado a entidades pagãs, que, como Paulo nos mostra, são usadas pelos demônios para materializar parte de seu engano (I Coríntios 10:20). O símbolo do peixe era uma associação aos primeiros discípulos do nosso Salvador e ao fato de sermos pescadores de homens.

6. Sobre as reuniões da Igreja, o Senhor diz que onde estiverem dois ou três reunidos em Seu nome, ali Ele estará. Se for possível, continuaremos, no período tribulacional, nos reunindo com todos os irmãos. Na verdade, para aquele que já nasceu de novo, sua verdadeira família passa a ser a Igreja, não como uma denominação ou instituição, mas como Corpo espiritual.

Porém, chegará o momento em que reuniões com várias pessoas serão quase impossíveis de serem feitas sem chamar a atenção, a menos que esses irmãos estejam todos juntos num lugar que não seja identificado.

No período tribulacional, diante da grande perseguição, o que é realmente importante é não deixar de reunir-se, seja com todos os irmãos, seja com alguns deles ou com a família sangüínea. Isso dependerá muito das circunstancias de cada um. Alguns terão que permanecer “sozinhos”, mas o Espírito Santo estará com eles também. Devemos estar preparados para essas possibilidades.

7. Cremos que aquilo que devemos saber já está revelado nas Escrituras. Isso não impede que o Espírito Santo nos guie em situações específicas. Devemos ter a certeza que, se estamos em Cristo, entenderemos no momento oportuno todas as coisas e não seremos confundidos nas decisões a serem tomadas (Daniel 12:10).

Nos alegramos em Cristo pelo que Ele está fazendo em sua vida. Continue firme na fé, crescendo na graça e no conhecimento a cada dia. Que o Senhor continue te abençoando.

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pela leitora Rute

Estou com uma grande dúvida... Meu filho foi fazer um curso de missões na Jocum... Ficou lá 6 meses e ensinaram para ele que tudo que é falado em Mateus 24 já aconteceu. Eu nunca ouvi e nem li nada sobre isso... O pior de tudo é que eles disseram para ele que a grande abominação citada em Mateus 24 também já aconteceu...


Como pode isso? Preciso de ajuda!! Se eles estão certos, dê uma boa explicação para que eu também possa entender desta forma, e se estão errados, dê uma ótima explicação para contradizer esta loucura!!!


Eu acredito que a grande abominação que vai sentar no santo lugar é o anticristo e sempre ensinei desta forma... E agora, o que fazer?... Preciso de base bíblica para ajudá-lo...


Tenho gostado muito deste site e sempre leio tudo que tem de novo. Porém, meu filho também acha que não devemos nos preocupar com nada que está acontecendo no mundo. Ele acha que estas coisas já aconteceram e não quer dizer que está próxima a volta de Jesus. Eu acredito que Jesus está às portas... Por favor, me ajude a solucionar este problema de Mateus 24. Aguardo sua resposta!!

 

Rute,

Em primeiro lugar, agradecemos por você compartilhar conosco suas dúvidas e confiar em nossa idoneidade. A questão que você levanta é muito importante, porém requer algumas informações adicionais. Você diz que seu filho fez um curso de missões na Jocum e que lá lhe foi ensinado que tudo o que está profetizado em Mateus 24 já aconteceu.

Creio firmemente que aquilo que seu filho ouviu não é um ensino oficial da JOCUM. Conheço alguns líderes da JOCUM que não ensinariam isso em hipótese alguma e entendo que a JOCUM tem feito um excelente trabalho de treinamento e discipulado. Me parece que esse ensinamento possa ter partido de algum professor ou líder específico dentro da JOCUM.

Vamos expor algumas razões pelas quais cremos que aquilo que seu filho ouviu é um erro. Porém, acima de tudo, pedimos que vocês orem ao Altíssimo pedindo discernimento e que Ele os guie a toda Verdade.

Bom, logo de cara, para alguém dizer que todas as coisas profetizadas em Mateus 24 já se cumpriram, precisa nos mostrar em que cidade do planeta está Jesus Cristo neste momento, pois em Mateus 24:29-31, Ele mesmo relata a Sua gloriosa volta à Terra.

Também, precisaria explicar porque todas as nações da terra não viram esse glorioso acontecimento, já que Ele disse que as nações presenciariam Seu sinal nos céus e se lamentariam (Mateus 24:30). Essa pessoa precisaria nos mostrar onde ela viu o sinal de Cristo, como um relâmpago, de uma extremidade a outra dos céus (Mateus 24:27) ou onde viu os poderes dos céus sendo abalados, as estrelas ciando, o sol e a lua escurecendo (Mateus 24:29).

Precisaria explicar também porque os terremotos em vários lugares, nação se levantando contra nação, pestes e fomes é algo que ocorreu apenas no passado e que não está ocorrendo hoje, e mais: Precisaria mostrar-nos que esses sinais não estão crescendo em frequência e intensidade, mas que estão diminuindo e que eles já se concretizaram nos primeiros séculos...

Se esses sinais são apontados pelo Mestre como "princípio de dores" (Mateus 24:7-8) e se eles estão se aprofundando bem frente aos nossos olhos, então como negar que haverá um futuro período de dores ou de grande comoção sobre a Terra?

Essa mesma pessoa precisará nos apontar quem se assentou no templo do Altíssimo se fazendo passar por Ele em 70 d.C. E mais: terá que nos mostrar como esse iniqüo foi destruído na vinda do Senhor (Mateus 24:15 - II Tessalonicenses 2:4-8).

A pessoa que ensinou ao seu filho terá que mostrar a iniqüidade diminuindo, ao invés de multiplicar-se, e o amor ágape das pessoas aumentando, em vez de desaparecer (Mateus 24:12-13). Será que conseguirá tal proeza?

Ao mesmo tempo, essa pessoa precisaria nos mostrar, se ela afirmar que o Senhor Jesus ainda não veio, que grande tribulação é essa que antecede imediatamente a Sua volta. Uma tribulação, segundo o próprio Senhor, jamais vista e experimentada pelo homem em toda sua história (Mateus 24:21). Jesus não disse "após a tribulação daqueles dias", mas "imediatamente depois" ou "logo após".

Então de duas uma: Ou o Salvador já retornou após a tribulação de 70 d.C ou a tribulação de 70 d. C não foi a grande tribulação apontada pelo Mestre, logo após a qual, Ele retornará.

Aquilo que seu filho ouviu foi uma doutrina chamada PRETERISMO. Existem diversas subdivisões do preterismo, mas o principal ensinamento dessa doutrina é que a grande tribulação ocorreu em 70 d.C. Logo, não haverá mais nenhum período de grande tribulação. Pelas razões expostas acima, cremos que essa doutrina é um erro e induz muitos ao erro também.

Não devemos estar "preocupados" como as coisas que estão correndo e as que virão. Porém, devemos estar atentos aos sinais e alertas contra o gigantesco engano que se aproxima e que já começa a transparecer. É óbvio que essa questão sobre PRETERISMO, HISTORICISMO E FUTURISMO, não repercute na salvação de alguém, que é pelo favor imerecido do Pai.

Porém, ter um ensinamento sadio sobre o assunto a valorizar os avisos deixados pelo Senhor em Mateus 24 só trará benefícios a nossa caminhada com Ele.

Aquele que desprezar os avisos do Mestre feitos no Monte da Oliveira, poderá ficar em grande confusão diante das coisas que estamos vivendo e, principalmente, das que se aproximam. Poderá também aceitar a marca ou sinal da besta, se julgar que a grande tribulação e o anticristo são coisas que já se concretizaram no passado.

Nesse caso, as conseqüências são mais graves. Quem aceitar em seu corpo o sinal da besta será condenado eternamente. Esperamos ter ajudado de alguma forma. Ficamos a sua disposição para qualquer dúvida sua ou de seu filho.

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 



Pergunta enviada pelo leitor Daniel

Paz irmão,

Recentemente numa conversa sobre arrebatamento em uma comunidade, uma pessoa que crê no pré, disse o seguinte:

" Engraçado... Se a Igreja (e é ela quem é responsável pela pregação do Evangelho) vai passar pela Grande Tribulação, porque aquele anjo de Apocalipse 14:06-07 estará pregando o Evangelho????

1°: Se nem o anjo que apareceu para Cornélio em Atos 10:01-06 pregou o Evangelho para ele, mas pediu que chamasse a Pedro (Igreja é responsável pela pregação do Evangelho).

2°: Se nem o nosso Senhor Jesus pregou o Evangelho para Saulo em Atos 9:01-19, mas mandou a Saulo entrar na cidade, pois lá encontraria a solução (Ananias pregou para ele, pois era servo de Cristo).

...Se YHWH vai permitir que um anjo pregue o Evangelho na Grande Tribulação é porque a Igreja de Cristo não estará aqui!"

...Paz de Cristo!!

Daniel,

O grande problema do pré-tribulacionismo é que esse modelo geralmente usa o que está escrito para "provar" o que não está escrito ou dito. No texto em questão (Apocalipse 14: 1-6) é dito que um anjo pregará o Evangelho eterno.

Porém, não é dito neste ou em qualquer outro texto bíblico que a Igreja deixará de pregar o Evangelho nem que o Evangelho não pode ser pregado por homens e anjos ao mesmo tempo. Ou baseamos nossa fé naquilo que está revelado ou em deduções próprias a partir daquilo que não está revelado.

Não sei com certeza de onde foi tirada essa conclusão. Talvez, tenha se baseado no falso pensamento ensinado por muitos de que "os anjos queriam pregar o Evangelho, mas o Pai reservou essa tarefa para os homens". Logo, se o anjo é mostrado anunciando o Evangelho em plena tribulação, então, o irmão pré-tribulacionista deduz que a Igreja já não estará na Terra naquele período...

Bom, essa idéia de que "os anjos queriam pregar o Evangelho, mas o Pai reservou essa tarefa para os homens", surge do entendimento errôneo da passagem de I Pedro 1:12:

"A eles foi revelado que, não para si mesmos, mas para vós outros, ministravam as coisas que, agora, vos foram anunciadas por aqueles que, pelo Espírito Santo enviado do céu, vos pregaram o Evangelho, coisas essas que os anjos anelam perscrutar"

A palavra "perscrutar" significa "atentar" ou "contemplar". Ou seja, os anjos do Senhor anelam atentar para as maravilhas Dele, que é ao que Pedro se refere às "coisas ministradas". Então, não há base nenhuma para dizer que "os anjos queriam pregar o Evangelho, mas o Pai reservou essa tarefa para os homens" e muito menos para afirmar que pelo simples fato de um anjo pregar as boas novas, a Igreja não poderá mais fazê-lo.

Na falta de ensinos bíblicos claros e objetivos, o pré-tribulacionismo, volta e meia, apela para exemplos ocorridos na Palavra para sustentar doutrinas. Isso gera tremendos enganos, pois se colocam de lado ensinamentos claríssimos como a luz do sol e começa-se a procurar exemplos que se encaixem naquilo que é ensinado.

Se formos procurar exemplos para sustentar qualquer absurdo ensinado "usando" a Palavra, vamos achar.

Alguém poderia, por exemplo, inventar a "doutrina" que todo traidor deveria morrer enforcado, só porque Judas fez isso... Utilizando exemplos, poderiamos sustentar que, da mesma forma que anjos anunciaram a primeira vinda do Filho (veja o caso de Gabriel e dos anjos que apareceram aos pastores), anjos poderão aparecer anunciando sua segunda vinda. Isso daria uma aparente sustentação para aquilo que acreditamos, mas não teria a força de uma doutrina. São apenas deduções pessoais.

O que precisa ser dito e aceito como Verdade divina é o que está revelado. No mesmo período em que o anjo de Apocalipse 14:1-6 estiver pregando as boas novas, cristãos perseverantes estarão sendo perseguidos (Apocalipse 12:17), mortos (Apocalipse 7:14, Apocalipse 20:4) e protegidos pelo Senhor (Apocalipse 3:10).

Também, naqueles dias dois homens serão testemunhas especiais do Pai (Apocalipse 11:1-12) e também pregarão. A tribulação será o clímax da atuação satânica sobre o mundo e esse período fará com que os anjos do Senhor tenham uma participação efetiva nunca antes vista na história da humanidade.

Haverá uma batalha nos céus entre Miguel e os seus anjos contra Satanás (Apocalipse 12:7-10, Daniel 12:1), haverá seres malignos saindo do abismo e interagindo fisicamente com os homens (Apocalipse 9:1-11), haverá anjos do Altíssimo, encarregados de missões específicas para o cumprimento dos sinais, e por que não haveria um anjo ou anjos encarregados de anunciar o Evangelho?

Onde está a proibição para que isso ocorra ou a limitação para que o Senhor assim o determine? Quem ousa se levantar e dizer o que o Eterno pode ou não pode fazer? Onde está a ordem divina para que homens e anjos não anunciem as boas novas em conjunto naquele tempo de grandes comoções materiais e espirituais? Nós preferimos ficar com aquilo que a Palavra diz.

Maranata,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por um leitor


"Se Cristo do Céu descerá para salvar os judeus no Armagedom e instaurar o Reino Milenal, por que, ao mesmo tempo, levaria a Igreja aos céus se Ele mesmo estará aqui na terra?"

Leitor,

Cremos que essa pergunta parte de um pressuposto equivocado. A Palavra não diz que o Messias, por ocasião de Sua volta, levará a Igreja aos céus (paraíso ou lugares celestiais). O que a revelação diz é que o nosso encontro com o Senhor, em Sua vinda, será nos ares (céus terrestres).

Veja Mateus 24:31 e Tessalonicenses 4:16-18. Logo após essa reunião e encontro Dele com a Igreja, composta pelos salvos ressuscitados e os transformados, sendo todos glorificados em um "abrir e fechar de olhos", quando soar a última trombeta (I Corintios 15:50-52, Mateus 24:31), então o Senhor descerá com os Seus santos e com os anjos de Seu poder, pousando Seus pés no Monte das Oliveiras (Zacarias 14:4) e dando livramento a Israel, ao derrotar os exércitos do anticristo (Zacarias 12:1-14, Apocalipse 19:11-21).

A partir desse momento, começará o reino milenal de Cristo e nós reinaremos com Ele sobre as nações (Apocalipse 2:26, Apocalipse 20:6).

Essa grande confusão a respeito de "céu" surgiu em função do gnosticismo. Para os gnósticos, tudo o que se refere ao mundo material, incluindo o nosso planeta, é produto não da criação do Eterno Pai, mas de uma deidade inferior chamada de "demiurgo".

Então, seria impensável, para os gnósticos, que a Terra pudesse ser o destino do reino eterno de Cristo. Os gnósticos ensinavam, e ainda ensinam, que as pessoas devem rejeitar tudo o que é material e físico e esperar viver no "pleroma" que é um estado não físico ou "etéreo".

Esse ensinamento começou a penetrar no seio da igreja, aproveitando a grande apostasia iniciada a partir do século IV. Já no primeiro século, o apóstolo João alertava para essa doutrina maligna, que negava que o Senhor Jesus tinha vindo em carne, ou seja, de forma material e física (II João 1:7). A verdade é que o plano do Criador para a Sua criação material é eterno.

O Senhor reinará sobre a Terra no milênio e após esse período serão criados novos céus e nova Terra. A Nova Jerusalém descerá dos céus até a Terra e o Senhor habitará no meio dos homens eternamente. O Senhor Jesus tem um corpo glorificado, capaz de interagir com este mundo físico, como Ele próprio fez logo após a ressurreição. É isso que a Palavra revela nos capítulos 20, 21 e 22 de Apocalipse.

Em relação ao céu, paraíso ou lugares celestiais onde o Altíssimo habita, existe sim. Neste momento já há muitos irmãos no céu. O ladrão que foi crucificado com o Senhor, já está no paraíso com Ele, neste momento. Milhões de irmãos nossos estão com o Senhor em espírito. Nós teremos acesso a essas maravilhas (I Corintios 2:9). Como filhos do Rei e co-herdeiros com Ele, teremos acesso aos ambientes celestiais.

Porém, o objetivo de nossa criação é o de atuarmos neste mundo físico, tanto que a benção final que receberemos, antes da eternidade com o Pai, será a nossa glorificação corpórea, ou seja, um corpo incorruptível, pois sem o corpo, mesmo vivendo num ambiente celestial, o homem é incompleto (veja Apocalipse 6:9-11).

Nossa missão na eternidade será a de reinar com o Senhor Jesus a partir da Nova Jerusalém, uma cidade real, palpável e concreta, que descerá dos céus rumo ao nosso planeta (Apocalipse 21:1-27).

Portanto, não há nenhuma incompatibilidade entre a volta de nosso Salvador, nosso encontro com Ele nas nuvens e a Sua posterior e imediata descida para salvar Israel.

Essa idéia de que estaremos nos céus durante o período tribulacional é oriunda do pré-tribulacionismo, que sustenta o conceito que, durante os 7 anos tribulacionais, a Igreja estará nos céus celebrando as bodas com o Senhor, enquanto que na Terra o anticristo estará reinando e perseguindo os "deixados para trás", alguns dos quais conseguirão se salvar pela sua própria força de vontade (...).

Nada disso tem base bíblica e é uma afronta total aos princípios mais elementares do Evangelho de Cristo. Para maiores informações, leia o artigo BODAS DO CORDEIRO.

Maranata,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pelo leitor Nélio, em 14/10/09


"A paz irmãos,

Primeiramente gostaria de parabenizar vocês pelo belíssimo trabalho que fazem. Conheci o site de vocês recentemente e me ajudou muito a conhecer mais sobre a visão pós-tribulacionista.

Confesso que esta visão parece bem mais próxima das escrituras, mas por eu ser de uma igreja historicamente pré-tribulacionista (AD) e assim ter aprendido desde criança, algumas dúvidas ainda restam em minha mente.

Mas, creio que o Espírito Santo há de me ensinar e acabar com todas elas. Estou estudando e pesquisando bastante sobre o assunto, mas com a mente aberta para que o Senhor me mostre qual a verdade.

E em uma destas minhas pesquisas, encontrei um artigo bem interessante no site http://solascriptura-tt.org, intitulado: "Cinqüenta Evidências do Arrebatamento Pré-Tribulacional", algumas realmente nos fazem pensar, outras não passam da idéia do autor do artigo e portanto não levo como verdade bíblica, desde que ele não mostre base para tal afirmação.

Uma das partes que me chamou mais atenção neste artigo é a evidência número 21, que diz:

"21. A "apostasia" em 2Ts 2:3 seria melhor entendido em seu contexto como "a partida". Esta é uma referência à partida do Espírito Santo como habitando a [verdadeiros] crentes das [verdadeiras] igrejas locais"

"Que ninguém vos engane, segundo maneira nenhuma: porque não será assim sem que primeiramente venha a retirada (dos crentes) {*}, e tenha sido revelado o homem do pecado, o filho da perdição" (2Ts 2:3, tradução literal e harmônica com a KJV)

Nota de Hélio: "a RETIRADA (dos crentes)": O grego "646 apostasia" muitas vezes não significa "apostasia DA FÉ". Quando aparece isoladamente (sem ser seguida de "da fé"), então “apostasia” somente significa "SEPARAÇÃO" ou "RETIRADA", e é o contexto que esclarece a que ela se refere: em At 21:21, é "separar [de Moisés]"; somente em 1Timóteo 4:1 (acompanhado de "da fé"), é que "aposthsontai tinev thv pistewv" deve ser entendido como "alguns se separarão da fé" ou "alguns apostatarão da fé").

A palavra relacionada "apostasion" é "carta de separação [divórcio]" em Mt 5:31 e 19:7 e Mr 10:4. A palavra relacionada "868 aphistemi" é "separar [do Templo]" em Lc 2:37; é "ausentar" em Lc 4:13; é "apartar" em Lc 13:27 e At 12:10 e 15:38 e 22:29 e 1Ti 6:5 e 2Ti 2:19 e He 3:12; é "levar" em At 5:37; é "deixar" em At 5:38; é "retirar" em At 19:9, e é "desviar" em 2Co 12:8.

Portanto, neste presente verso 2Te 2:3, tudo indica que "646 apostasia" se refere ao ARREBATAMENTO dos verdadeiros salvos da dispensação das assembléias, se refere à retirada deles para fora deste mundo. Todas as 7 traduções (e respeitamos muitíssimo a Tyndale-1522) da Bíblia para o inglês anteriores à KJV traduziram "646 apostasia" para "partida", somente à partir da KJV-1611, infelizmente, a palavra foi transliterada ao invés de traduzida, isto sempre tem o perigo de causar confusão...

Pesquisei em outros sites e encontrei este http://www.iqc.pt/tessalonicensses2/ii-tessalonicenses-2-1-3-3.html, em que o autor do artigo afirma o mesmo em relação ao termo apostasia em 2Ts 2:3. Este ponto me deixou em dúvida quanto à doutrina pós-tribulacionista, pois se estiver correto o que os artigos dizem, Paulo advertiu a igreja sobre um arrebatamento anterior ao aparecimento do anticristo.

Portanto, gostaria de saber se estas afirmações procedem ou entender o termo como "partida" seria forçar demais o texto bíblico. Gosto muito de estudar escatologia, mas ao falar sobre o assunto com outras pessoas a maioria não se interessa, pois tem em mente que, "se vamos ser arrebatados antes, pra que sabermos disto". Um pensamento muito triste, pois caso estejam errados, não estarão preparados para o que virá.

Provavelmente não será possível responderem todas as afirmações do primeiro artigo, visto a extensão dele, mas seria de grande ajuda para mim se pudessem responder ao menos este. Desde já agradeço a todos que fazem este trabalho. Deus recompensará!"

Nélio,

O Eterno Pai te abençoe e continue te dando esse equilíbrio mostrado em suas palavras. Desde que começamos a servir no Projeto Ômega, o nosso propósito é o de incentivar e chamar a atenção das pessoas para a veracidade das profecias e para a necessidade de manter-se sempre atento aos seus cumprimentos.

Vemos que você está nesse caminho, ao invés daqueles que não estão "nem aí" para as profecias bíblicas, sentimento, em parte, provocado pela disseminação do modelo pré-tribulacionista a partir do século XIX. Não cabe a nós a tarefa de convencer pessoas. O que pedimos que elas façam é o que você já está fazendo: Andar retamente de acordo com a Verdade, buscando o discernimento que vem do Senhor.

Bom, vamos ao ponto central de sua pergunta: Alguns interpretam o termo "apostasia" de II Tessalonicenses 2:3, traduzindo-o como "retirada" ou "separação", deduzindo que o apóstolo Paulo, com isso, estava ensinando aos irmãos em Tessalônica que o Espírito Santo e/ou a Igreja seriam retirados ou separados deste mundo antes da revelação do anticristo. Diante disso, gostaríamos de fazer algumas considerações para que você possa analisar e discernir:

1. Em primeiro lugar, seria necessário destacar a perfeita submissão e obediência de Paulo à escatologia que fora ensinada por Cristo. Ao contrário do que dizem muitos defensores do pré-tribulacionismo, Paulo não veio trazer uma "Nova Escatologia" ou "A Escatologia da Igreja", diferente daqueles ensinamentos que tinham sido deixados pelo Mestre.

A Paulo foram revelados alguns mistérios. Porém, essas novas revelações, como aquela que se refere à rapidez como se dará a glorificação dos santos (I Corintios 15:50-52), não se opõem àquilo que fora ensinado pelo Senhor como linha central de acontecimentos (Mateus 24).

Então, quando Paulo ensinou aos irmãos que, antes da vinda do Senhor e de nosso encontro com Ele (!) (II Tessalonicenses 2:1), haveria dois sinais importantes, estava apenas lembrando àqueles irmãos aquilo que já havia sido ensinado pelo Senhor Jesus. Isso foi lembrado pelo irmão Paulo para opor-se a pessoas mentirosas, que estavam ensinando naquela época que o Salvador viria "a qualquer momento", ou seja, de forma IMINENTE (II Tessalonicenses 2:2).

Paulo coloca esses 2 sinais (apostasia e revelação do anticristo) como anteriores à vinda do Senhor e ao nosso encontro com Ele nos ares para mostrar àqueles irmãos que os que ensinavam a iminência da volta de Cristo naqueles dias estavam mentindo. Certos sinais deveriam ser cumpridos primeiro. Quando Paulo recorreu a esses sinais, ele não estava ensinando nada novo.

Apenas estava lembrando o que Jesus ensinou no Monte das Oliveiras. O Mestre disse que, antes de Sua volta, haveria o esfriamento do amor ágape por parte de muitos e a abominação desoladora no lugar santo. Compare Mateus 24:12-15 com II Tessalonicenses 2:3-4 e você verá isso. Paulo apenas lembra o que já fora ensinado aos discípulos: ESFRIAMENTO ESPIRITUAL (APOSTASIA) e ABOMINAÇÃO DESOLADORA (REVELAÇÃO DO ANTICRISTO).

Outro exemplo dessa submissão de Paulo aos ensinos do Senhor está em I Tessalonicenses 4:16-18 e Mateus 24:30-31. Em Mateus 24:33, após relatar todos os principais sinais que antecederiam Sua volta (entre eles a grande tribulação), é que o Senhor diz que quando os discípulos vissem TODOS aqueles sinais, a Sua volta estaria "às portas". Ou seja, a iminência só existirá quando todos os sinais forem cumpridos.

O Senhor Jesus ensinou isso, Paulo sabia desse ensino e o compartilhou com os irmãos em Tessalônica, para avisá-los contra aqueles que ensinavam que a volta do Senhor estava iminente. Ainda hoje vemos pessoas ensinando essa iminência que não requer o cumprimento prévio dos sinais, indo contra o ensino do Senhor em Mateus 24:33.

2. Em segundo lugar, devemos considerar a coerência daquilo que Paulo ensina em II Tessalonicenses 2:1-3 com aquilo que ele continuou ensinando até o fim. A segunda carta aos tessalonicenses foi uma das primeiras que ele escreveu em seu ministério. Porém, já no final, ele escreve a Timóteo, dizendo que, no final dos tempos muitos apostatariam da fé, dando ouvido a doutrinas de demônios (I Timóteo 4:1).

Ou seja, para Paulo, assim como o Messias já tinha revelado (Mateus 24:12-13), no final dos tempos haveria APOSTASIA GENERALIZADA por parte de pessoas que se diriam "cristãs", mas que seguiriam doutrinas de demônios e que teriam esfriado seu amor ágape.

Por outro lado, não há NENHUMA menção ou ensinamento claro de Paulo nesta e nas outras cartas sobre uma retirada da Igreja antes da tribulação. Caso a retirada da Igreja antes da tribulação e o encontro da Igreja com o Senhor nos ares fosse antes da tribulação, não creio que Paulo, Pedro, João, etc, tenham silenciado sobre isso ou "ocultado" essa informação no meio de expressões como a de II Tessalonicenses 2:3, mas teriam falado e escrito abertamente sobre isso.

3. Outro fato importante para entender isso é o testemunho primitivo. Vamos supor que, por alguma razão, Paulo, Pedro, João e os outros escritores das cartas neotestamentárias, já que não existe nenhum texto claro e objetivo que aponte para o "rapto secreto" antes da tribulação, tenham "escondido" ou "codificado" essa informação sobre um rapto secreto antes da tribulação em termos discutíveis como o de II Tessalonicenses 2:3 ("apostasia").

Era de se esperar que os irmãos primitivos, os quais tinham acesso a informações que nós não temos, posto que eles recebiam o ensino oral também (veja II Tessalonicenses 2:5), tivessem aprendido isso e ensinado às gerações seguintes.

Essa deveria ser uma das grandes verdades do Evangelho. Ainda mais, considerando que eles viviam sob constante perseguição. Seria de se esperar que eles citassem isso ou confortassem seus irmãos com a promessa de que o Senhor os raptaria antes da tribulação. Porém, não há NENHUMA citação ou ensinamento anterior ao século XVIII no seio da Igreja que aponte para uma esperança no arrebatamento pré-tribulacional.

Nenhum dos primeiros líderes que escreveram (Papias, Irineo, Justino, Tertuliano, Inácio, Hipólito, etc, etc), citam essa esperança num arrebatamento pré-tribulacional. Pelo contrário, eles criam, porque assim haviam sido ensinados pelos apóstolos e pelo Senhor, que haveria apenas um regresso do Senhor, logo após a grande tribulação, e que nesse regresso nós nos encontraríamos com Ele! Eles criam, por exemplo, que Domiciano pudesse ser a besta.

Paulo cogitava que poderia estar vivo no momento do regresso do Ungido e o mesmo já sofria perseguição cruel, a ponto de matá-lo decapitado. Em termos práticos, não faria sequer sentido para eles, que já atravessavam uma tribulação mortal e sofrimentos que sequer imaginamos, dizer que o arrebatamento se daria "antes da tribulação".

Nos textos dos irmãos primitivos e na mentalidade deles captada pelos relatos históricos, alguns desses escritos por esses próprios irmãos, prova-se claramente que eles esperavam o cumprimento de Mateus 24:29-31 em suas vidas.

Logo, insinuar que Paulo estivesse ensinando que haveria um deslocamento em massa da Igreja antes da revelação do anticristo, não encontra nenhuma base histórica.

4. Neste ponto recorremos à regra mais elementar para entender um ensinamento bíblico, que é o contexto. É muito fácil alguém chegar e afirmar que o termo "apostasia", no grego, significa "separar", "ausentar" ou até "arrebatar" e basear seu modelo nisso.

Mas, e o contexto? Se a gente ler a segunda carta desde o começo, verá que Paulo ensina aos irmãos que estão sendo atribulados a esperarem a vinda do Senhor desde o céu como "labareda de fogo" e com os anjos de Seu poder, trazendo sobre àqueles que os atribulavam (poder político e religioso ímpio, e hostes malignas) eterna perdição, e trazendo descanso dos sofrimentos à Igreja.

É isso que Paulo ensina antes de chegar ao versículo da "apostasia" (II Tessalonicenses 1:7-10).

Paulo não ensina que a vinda de Cristo se dará para "evitar" que a Igreja entre na tribulação, mas que essa vinda trará alívio ou descanso da tribulação. Paulo não diz que essa vinda será secreta, como um "ladrão na noite", mas que será como "labareda de fogo", acompanhado dos "anjos de Seu poder" e que a punição dos atribuladores como resultado dessa vinda e de nosso encontro com Ele não será a ira tribulacional ou os cataclismos apocalípticos sobre os ímpios, mas a perdição eterna (juízo).

Esse é cenário descrito e revelado por Paulo antes de chegar ao texto em questão. Seguindo, no versículo 1 do capítulo 2, ele diz que, a respeito da vinda do Senhor (a mesma vinda que ele já vinha descrevendo) e de nossa reunião com Ele (encontro com Ele nos ares), aqueles irmãos não deveriam dar ouvidos a enganadores que estavam ensinando que isso se daria a qualquer momento.

Paulo lembra que sinais deveriam ocorrer primeiro e relembra dois dos principais sinais que haviam sido ensinados pelo Mestre.

Até mesmo usando a lógica humana, a interpretação pré-tribulacionista para o termo "apostasia" em II Tessalonicenses 2:3 não faz sentido algum. Ora, se Paulo busca descrever sinais ou acontecimentos que ocorreriam antes da vinda do Senhor e de nosso encontro com Ele, é de se esperar que tais sinais pudessem ser acompanhados pelos irmãos e só após o cumprimento desses sinais (entre outros que Paulo não cita) é que nos encontraríamos com Ele em Sua vinda.

Não faria sentido que Paulo estivesse dando sinais que não pudessem ser acompanhados. Também não faz sentido dar 2 sinais que ocorrerão antes da vinda do Senhor e de nossa reunião com Ele e dizer que não veremos o segundo desses sinais (revelação do anticristo), pois seremos retirados da Terra.

5. Para finalizar, todos os termos para "apostasia", apontados pelo estudo que você leu, como "retirada", "partida", "separação", "deixar", etc, todos eles não podem ser exclusivos para denominar um arrebatamento ou o encontro dos salvos com o Noivo nos ares.

Todos eles podem ser aplicados para descrever o que ocorreu com a Igreja a partir do 3º século. Uma "retirada" em massa de pessoas do verdadeiro ensino para as práticas pagãs com formatos "cristãos".

Uma partida em massa rumo ao engano. Uma separação do Corpo, preferindo dividir-se em instituições humanas. Uma propensão gritante para "deixar" os ensinamentos originais do verdadeiro Evangelho ensinado pelo Senhor e pelos Seus apóstolos e ir atrás de palavras agradáveis aos ouvidos.

Porém, devido a todos esses elementos que citamos, creio que o termo apostasia se refere ao que o Senhor já tinha profetizado no Monte das Oliveiras: Por se multiplicar a iniquidade, o amor ágape de muitos esfriaria (Mateus 24:13)

Que o Senhor continue te abençoando e iluminando. Que o Espírito Santo continue te guiando na Verdade.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por um leitor


"Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai. E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem.

Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem." (Mateus 24:36-39).

Exatamente como nos dias de Noé, assim também será na vinda do Filho do Homem (Jesus Cristo). Agora, o período de sete anos da Tribulação culminará com o retorno de Jesus Cristo na batalha do Armagedom (Apocalipse 16:16 e 19:11-12).

No entanto, essa passagem de Mateus 24:36-39 não pode estar se referindo ao retorno final de Jesus Cristo. Por quê? No contexto dessa passagem em Mateus 24, a declaração de Jesus é que ninguém, exceto o Pai, saberá o dia e a hora exatos do seu retorno.

Entretanto, quando o Anticristo confirmar a aliança com Israel (Daniel 9:27), iniciando assim o período da Tribulação, qualquer pessoa que conheça as Escrituras poderá contar sete anos judaicos para frente, ou 2.520 dias e saberá exatamente o dia em que Jesus Cristo virá dos céus montado em um cavalo branco, para destruir as forças do Anticristo na batalha do Armagedom.

Vemos períodos de tempo precisos relacionados em Daniel 12:11-13, e em Apocalipse 11:2-4 e 13:5, todos prevendo o período de tempo da última metade do período de sete anos da Tribulação.

Portanto, o retorno de Jesus Cristo na batalha do Armagedom não deverá surpreender ninguém que conheça a profecia bíblica. Então, quando o retorno de Jesus Cristo surpreenderá o mundo? Quando seu retorno ocorrerá em um dia e uma hora que ninguém sabe, exceto o Pai?

O único outro tempo em que Jesus Cristo retornará não seria para a sua igreja, antes do início da Tribulação? Eu vejo algumas dificuldades na linha pós-tribulacionista exatamente por causa disso"

Leitor,


Em primeiro lugar, convém definir a que vinda o Mestre está referindo-se em Mateus 24:36-39. Se começarmos a ler desde o princípio da passagem, vamos ver que Ele só menciona uma vinda, que será, de acordo com Ele mesmo, logo após a grande tribulação (Mateus 24:29-31).

Não menciona uma primeira etapa dessa vinda nem uma primeira vinda 7 anos antes. O grande problema do pré-tribulacionismo é deduzir aquilo que não está escrito para que aquilo se encaixe no modelo pré-tribulacionista.

Porém, mesmo considerando essa dedução como sendo verdadeira, você cita o texto de forma equivocada. Jesus não disse que ninguém, exceto o Pai, SABERÁ esse dia. Ele diz literalmente que ninguém, exceto o Pai SABE. Notou a diferença?

Se você ler o contexto, verá que o Senhor utiliza sempre o futuro, porém, em relação ao fato de "saber" ele usa o presente. Por exemplo, hoje, o Filho também SABE, porque todo poder lhe foi dado e Nele habita toda a sabedoria do Altíssimo.


Então, o que devemos fazer é ater-nos ao que está escrito. Quando começamos a buscar deduções sobre o que não está escrito, caímos em erros de interpretação.


Veja: não estamos com isso dizendo que será possível "calcular" o dia da vinda do Senhor, por alguns motivos bem claros. Primeiro, o Senhor não disse que viria no último dia da tribulação, mas "logo após" essa tribulação (Mateus 24:29).

Só essa declaração de Cristo faz com que seja impossível calcular o dia e a hora de Sua vinda. Por outro lado, o planeta estará passando, naqueles dias, por reações tão profundas, que será impossível determinar o que é um dia ou o que são 24 horas (veja Mateus 24:29).

Os dias serão abreviados também (Mateus 24:22). O Senhor nos insta a estar atentos a todos os sinais profetizados por Ele (entre eles os tribulacionais e até mesmo aqueles que ocorrerão logo após a grande tribulação como está ordenado em Mateus 24:33). Somente após o cumprimento de TODOS esses sinais, a vinda Dele estará iminente. Jesus não ensina Seus discípulos a fazerem cálculos, mas a estarem atentos aos sinais.

Porém, o sofisma mais semeado pelo pré-tribulacionismo nos últimos anos diz assim: "Se alguém souber quando ocorrerá a vinda do Senhor, então essa pessoa não poderá ser surpreendida. Então, as passagens que citam a vinda do Senhor como algo inesperado ou como a chegada de um ladrão na noite, só pode estar referindo-se a uma vinda surpresa, sem nenhum sinal prévio"... É mais ou menos isso que você levanta em sua pergunta.

Ficamos tristes ao ver quanta confusão o ensino pré-tribulacionista tem criado. Gostaríamos de lhe mostrar o que a Palavra diz. Leia Apocalipse 9:20-21 e Apocalipse 16:9 e você verá que, mesmo em meio aos mais horripilantes sinais tribulacionais, os homens BLASFEMARÃO DE DEUS E NÃO SE ARREPENDERÃO! Leia todo o contexto dessas passagens.

A segunda (Apocalipse 16:9) relata momentos que antecedem o Armagedom e a Palavra mostra que os homens, em vez de reconhecer o senhorio e poder do Pai e arrepender-se, não o farão! Para essas pessoas, que não crerão na revelação divina nem em plena grande tribulação, a vinda do Senhor será como um ladrão na noite! Então, esse sofisma tem que cair.

Sofisma é todo argumento ou doutrina baseado na lógica humana e não na revelação divina. Pela lógica humana, obviamente seria muito lógico pensar que as pessoas, ao perceberem a proximidade da volta do Senhor, em plena tribulação, com dores insuportáveis, desejando a morte e morte fugindo (Apocalipse 9:6), com gafanhotos demoníacos atacando suas carnes, com o sol abrasando, com tantas catástrofes ocorrendo e as profecias se cumprindo, se arrependeriam e buscariam o Senhor para acabar com o seu sofrimento.

Mas a revelação divina mostra que NÃO SERÁ ASSIM! As pessoas não atentarão para a vinda do Senhor até o momento que será tarde demais: o momento em que aparecerá nos céus o sinal do Filho do homem. Somente naquele momento "as tribos da terra se lamentarão" (Mateus 24:30, Apocalipse 6:12-17, Lucas 21:25-26).

Naquele momento não haverá mais volta ou chance de arrependimento. Quem receber o sinal da besta, não importando se é religioso ou não, já estará condenado. Durante toda a tribulação, as pessoas que não seguem ao Senhor preferirão dar ouvidos à besta que atentar para os sinais que estarão ocorrendo e para elas a volta do Senhor será uma surpresa, como um ladrão na noite. Não somos nós quem estamos dizendo isso. É a Palavra.

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pelo leitor Joel


"Bom dia Jesiel. Tenho lido seus artigos e visto muitas verdades bíblicas que o mundo cristão em geral não concorda. Ao mesmo tempo, fico feliz porque assim como eu, vocês creem na Palavra de Deus da forma como nela estão expressos os textos bíblicos, sem tirar nem pôr.

No entanto, gostaria que você me ajudasse numa dúvida: O Milênio será na Terra, isso tá claro na Bíblia. Porém, a minha dúvida é a seguinte: Quem são as nações que estarão na Terra durante o Milênio, se os salvos reinarão com Cristo em Jerusalém, e os ímpios serão mortos na vinda do Messias? Aguardo sua resposta. Que o Eterno continue o abençoando"

Joel,

Agradecemos ao Senhor pela sua vida e pelo interesse que você tem na Palavra.


A respeito da dúvida, realmente o Milênio suscita muitas interrogações. Muitos não crêem que será um período literal entre a vinda do Senhor e os novos céus e a nova Terra (estamos falando dos amilenistas).

Mas, como você crê assim como nós, que haverá um período literal em que Cristo reinará conosco sobre a Terra logo após a Sua gloriosa volta e antes do Juízo Final, vamos a sua pergunta: Quem são as nações que estarão na Terra durante o Milênio, se os salvos reinarão com Cristo em Jerusalém, e os ímpios serão mortos na vinda do Messias?

Em primeiro lugar, em bom destacar que o Apocalipse revela que aqueles que receberem o sinal da besta e a adorarem serão condenados. Porém, o Apocalipse não diz que todos, em termos numéricos, receberão o sinal ou permitirão que ele seja implantado em seus corpos.

O "todos" de Apocalipse 13:16-18, não é um todo numérico ou absoluto, mas sim genérico. Não é "todos" sem exceção, mas "todos" sem distinção. Ou seja, pessoas de todas as espécies, classes sociais, etnias, receberão o sinal. Porém, haverá pessoas que não o receberão. Entre essas pessoas nós, enquanto servos do Senhor, que devemos permanecer firmes até o fim.

Porém, cremos que algumas pessoas, seja por sua idade, ou por uma situação geográfica ou por alguma motivação interna, não receberão a marca ou até mesmo se negarão a recebê-la e, apesar de toda a perseguição que haverá nos 42 meses da grande tribulação, permanecerão vivas.

Não devemos esquecer que o sinal ou marca da besta terá uma conotação, além da óbvia conotação espiritual maligna, financeira e comercial. Então, em tese, aqueles que não fazem parte da população economicamente ativa, principalmente crianças, não receberiam o sinal.

Por outro lado, é notória a presença de nações durante o reinado de Cristo. É só ler passagens como Zacarias 14:16, Isaias 2:1-4, Miquéias 4:1-2, Ezequiel 36:34-38, entre outras. No Apocalipse está escrito que o Senhor regerá as nações "com vara de ferro" (Apocalipse 19:15), que nós reinaremos com Ele sobre essas nações também (Apocalipse 2:26). Essas mesmas nações (ou parte delas) serão enganadas no final do Milênio por Satanás (Apocalipse 20:7-9). Um abraço pra você e fica na PAZ do nosso Salvador!

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por nosso leitor Paulo, em 27/09/08

"Por favor, vocês poderiam tirar uma dúvida? Eu li por aí que, para que a Nova Ordem Mundial entre em vigor, será preciso que a hegemonia dos EUA caia. Isso é verídico, pois estou percebendo que a economia dos EUA está em uma fase ruim.

Se uma potência como os EUA cair, quem dominará o mundo? Li também que há um plano para falir os bancos e criar um banco mundial... Estou preocupado com esse banco que faliu nos EUA.

Gente, é incrível como as profecias apocalípticas estão acontecendo. Tenho um amigo adventista que insiste que os EUA irão assinar um decreto dominical com o papa, no qual todo mundo será obrigado a guardar o domingo e que o domingo é a marca da besta. Isso tem embasamento bíblico? Pois, no pouco que pesquisei sobre Nova Ordem Mundial, não vi essa possibilidade.


Bom, sou da Igreja Assembléia de Deus e há pouco tempo comecei a pesquisar sobre a Nova Ordem Mundial. Eu não sabia, mais um amigo meu me alertou e me deu sites, inclusive o do Projeto Ômega, um site maravilhoso. Parabéns"

Paulo,

Obrigado por ler e valorizar nosso site. A questão levantada por você no começo é bastante lógica. Para que os 10 chifres assumam o controle mundial, é necessário que a estrutura atual de poder caia. É necessário também que os EUA percam sua atual hegemonia.

A crise que estamos vivendo esses dias pode propiciar essas duas realidades. Pode fazer com que o sistema financeiro global seja totalmente reformulado, criando-se uma espécie de "Banco Central Mundial" ou alguma estrutura que controle e monitore todas as operações no mundo.

Se for muito profunda, além do que os analistas calculam, essa crise pode causar o caos nos EUA e fazer que haja o grande colapso social naquela nação, colapso que atingirá a todos os demais países. O importante é observar que as profecias estão se cumprindo.

Todos os principais acontecimentos estão levando à concretização profética. A Bíblia é clara: o anticristo receberá o poder das mãos dos 10 chifres (10 nações ou blocos de nações) (Apocalipse 17:16). O anticristo imporá uma nova ordem econômica e financeira global, através de um sinal da mão ou na testa da pessoa (Apocalipse 13:16-17). É bom estar atento ao que está ocorrendo no âmbito financeiro global.

A respeito do domingo como a marca da besta, não cremos nessa hipótese. A marca da besta será, como a palavra já diz, uma marca no corpo da pessoa, não um dia. Será imposta nos 1260 dias de soberania da besta. Para maiores informações sobre isto você pode acessar o estudo A MARCA E O NÚMERO DA BESTA. Um abraço e fica na PAZ!

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por nossa leitora Rita Maia, em 25/09/08

Olá Jesiel,

Shalom!

Você pode me ajudar a diminuir meu número de dúvidas em relação ao livro do Apocalipse? ("Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo"). Ler tem sido fácil; ouvir, raro; mas guardar, puxa, tenho dificuldades... Vamos lá:

1) Como relacionar Ezequiel com os versículos de Apocalipse 20 que relatam a batalha de Gog e Magog após o Milênio?

2) Acho difícil situar, nos eventos apocalípticos, a volta de Yeshua ha Mashiach. Uma dificuldade vem do fato de estar escrito que "todo o olho o verá" (inclusive aqueles que o transpassaram). Para ser assim, as duas ressurreições (?) - a dos justos e a dos injustos, já teria que haver acontecido. Como a ressurreição dos "não salvos" será após o Milênio (?) fico um pouco perdida...”

Abraços

Rita Maia.

Rita,

Querer entender as profecias bíblicas é uma atitude sábia. Parabenizamos você por esse interesse em saber. Nós também estamos nesse aprendizado, mas podemos trocar algumas idéias e ajudá-la no que for possível. Vamos a suas dúvidas:

1. Cremos que a batalha de Gog e Magog, retratada em Apocalipse 20:7-9, é diferente daquela descrita em Ezequiel 38 e 39. A profecia de Ezequiel aponta para um evento que ocorrerá envolvendo países e forças que existem hoje e que já são aliadas atualmente, como a Rússia e Irã.

Em Ezequiel é mostrado que, logo após a derrota de Gog e seus aliados nas terras de Israel, o povo israelense usará os armamentos de Gog como combustível durante 7 anos (Ezequiel 39:9). Esses detalhes e outros não combinam com a realidade do Milênio.

Não podemos esquecer que a invasão de Gog descrita no Apocalipse ocorre logo após o Milênio, onde não haveria a necessidade de queimar durante sete anos os armamentos de Gog, pois logo após a derrota de Gog se seguirá o Juízo Final e os novos céus e nova Terra.

Outra diferença é que em Ezequiel, apenas algumas nações marcham contra Israel, inclusive outras nações se mostram surpresas ou contrárias (veja Ezequiel 38:13). Já na investida do Gog de Apocalipse, pessoas de todas as nações participam da tentativa de destruição de Jerusalém.

Cremos que o Gog descrito em Ezequiel se refere a um líder de um país do norte de Israel. Cremos que esse país é a Rússia e que essa invasão descrita em Ezequiel ocorrerá logo no início do período tribulacional. Já o Gog de Apocalipse é o próprio satanás que, após ter sido preso por mil anos, sairá para enganar as nações e fazer com que muitas pessoas dessas nações marchem contra Jerusalém no final do Milênio.

O espírito que há por trás dessas duas invasões é o mesmo. É o espírito satânico. Cremos apenas que essas manifestações ocorreram em 2 momentos e 2 circunstâncias diferentes. Uma no começo da tribulação de 7 anos e a outra logo após o Milênio.

2. A palavra "todo" tem várias aplicações na Bíblia. Nem sempre devemos, quando lemos as Escrituras, tomar a palavra "todo" num sentido absoluto. Por exemplo, quando Jesus diz que "tudo o que entra pela boca desce para o ventre, e é lançado fora" e não contamina o homem, esse "tudo" se refere, obviamente a um "tudo" restrito a algumas substâncias.

Não é um "tudo" geral, pois sabemos que há substâncias que, caso ingeridas, causarão grande dano ao nosso organismo. Temos que entender os termos de acordo com o contexto.

Então, quando em Apocalipse 1:7 é dito que todo olho verá a volta do Senhor, cremos que se refere a todos os que estiverem vivos naquela ocasião (nações, judeus e Igreja glorificada). Cremos que muitos (os não salvos e glorificados na vinda do Senhor) que estiverem mortos por ocasião da vinda de Cristo, realmente não verão esse momento, pois só ressuscitarão, como você bem colocou, após o Milênio.

O Senhor Jesus disse que, por ocasião de Sua volta, as nações da terra se lamentarão ao ver a Sua volta (Mateus 24:30, Apocalipse 1:7). Haverá muitas nações sobreviventes que entrarão no Milênio (veja Zacarias 14).

Cremos que, quando Zacarias diz que "os que o traspassaram" verão a Sua vinda e chorarão (Zacarias 12:10, Apocalipse 1:7), se refere ao povo judeu que estiver vivo no momento da gloriosa manifestação do Salvador nos ares.

Não se refere às pessoas que o traspassaram no momento da crucificação, até porque, se formos tomar ao pé da letra, os que traspassaram o Senhor foram soldados romanos... João e Zacarias se referem nas passagens em questão ao arrependimento que haverá sobre os judeus quando reconhecerem que o Senhor Jesus é o Messias.

Esperamos ter contribuído para esclarecer suas dúvidas. Há interpretações feitas por outros que diferem das nossas. O importante é estar atento a todas elas e buscar o discernimento que vem do Senhor. Fica na PAZ!

Abs,

Jesiel Rodrigues

 


 

Perguntas enviadas por nosso leitor Flávio, em 15/02/08

 

Nosso leitor Flávio nos enviou algumas perguntas sobre o estudo AS SETENTA SEMANAS:

"Me explique melhor essa conta sua, pois, não consegui entender!"

1º) "...Já que no período entre 1 AC e 1 DC, transcorre apenas 1 ano..." Num período de dois anos, contamos 1 ano?

R= Neste caso não há "ano 0". Então, de 1AC a 1DC transcorre um ano, como, por exemplo, transcorre um ano de janeiro de 2007 a janeiro de 2008.

2º) Você faz as contas das 70 semanas de Daniel, utilizando o Calendário Gregoriano?

R= Essas contas não foram feitas diretamente por nós do Projeto Ômega. Apenas utilizamos, dentre as muitas que existem, a que mais nos parece coerente do ponto de vista histórico. As contas foram feitas utilizando o calendário judeu e o juliano.

3º) "...O Observatório Real de Londres calcula que um ano juliano é 1/128 dias mais longo que o ano judaico solar..." O calendário que você chama de Juliano é o Gregoriano?

R= Não. O calendário juliano, usado desde 46 aC até 1582, foi instaurado pelo imperador Júlio César em todas as regiões conquistadas por Roma. Esse calendário durou até 1582, quando foi instaurado o calendário gregoriano.

4º) O Calendário Judaico (Luach) é baseado na lua e não no sol.

R= O calendário judaico é chamado de "lunisolar", com meses lunares de 29 dias alternando-se com meses de 30 dias, com um mês adicional intercalado a cada 3 anos, baseado num ciclo de 19 anos.

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 


Perguntas enviadas pelo leitor Daniel Grecco, em 15/12/07

"Olá irmão, Paz do Senhor Jesus. Também sou pós-tribulacionista, porém tem umas passagens ditas por Jesus e mostradas nos 3 evangelhos que não consigo entender segundo a visão pós-tribulacionista e se possível gostaria de ajuda. Se puderem explicar agradeço. Vou colocar logo abaixo estas partes em questão retiradas do livro de Lucas, capítulo 17:

"E dir-vos-ão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali. Não vades, nem os sigais; Porque, como o relâmpago ilumina desde uma extremidade inferior do céu até à outra extremidade, assim será também o Filho do homem no seu dia. Mas primeiro convém que ele padeça muito, e seja reprovado por esta geração.

E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem. Comiam, bebiam, casavam, e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos. Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos. Assim será no dia em que o Filho do homem se há de manifestar.

Naquele dia, quem estiver no telhado, tendo as suas alfaias em casa, não desça a tomá-las; e, da mesma sorte, o que estiver no campo não volte para trás. Lembrai-vos da mulher de Ló. Qualquer que procurar salvar a sua vida, perdê-la-á, e qualquer que a perder, salvá-la-á. Digo-vos que naquela noite estarão dois numa cama; um será tomado, e outro será deixado.

Duas estarão juntas, moendo; uma será tomada, e outra será deixada. Dois estarão no campo; um será tomado, o outro será deixado. E, respondendo, disseram-lhe: Onde, Senhor? E ele lhes disse: Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão as águias” (Lucas 17:23-37)

1 - O que podemos entender quando Jesus fala em relação aos dias de Noé e dias de Ló?

2 - Como explicam o versículo 31? Porque estar no campo ou em suas casas realizando tarefas (no telhado) não parece condizer com a realidade tribulacional de cristãos, pois nesta altura com certeza já deveriam estar sendo perseguidos e nem teriam casa para morar ou emprego e sim estariam fugindo do reinado do anticristo, sendo perseguidos e mortos..

Estas duas questões me incomodam e muito, principalmente a questão 2. Se puderem me explicar com clareza eu agradeço.

Daniel,


Em primeiro lugar, agradecemos por você acessar nosso site. É bom começar a analisar a passagem colocada por você levando em consideração o acontecimento central descrito por Jesus na ocasião: a Sua gloriosa vinda. Ele nos mostra que será "como o relâmpago ilumina desde uma extremidade inferior dos céu até até à outra extremidade".

No sermão profético, Jesus só insere esse acontecimento num momento determinado: LOGO APÓS A GRANDE TRIBULAÇÃO (Mateus 24:21-30). O Senhor fala do sinal semelhante ao relâmpago para diferenciar Sua gloriosa volta dos simulacros e/ou enganos que haverá no período tribulacional (Compare a passagem de Lucas 17 com a do sermão profético de Mateus 24).

Partindo dessa premissa, podemos ver que tanto Noé quanto Ló permaneceram em seus lugares até o momento final da destruição total e definitiva. Nem o Dilúvio nem a destruição de Sodoma e Gomorra ocorreram de forma iminente ou "de uma hora para outra".

Noé demorou anos construindo a arca e apregoando a justiça. Horas antes da destruição de Sodoma e Gomorra, anjos apareceram na cidade e foram vistos por todos. Nem assim aquele povo se converteu.

Porém, creio que a comparação feita pelo Senhor a respeito de Noé e Ló se refere à maldade e à incredulidade existente na época dos dois, que terá um paralelo nos dias da grande tribulação. Note que o Senhor decidiu destruir TODOS no Dilúvio e em Sodoma e Gomorra, exceto os poucos escolhidos.

Era uma maldade generalizada que, de acordo com nossa opinião, estava colocando em xeque a própria existência do ser humano sobre a face da Terra. Creio que tanto na época pré-diluviana quanto em Sodoma e Gomorra as pessoas interagiam diretamente com demônios, algo que ocorrerá na grande tribulação (Gênesis 6:2-4, Apocalipse 9:1-12).

Referente à segunda questão levantada por você, note que o Mestre cita atividades agrícolas básicas. O intuito aqui é o de mostrar que haverá uma destinação dupla para as pessoas: umas serão tomadas e outras deixadas. O Senhor apenas cita exemplos para ilustrar essa idéia central.

No entanto, mesmo em meio à tribulação, creio que haverá irmãos nossos desempenhando tais trabalhos rústicos, afastados dos grandes centros urbanos, até mesmo para garantir sua sobrevivência.

Para terminar, é bom notar que o Senhor relaciona esse momento (o da separação das pessoas, sendo umas tiradas e as outras deixadas), ao momento em que as águias se ajuntarão em volta do corpo (Compare novamente com a cronologia do sermão profético em Mateus 24:28). Outras traduções falam em "abutres" em vez de "águias".

O termo grego "aetos" usado na passagem (Lucas 17:37), refere-se a aves de rapina. Já o termo "corpo" refere-se a cadáver (ptoma). A passagem apocalíptica que descreve a triunfal volta do Senhor, LOGO APÓS A GRANDE TRIBULAÇÃO, também descreve essa cena de aves de rapina e cadáveres (Veja Apocalipse 19:17-18). Ou seja, uma interpretação coerente com o contexto das Escrituras nos levará a entender que é uma cena relacionada ao Armagedom.

Esperamos ter respondido suas questões, dentro de nossas possibilidades. Se você tiver outros questionamentos sobre esse tema ou qualquer outro, é só mandar.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Perguntas enviadas pelo leitor Carlos Diniz, em 03/07/07

"Olá irmãos do Projeto Ômega! GRAÇA E PAZ

Participo de um pequeno grupo numa pequena igreja batista. A nossa ênfase é Cristo em todos os sentidos, porque cremos que Ele é o tudo do Eterno para nós. O nosso desejo é amá-lo acima de tudo, a ponto de morrermos por Ele, se for essa a vontade do Pai. Eu gostaria se for possível que vocês me ajudassem a entender alguns pontos em relação a volta de Cristo e Igreja:


Zacarias 14:5. Esses santos são os arrebatados antes da vinda do Senhor, por isso estão vindo com o Senhor? Na volta do Senhor, Ele nos arrebatará para Si nas nuvens e a partir daí Ele se manifestará ao mundo com os santos? Qual seria a situação profética escatológica de Israel nos tempos finais? Qual a compreensão que devemos ter das 70 semanas de Daniel, especialmente a última semana? Sinceramente em Cristo, grato!"

Carlos,

Em primeiro lugar agradecemos a Deus pela sua vida e pela igreja na qual você congrega. Nestes tempos que antecedem o fim, é muito importante que tenhamos uma estrutura eclesiástica semelhante à primitiva, com uma profunda comunhão entre os irmãos, e não sejamos dependentes de mega organizações, que às vezes só olham para resultados quantitativos. Porém, damos graças a Deus por todas as igrejas que pregam o evangelho.

Bom, vamos tentar responder suas perguntas. No texto de Zacarias 14:5, o profeta está descrevendo os momentos que antecederão a gloriosa vinda do Senhor, quando Ele pousará Seus pés no Monte das Oliveiras, o qual se dividirá em dois. Todo o contexto do capítulo 14 de Zacarias fala dessa vinda maravilhosa, que antecederá o Milênio e até mesmo fala de coisas que ocorrerão no Milênio.

Cremos que o encontro de Jesus e os santos glorificados (Igreja) nos céus, se dará quando no céu aparecer o sinal do Senhor, sinal que só será visto logo após a grande tribulação (Mateus 24:29-31). Só então o Senhor aparecerá nos céus com a Igreja glorificada e será visto por todos (Apocalipse 1:7).

Os eventos que estamos detalhando ocorrerão muito rapidamente, além de nossos limites temporais. Só pra ter uma idéia, o apóstolo Paulo nos mostra que a glorificação de milhões ou talvez bilhões de servos do Altíssimo ocorrerá "num abrir e fechar de olhos" (I Coríntios 15:50-52). Então, sua segunda pergunta "Na volta do Senhor Ele nos arrebatará para Si nas nuvens e a partir daí Ele se manifestará ao mundo com os santos?" já explica em si a resposta da primeira.

O pré-tribulacionismo, para explicar o fato do Senhor voltar com os Seus santos, pressupõe que esses santos serão arrebatados 7 anos antes da volta, o que não encontra respaldo bíblico.

A própria Palavra nos mostra que os eventos que ocorrerão na volta de Cristo serão rápidos e sobrenaturais e eles ocorrerão "ao soar da última trombeta" ou "logo após a aflição daqueles dias" (I Coríntios 15:50-52, Mateus 24:29).

Por isso Ele aparecerá para todas as nações com os Seus santos previamente arrebatados. Esses santos serão glorificados e arrebatados momentos antes que Ele desça sobre o Monte das Oliveiras e não 7 anos antes, como afirma o pré-tribulacionismo.

Referente ao papel escatológico de Israel, ele é fundamental. É na Terra Santa que ocorrerão os principais eventos tribulacionais e onde o Senhor descerá para reinar, estabelecendo seu trono em Jerusalém. Haverá um remanescente judeu que crerá no Senhor e será salvo (Zacarias 12:9-10). Isso ocorrerá já nos momentos finais da tribulação.

Cremos que os planos do Senhor para com Israel são permanentes e que Israel será a principal nação entre as outras que existirão no Milênio. O Senhor reinará em Jerusalém (Isaías 2:12-4, Miquéias 4:1-4, Zacarias 14:16-21). Acreditamos que o propósito do Pai com a raça humana, através do povo israelense, é eterno.

Sobre a última semana de Daniel, cremos que ela ainda se cumprirá nos 7 anos que antecedem a volta gloriosa do Senhor. Para maiores informações sobre este assunto, você pode acessar um estudo que temos no site com o tema “AS SETENTA SEMANAS”.


Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada pelo leitor Rene Kultz, em 13/05/07


"Meu nome é Rene Kultz, e leio o conteúdo do Projeto Ômega há algum tempo. Sou adepto da visão escatológica pós-tribulacionista, mas tem um texto em especial que sempre me gera dúvida a respeito desta visão:

"Pois, assim como o relâmpago, fuzilando em uma extremidade do céu, ilumina até a outra extremidade, assim será também o Filho do homem no seu dia. Mas primeiro é necessário que ele padeça muitas coisas, e que seja rejeitado por esta geração.

Como aconteceu nos dias de Noé, assim também será nos dias do Filho do homem. Como também da mesma forma aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre, e os destruiu a todos; assim será no dia em que o Filho do homem se há de manifestar. Naquele dia, quem estiver no eirado, tendo os seus bens em casa, não desça para tirá-los; e, da mesma sorte, o que estiver no campo, não volte para trás. Lembrai-vos da mulher de Ló.

Qualquer que procurar preservar a sua vida, perdê-la-á, e qualquer que a perder, conservá-la-á. Digo-vos: Naquela noite estarão dois numa cama; um será tomado, e o outro será deixado. Duas mulheres estarão juntas moendo; uma será tomada, e a outra será deixada. [Dois homens estarão no campo; um será tomado, e o outro será deixado.] Perguntaram-lhe: Onde, Senhor? E respondeu-lhes: Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão também os abutres." (Lucas 17:24-37).

Esse texto dá a idéia de uma manifestação repentina, como é narrado no versículo 27. Concordo que em I Tessalonicenses 5:4 está escrito que os seguidores do anticristo é que vão ser surpreendidos com a segunda vinda de Cristo ("Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que aquele dia, como ladrão, vos surpreenda...").

Mas o mais intrigante é a parte dos versículos 34, 35 e 36, pois eles narram de duas pessoas em atividades rotineiras, e uma sendo levada.

Não é bem o cenário de perseguição, onde os seguidores do anticristo estarão vivendo as suas vidas, e a igreja escondida por causa da perseguição. Gostaria de saber como esse texto se relaciona com os textos que narram a perseguição dos últimos dias. Gostaria de ter essa dúvida respondida. Desde já, agradeço"

Rene,

Em primeiro lugar, gostaríamos de parabenizá-lo pela questão levantada, que realmente mostra que você tem estudado o tema de uma forma dedicada. Sua pergunta é muito interessante e vamos tentar respondê-la de acordo com aquilo que cremos.

Bom, referente à aparente manifestação repentina, nós cremos que a vinda do Senhor Jesus será repentina... Porém, o nosso repentino é bem diferente daquele que defende o pré-tribulacionismo! Nós cremos que o regresso do Senhor ocorrerá a qualquer momento APÓS a concretização de todos os sinais, inclusive dos últimos sinais, que, de acordo com o Senhor será uma série de sinais cósmicos.

Note o que o Senhor diz: "logo após a tribulação daqueles dias" ocorrerão os sinais cósmicos que antecederão o regresso glorioso do Senhor (Mateus 24:29-31). Ou seja, o regresso de Jesus ocorrerá num momento indeterminado logo após a grande tribulação e logo após a concretização dos últimos sinais, os quais também ocorrerão IMEDIATAMENTE APÓS A TRIBULAÇÃO.

O dia e a hora da vinda permanecem desconhecidos para nós. Mesmo considerando as profecias de Daniel, que nos proporcionam números de dias até a vinda, será praticamente impossível calculá-los devido à abreviação dos dias (Mateus 24:22), à possível troca do calendário que a besta fará (Daniel 7:25) e à escuridão total que deverá assolar o planeta imediatamente antes de aparecer o sinal do Senhor (Mateus 24:29-30, Apocalipse 6:12-17).

Nesse cenário de escuridão total é que o sinal de Jesus, como um relâmpago (compare Lucas 17:24 com Mateus 24:27), será visto por todos os que estiverem vivos, para lamentação de uns e alegria de outros.

Veja os casos citados pelo Mestre na passagem que você nos enviou. Ele fala de Noé e de Ló. Nem Noé entrou na arca sem sinais prévios nem Ló saiu de Sodoma sem sinais prévios. A arca precisou ser construída, os animais precisaram entrar, a porta precisou ser fechada. No caso de Ló, os anjos apareceram na cidade e todos ficaram sabendo.

Os anjos não retiraram Ló e família repentinamente, mas permaneceram na cidade por algumas horas. As pessoas preferiram continuar com suas vidas, mesmo diante daqueles avisos tão claros. Da mesma forma, mesmo em meio à grande tribulação, com avisos e sinais tão claros da proximidade da volta de Cristo, as pessoas vão preferir adorar a besta e blasfemar o nome de Deus! (Apocalipse 9:20-21, Apocalipse 16:9).

Esse é um ponto chave para entender porque a iminência, tal qual é defendida no pré-tribulacionismo, não faz sentido. Os pré-tribulacionistas têm enorme dificuldade de entender que, mesmo em meio à grande tribulação, as pessoas não vão estar "nem aí" para o evangelho de Cristo e para a proximidade do fim, da mesma forma que os contemporâneos de Noé e Ló não estavam "nem aí" para aqueles sinais que apontavam para a destruição.

A maior parte das pessoas só vai perceber sua iminente ruína quando for tarde demais, nos dias dos últimos sinais, quando já tiverem adorado e aceito a marca da besta (Apocalipse 6:12-17, compare com os últimos sinais citados por Cristo em Mateus 24:29-30, quando os homens se lamentarão diante do sinal da Sua gloriosa vinda).

Referente aos versículos 34-36, onde Jesus narra que algumas pessoas serão tomadas e outras deixadas, as atividades relacionadas não pressupõem um período anterior à tribulação. Em primeiro lugar, o fato de dormir não pode ser separado da experiência humana, mesmo em meio aos momentos mais difíceis.

Precisamos dormir, até quando o mar está revolto... Também precisamos comer. Note que o processo descrito pelo Senhor é uma forma primitiva de moer grãos, para fazer pão e outros alimentos básicos...

Em segundo lugar, o Senhor associa esse momento à visão de abutres ao redor de um corpo. Se formos à revelação apocalíptica, veremos que os abutres estarão sobre os corpos de milhares de mortos na Armagedom, momento que está relacionado à volta triunfal de Jesus (Apocalipse 19:17-18). Em terceiro lugar, haverá uma infra-estrutura mínima no planeta até os momentos finais.

Se não fosse assim, como subsistiriam os judeus e as nações que entrarão no Milênio (Zacarias 14:16), ou como os exércitos do anticristo teriam condições de reunir-se no Armagedom (Apocalipse 16:13-14), ou como os reis do oriente atravessariam milhares de quilômetros (Apocalipse 16:12)?

O planeta manterá condições mínimas de sobrevivência até o momento final, quando o Senhor pousará seus pés no Montes das Oliveiras, começando seu reino e restaurando todas as coisas.

Esperamos ter respondido as suas questões. Se você tiver outras dúvidas, até mesmo sobre o mesmo assunto, pode nos enviar. Fica na PAZ!

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por nosso leitor Daniel Pereira, em 07/05/07


"Olá Jesiel, Graça e Paz! Tenho acompanhado os estudos divulgados através do site, mas tenho uma dúvida quanto ao anticristo. A minha dúvida é a seguinte:


No texto de II Tess 2:7 e 8 está escrito o seguinte: "Por que já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado, e então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca e aniquilará pelo esplendor da sua vinda". Os pré-tribulacioniostas afirmam que esse “um” que o texto se refere é o Espírito Santo. Gostaria que esclarecesse a que o texto realmente se refere"

Daniel,

Obrigado por acessar nosso site. Referente a sua pergunta, gostariamos de destacar algo muito curioso. Muitos daqueles que dizem ser o Espírito Santo ou a Igreja quem detém ou resiste a manifestação do anticristo, o fazem porque ouviram ou leram que é assim.

Dessa forma, essa informação é passada de geração a geração desde a difusão mundial do pré-tribulacionsimo, ocorrida a partir do final do século XIX (vale lembrar que antes do século XIX, não havia qualquer noção pré-tribulacionista no seio das igrejas cristãs).

Se você for perguntar-lhes a base bíblica que é usada para tal afirmação, não será apresentado nenhum ensinamento ou revelação bíblica direta que afirme isso. As razões pelas quais não cremos que aquele ou o quê detém a manifestação do anticristo é o Espírito Santo ou a Igreja são principalmente duas:

1. No próprio texto em questão, o apóstolo Paulo ensina o contrário daquilo que é ensinado pelo modelo pré-tribulacionista. Se formos olhar para o contexto, veremos que Paulo estava combatendo a idéia de iminência pregada por alguns naquele tempo (século I).

Muitos diziam ou escreviam: "JESUS VOLTARÁ A QUALQUER MOMENTO". Paulo ensina que não será assim e que antes alguns sinais devem se cumprir. Ele dá dois grandes sinais que antecederão a vinda do Senhor e a nossa reunião com Ele: a apostasia e a manisfestação do anticristo.

Ele diz que a vinda de Cristo e a nossa reunião com Ele (versículo 1), não se darão antes da manifestação ou revelação do filho da perdição (anticristo).

Em outras palavras, a vinda do Salvador e a nossa reunião com Ele (arrebatamento), ocorrerão depois da manifestação do anticristo. Se a Igreja se encontrará com o Senhor depois da manifestação do anticristo, então não é a retirada da Igreja que possibilitará tal manifestação.

Se o Espírito Santo foi enviado à Igreja e habita no coração de cada servo do Altíssimo para consolá-lo e guiá-lo, então é claro como a luz do sol que o Espírito do Eterno ficará com a Igreja mesmo após a manifestação do anticristo, porque Ele vive em cada um de nós.

Então, o próprio texto usado pelo pré-tribulacionismo para afirmar que o Espírito Santo é aquele que detém a manifestação do anticristo, algo que o texto não diz, revela o contrário! A Igreja, que tem o Espírito Santo, estará na Terra mesmo após a manifestação do filho da perdição. É isso que Paulo ensina.

2. Se formos aos momentos tribulacionais, veremos irmãos mantendo o testemunho de Jesus e guardando seus mandamentos (Apocalipse 12:17), as duas testemunhas pregando e realizando maravilhosos sinais, as mesmas sendo ressuscitadas (Apocalipse 11:11-13), irmãos se negando a receber o sinal da besta e sendo mortos por isso, etc, etc.

Será que tudo isso será realizado sem a intervenção do Espírito Santo? Será que durante a tribulação haverá uma nova forma de viver a graça do Eterno, baseando-nos em nossa própria força de vontade? É óbvio que não. A presença de servos do Senhor em plena tribulação é inquestionável.

Se formos coerentes com o todo o contexto da revelação bíblica, temos que afirmar que o Espírito Santo permanecerá com a Igreja até o final, o momento da gloriosa vinda de Jesus Cristo, logo após a grande tribulação.

3. O Espírito Santo não foi enviado para opor-se ao avanço da iniquidade. O próprio Senhor revelou que a iniquidade se multiplicaria. O Espírito foi enviado para habitar no coração de cada servo do Senhor nascido de novo. Ele consola e guia o cristão, mesmo em meio aos momentos de provação máxima.

Esperamos ter respondido a sua dúvida. Ficamos a sua disposição para qualquer outra questão. O Senhor continue te abençoando e que Seu Espírito te guie e console até nos momentos mais difíceis, até o fim.

Para um melhor entendimento sobre quem ou o quê detém a manifestação do filho da perdição, acesse o artigo A IGREJA E O ARREBATAMENTO, na parte final do estudo. Ali procuramos chegar a uma conclusão mais sensata, reconhecendo que é um tema bastante complexo, já que o apóstolo Paulo não escreve quem é o o que é que detém a manifestação do anticristo, uma informação que só foi dita aos irmãos em Tessalônica de forma oral.

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por nosso leitor Marcos, em 10/04/07

"A paz! Muito boas as informações contidas no site. Queria muito que vocês me ajudassem com essa dúvida e se puderem, publicar algo do tipo, creio que muitos devem procurar por isso, mas é difícil achar. Vi que vocês refutaram bastantes argumentos amilenistas.

Eu creio que não há problemas nessas passagens, mas para explicar para um amilenistas é algo muito complexo e não vi esse conteúdo no site, aqui vão as passagens: "Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam" (Mateus 24:34) e "Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos, por onde conhecemos que é já a última hora." (I João 2:18).

Estas e outras passagens são muito utilizadas pelos amilenistas para justificarem que as coisas referentes ao Apocalipse ocorreram no reinado de César Nero. Eu não creio deste modo, pois ficam muitas passagens em branco no Apocalipse, caso isso tivesse ocorrido. Estava discutindo com minha mãe e chegamos a uma conclusão a respeito de Mateus 24.

Ao longo dos anos, a Bíblia fora muito traduzida e de acordo com a linguagem culta da língua, ESTA se refere a algo conosco em quanto ESSA a algo que não está conosco. Como Jesus falava de geração, esta se refere a geração em que ele estava. Cremos que esse foi um erro interpretativo dos tradutores. Mas queria saber a opinião de vocês... A paz do Senhor Jesus"

Marcos,

Obrigado por acessar nosso site. Os argumentos usados pelos amilenistas que você citou, são também usados pelos preteristas. A passagem de Mateus 24:34, sem dúvidas, é uma das que mais levantam opiniões. Temos que partir da premissa de que um texto não pode ser entendido fora de seu contexto.

Se no sermão profético, o Senhor Jesus detalhou os principais sinais que antecederiam a sua vinda e depois disse que "Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam”, ninguém pode afirmar que o Senhor estava se referindo àquela geração que o estava ouvindo (século I), a menos que mostre onde e como ocorreram os sinais profetizados, como o sinal de Jesus aparecendo nos céus na forma de um relâmpago, as tribos da terra se lamentando, a abominação desoladora, os poderes dos céus sendo abalados, o ajuntamento dos escolhidos nos ares feito pelos anjos, etc, etc.

Como ninguém em sã consciência pode afirmar que todos esses sinais ocorreram no século I, então devemos descartar essa tese. Uma outra vertente defende que, quando o Senhor falou de "esta geração", estava falando da geração que veria o principio de dores e se extenderia até o final.

Estava lendo há poucos dias um livro de Tim LaHaye, que é pretribulacionista, e ele afirmou isso. Ele diz no livro "O Começo do Fim", de 1972, que aqueles que presenciaram ou estavam vivos durante a primeira guerra mundial (o primeiro sinal do princípio de dores é o de guerras e rumores de guerras), estariam vivos no momento do arrebatamento...

Detalhe: ele escreveu esse livro no começo da década de 70 e vemos que sua tese parece estar errada, já que restam poucos sobreviventes daquela época (primeira guerra mundial) e nem sequer os 10 chifres foram formados...

Pesquisando a expressão grega para "esta" usada no textus receptus, nos deparamos com a palavra “houtos”, que significa "esta" indicando proximidade. Cremos que, quando o Senhor Jesus se refere a “geração”, ele está falando da nação israelense, está falando dos judeus. A palavra "geração"” na Bíblia não se refere apenas ao período de tempo de uma geração (40, 80 anos), mas também à DESCENDÊNCIA ou POVO (veja Jeremias 7:15, Jeremias 23:8, Atos 8:33, Atos 17:29, Apocalipse 22:16, entre outros).

Em outras palavras, cremos que o Senhor diz: "Não passará o povo judeu ou a descendência de Israel até que todas essas coisas aconteçam". Você pode ver que Israel, como nação, é uma das poucas que sobreviveram desde aquela época, mantendo as suas tradições e cultura. A respeito de I João 2:18, é bom lembrar que os irmãos da Igreja primitiva esperavam que o regresso do Senhor se desse já naqueles dias.

Eles esperavam que todos os sinais se cumprissem já nos seus dias. Por isso, a gente vê João falando de "última hora", Paulo se incluindo entre aqueles que estariam vivos no arrebatamento, etc.

Os anticristos e falsos profetas (no plural), estão presentes desde o século I. Porém, nos últimos tempos se levantarão 2 homens que serão o clímax desses seres comprometidos com o erro, como nos mostra a revelação do Messias a João em Patmos. Esperamos ter pelo menos esclarecido alguma coisa. Qualquer dúvida ou opinião, é só enviar. Fica na PAZ.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada em 07/10/06 pelo leitor Rogério Bispo,

"Oi meus irmãos, paz do Senhor Jesus. Gostaria de saber, na opinião dos irmãos, se o cavaleiro de Apocalipse capítulo 6, o primeiro do cavalo branco, é o anticristo ou Jesus Cristo? Aguardo resposta!!! Obrigado!"

Rogério,


Respondendo a sua questão, cremos que o assunto abordado é muito polêmico. Muitos associam aquele que está montado no cavalo branco ao anticristo e outros o associam ao Senhor Jesus. Evitando sermos taxativos, cremos que o cavaleiro descrito em Apocalipse 6:1-2 se refere ao Senhor Jesus, pelas seguintes razões:

1. Cremos que os cavalos e cavaleiros descritos após o cavalo branco representam fatos que fazem parte do princípio de dores (cavalos vermelho, preto e amarelo). Então, parece ilógico que o anticristo apareça antes do princípio de dores. O cavalo branco é o que dá a largada no cenário profético final e cremos que isso ocorreu no ministério do Senhor há aproximadamente 2.000 anos.

2. O mesmo livro de Apocalipse descreve o Senhor Jesus em Sua volta sentado num cavalo branco.

"E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça" (Apocalipse 19:11)

Que o Senhor continue te abençoando,

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


Pergunta enviada por nosso leitor Jonas, em 04/08/06

"Olá, meu nome é Jonas e me interesso pelo tema abordado no site. Nascido no evangelho, sempre compartilhei a idéia pré-tribulacionista, porém os estudos do Projeto Ômega têm me feito repensar sobre isso. Concordo que crer num arrebatamento pré-tribulacionista nos deixa de certa forma desatentos, para não dizer despreocupados com "os eventos finais".


A minha pergunta é simples, talvez nem precisem publicar: Não entendi o porquê da dedução de 1 ano entre 445AC e 32DC. Desculpe minha ignorância, mas se de 445AC até o nascimento de Cristo passaram-se 445 anos e do nascimento de Cristo até 32DC transcorreram-se 32 anos, então a conta não seria 477 mesmo?"

Jonas,

Obrigado por acessar nosso site e valorizar o seu conteúdo. Referente a sua pergunta, que foi originada ao ler o estudo “AS SETENTA SEMANAS DE DANIEL”, a dedução de 1 ano é feita porque não há ano 0. Por exemplo, entre 2 AC e 2 DC, existem apenas 3 anos e não 4.


Referente à conta que você fez, está certa, porém você a fez levando em consideração o calendário solar, o qual possui 365 dias ou 366 dias nos anos bissextos. Já no ano lunar, que possui em média 360 dias, no qual deve ser entendida a profecia de Daniel, 69 semanas ou 483 anos compreende o período entre 445 AC e 32 DC, resultando em 173.880 dias.

Se você usar o padrão solar para a mesma quantidade de dias, chegará aos 477 anos, sempre considerando os pequenos ajustes referentes aos anos bissextos no período, à diferença do calendário juliano e ao ano solar. Porém, cremos que a profecia das semanas deve ser entendida usando o calendário lunar, já que era o utilizado por Daniel.

Veja os cálculos e perceba porque você chegou a uma conclusão diferente da nossa:

69 semanas x 7 anos = 483 anos

483 x 360 = 173.880 dias (de acordo com o calendário lunar)

483 x 365 = 176.295 dias (de acordo com o calendário solar)

176.295 – 173.880 = 2.415 dias. Essa é a diferença entre 483 anos e 477 anos, levando em consideração as pequenas variáveis já apontadas, como anos bissextos e ajustes do calendário juliano ao solar. Na verdade, 2.415 dias dá 6,6 anos (algo em torno de 6 anos e 7 meses). Quando levamos em consideração as variáveis, chegamos à diferença apontada por você (477 anos, contra 483 anos).

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 


 

Pergunta enviada por nosso leitor Fabrício, em 28/07/06:

"Sou leitor do seu Site e gostaria de perguntar uma coisa. É possível afirmar que o falso profeta é o atual Papa e o anticristo será ou é judeu?"

Fabrício,

Tudo bem? Cremos que o falso profeta será (ou é) um líder religioso que exercerá domínio espiritual sobre grande parte da população mundial, graças aos sinais sobrenaturais que fará. Ele apresentará uma nova maneira de crer. Será o falso profeta quem estimulará a adoração mundial ao anticristo, trará "espírito" à sua imagem e convencerá a população mundial a receber o sinal da besta (Apocalipse 13:14-17).

É temerário dizer que o atual papa é o falso profeta. Porém, temos que estar atentos aos movimentos de todos os principais líderes religiosos do planeta e isso inclui o papa.

Referente à nacionalidade do anticristo, o mais provável é que ele seja judeu. Não podemos ser conclusivos, pois não há pasagens bíblicas que apontem claramente a resposta para essa questão. No entanto, há uma passagem na qual o Senhor Jesus revela algo importante:

"Eu vim em nome de meu Pai, e não me aceitais; se outro vier em seu próprio nome, a esse aceitareis" (João 5:43)

O Senhor disse isso a alguns judeus que o inquiriram logo após a cura de um homem no sábado. Ou seja, foi uma palavra específica do Messias ao povo judeu. Todos sabemos que a maior parte dos judeus ainda esperam o Messias, já que Jesus não é considerado como tal por grande parte dos israelenses.

Isso abre caminho para que outro que vier em seu próprio nome, mostrando-se o "grande libertador" de Israel num momento de aflição e chamando para si o cumprimento de algumas profecias, seja aceito como o Messias. Obviamente, nesse contexto, é necessário que tal pessoa seja judia.

Porém, devemos estar atentos a outras possibilidades. Por exemplo, que o falso profeta seja aquele que será considerado o Messias pelos judeus. Nesse contexto, teria que ser um líder espiritual judeu. Existe também a possibilidade que nenhum dos dois seja judeu, podendo ser gentios.

Não há nenhuma afirmação conclusiva na Bíblia que aponte para a necessidade do falso profeta e/ou anticristo serem judeus. Porém, cremos que o mais provável é que pelo menos um deles seja judeu.

É importante que continuemos atentos aos fatos. Os detalhes proféticos que não estão claramente expostos na Palavra de Deus devem ser objeto de nossa observação nas notícias do dia a dia para que possamos identificar o real cumprimento das profecias bíblicas.

Quando surgir um líder espiritual mundial, fazendo sinais surpreendentes, trazendo uma "nova maneira de crer" e induzindo as pessoas a adorar a besta, a sua imagem e a receberem seu sinal nas mãos ou na testa, então você saberá que se trata do falso profeta.

Também, quando surgir um líder que receba o poder mundial das mãos de 10 países ou grupos de países e esse líder chame para si a adoração mundial, através de sua imagem e presença no Templo, então você saberá que se trata do anticristo.

Abs,

PROJETO ÔMEGA

 



Pergunta enviada por nosso leitor Eliseu Pereira, em 24/07/06:


"Parabéns pelos estudos publicados no site Projeto Omega, todos bem fundamentados. Sou formado em teologia, membro de igreja batista, interessado em Escatologia e atualmente estou preparando um curso sobre o assunto para EBD.


Gostaria de fazer a seguinte consulta: no seu texto CRONOGRAMA DA TRIBULAÇÃO, o irmão diz que as profecias de Ezequiel 38-39 se cumprem durante os anos da tribulação. Em outro texto, sobre MILÊNIO, consta a seguinte observação: "Não podemos confundir também Gog e anticristo, nem tampouco o Gog pós-milenal (Apocalipse 20:8) com o Gog de Ezequiel 38 e 39, que está mais relacionado ao começo da tribulação."


Pergunta: Qual o fundamento desta distinção? Por que o Gog de Ezequiel não deve ser entendido simplesmente como o Gog de Apocalipse 20? Ambos os textos parecem tratar de várias nações e não apenas da Rússia e seus aliados. Percebo que muitos estudiosos fazem esta distinção, mas lendo os textos bíblicos, não encontro base para chegar à mesma conclusão. Obrigado se puder responder. Em Cristo, Eliseu Pereira".

Eliseu:

Agradecemos pelo carinho e também o congratulamos pelo interesse em conhecer mais as profecias bíblicas. Que o Eterno o guie no curso que irá ministrar na EBD.


Referente a sua consulta, gostaríamos de começar esclarecendo que o tema é bastante polêmico. Sem dúvidas, sugerir que o Gog de Ezequiel 38 e 39 é o mesmo de Apocalipse 20:8 ou é um Gog diferente, tem seus prós e seus contras. Porém, vamos colocar algumas razões pelas quais cremos que os dois textos em questão (Ezequiel e Apocalipse), se referem a personagens diferentes:

Ezequiel mostra que Gog virá do extremo norte (Ezequiel 38:15). Traçando uma linha imaginária, veremos que o povo que encontra no extremo norte de Israel é a Rússia. Praticamente há uma linha reta entre Jerusalém e Moscou. Então, uma simples interpretação literal nos levará à Rússia.

No caminho entre a Rússia e Israel, temos o Líbano, Síria e Turquia. Israel instalou um verdadeiro "tampão" militar em sua fronteira com a Síria, numa zona conhecida como Colinas de Golã, ocupando militarmente essa região.

O atual conflito no Líbano (país que fica imediatamente ao norte de Israel), traz, cremos, um alto teor profético, já que seria o caminho a ser percorrido pela invasão de Gog, vinda do "extremo norte". Note que Gog virá para "tomar despojo". Ou seja, virá logo após algum grande conflito no qual Israel sairá como vencedor e conseguirá habitar em relativa segurança.

Já o Gog de Apocalipse 20:8 sairá para enganar "as nações que estão sobre os quatro cantos da terra" e é identificado como o próprio satanás. O Gog do Apocalipse não intentará tomar despojos de guerra, mas rebelar-se contra o governo do Senhor Jesus.

A Rússia possui enormes efetivos militares na região da Chechênia, que faz fronteira com a Turquia. É conhecido o interesse que as grandes potências têm no Oriente Médio. Diante do controle americano do Afeganistão e do Iraque, além de países "amigos", como a Jordânia, Arábia, Kuwait, Egito e o próprio Israel, grandes países como a Rússia e a China, cedo ou tarde, terão que trazer à tona sua necessidade de ter controle estratégico também das principais jazidas de petróleo no mundo. Os EEUU saíram na frente, mas os outros grandes países deverão agir, tarde ou cedo.

Então, geo-politicamente, a Rússia tem bons motivos para instalar-se no Oriente Médio, visando sua subsistência futura como grande nação. O Gog descrito por Ezequiel é um ser que planeja meticulosamente sua invasão a Israel.

Será algo surpreendente, quando Israel estiver habitando em paz, livre da ameaça de seus inimigos mais próximos (mais uma vez, o atual conflito com os palestinos e no Líbano nos chama a atenção).

Já o Gog de Apocalipse não virá de uma forma surpreendente e sorrateira, mas será solto de sua prisão milenal para esse fim (Apocalipse 20:7).

Ezequiel mostra que Gog possuirá alguns aliados. Entre eles "persas, etíopes e os de Pute" (Ezequiel 38:5). Isso, mais uma vez, nos leva à configuração atual, onde os persas (Irã), se mostram como aliados da Rússia. Países islâmicos da África do Norte e do Oriente Médio também, a exemplo do Irã, poderão marchar com Gog contra Israel. Ao mesmo tempo, povos como Sebá, Dedã e Tarsis demonstrarão surpresa diante da invasão do Gog descrito por Ezequiel (Ezequiel 38:13).

Já o Gog de Apocalipse agirá sobre todas as nações, as que existirem no final do Milênio (não temos sequer certeza que o Irã (persas) continuarão existindo no período milenal).

Os armamentos de Gog, logo após a sua derrota, serão queimados e usados como combustível durante 7 anos pelo povo de Israel (Ezequiel 39:9). Precisamente, o número de anos da tribulação, se dermos uma interpretação futurista à última semana de Daniel.

Faz sentido, pois a tribulação será um período de intensa aflição para Israel e o país poderá precisar desse tipo de combustível. Da mesma forma, os restos mortais das tropas de Gog serão enterrados por 7 meses (Ezequiel 39:12).

Nenhum desses fatores combina com o Gog de Apocalipse, pois logo após a destruição das tropas de Gog, logo após o Milênio, haverá o Juízo Final e a instauração dos novos céus e nova Terra. Não faz sentido ficar usando por 7 anos combustíveis obtidos no despojo de guerra nem faz sentido ficar 7 meses enterrando mortos, para logo após vir o Juízo Final e os novos céus e a nova Terra.

Até mesmo os relatos bíblicos a respeito do Milênio nos levam a crer que não haverá grandes armas na rebelião satânica logo após o Milênio, já que nesse período, sob o reinado do Senhor Jesus, as armas serão convertidas em instrumentos de produção (Isaias 2:4, Miquéias 4:3).

Esses são os principais fatores que nos fazem acreditar que o Gog de Ezequiel se refere a uma invasão vinda do "extremo norte" (Rússia e alguns aliados) e que ocorrerá logo no começo do período tribulacional, enquanto que o Gog de Apocalipse é o próprio satanás, que comandará uma rebelião mundial contra o reino do Senhor Jesus logo após o Milênio.

Como expressamos no começo, é um assunto realmente polêmico e todas as interpretações devem ser consideradas e estudadas. Cremos que a única forma de assegurar-nos a respeito do cumprimento dessa e de outras profecias é ficarmos atentos aos acontecimentos.

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA


Pergunta enviada pelo leitor Jônatas Sales, em 07/06/06:

"Oi, tenho uma dúvida. Há alguns anos, seitas de bruxaria como "Wicca" vêm se expadindo em torno dos jovens que a estão buscando, evidentemente, pelo sucesso do "Harry Potter". Gostaria de saber se esses "bruxos" e "satanistas" terão um papel importante nesta área apocaliptica."

Jônatas:

Como temos afirmado constantemente, cremos que estamos diante de um processo de condicionamento paulatino da população mundial para que, em determinado momento, possa aceitar a besta e o falso profeta sem maiores questionamentos.

A Palavra revela que tais personagens malignos farão grandes sinais e a maioria dos habitantes do planeta se maravilhará diante disso (veja Apocalipse 13:3-4, Apocalipse 13:1-18 e II Tessalonicenses 2:9-11).

Esse processo de condicionamento paulatino fica claro quando abordamos o termo "bruxaria". Há 5 ou 6 décadas, esse termo era até mesmo evitado e causava aversão na maior parte das pessoas.

Hoje, não somente o termo, mas também a prática da bruxaria virou moda e é mostrada pela grande mídia como algo novedoso, moderno e atraente, ao trabalhar com as "forças da natureza".

O apóstolo Paulo, em sua segunda carta aos tessalonicensses, ensinou aos irmãos que o mistério da injustiça já operava naquele momento, ou seja, no primeiro século (II Tessalonicenses 2:7). O Senhor Jesus já tinha revelado que, no decorrer do tempo, a iniquidade se multiplicaria (Mateus 24:12).

O clímax dessa crescente iniquidade será a manifestação do homem a quem Paulo chama de "o iníquo" (II Tessalonicensses 2:8), referindo-se à besta.

Então, vemos que existe um processo maligno denominado por Paulo de "mistério da injustiça". Dentro desse processo, a iniquidade vai se multiplicando e as forças malignas vão exercendo um nível cada vez maior de influencia sobre as pessoas, como objetivo final de impor o iníquoà população mundial, procurando adoração e "querendo parecer Deus" (II Tessalonicenses 2:4).

Que continuemos sob a graça do Senhor, alertando a todos os que tiverem ao nosso alcance desse processo maligno e evitando que alguns durmam e sejam enganados. Que possamos levar a mensagem de libertação e amor àqueles que têm se envolvido com práticas como a bruxaria e feitiçaria, em vez de atirá-los na fogueira como fizeram muitos em séculos passados.

A única maneira de não deixar-se levar por essa onda crescende de iniquidade e engano é ter comunhão com o Senhor, sendo guiado pelo Santo Espírito do Altíssimo.  

Abs,

 

PROJETO ÔMEGA


Pergunta enviada pelo leitor Silvano Ribeiro, em 15/01/06:

 

“Amados, que a graça de CRISTO esteja com todos. Gostaria de uma opinião sincera sobre Apocalipse 13. O texto fala que a um espírito seria permitido entrar numa imagem. Eu já li em vários livros sobre a escatologia bíblica que seria uma estátua. Fico a imaginar se uma estátua de bronze ou de madeira poder falar. Sinceramente, não acredito que o Apóstolo João tenha se referido a essa situação.


Uma certa vez, eu ouvi de alguém (que eu nem me lembro quem foi), que essa imagem poderia ser de um ser clonado. É dessa maneira consigo visualizar um demônio entrando num clone de alguém famoso. É sendo somente dessa maneira que um ser clonado pode vir a ter vida, pois não acredito que o nosso Pai iria dar um sopro de vida a um ser clonado e sem o sopro divino este ser não poderia ter vida. Pergunto se esta minha questão pode ser considerada”

 

Silvano:

 

A questão que você levanta é muito interessante e importante. Interessante porque provoca o nosso interesse em pensar em detalhes que passam por alto quando analisamos os temas escatológicos, e importante porque é o nosso dever, como servos do Altíssimo, estarmos preparados para enfrentar e rejeitar a grande onda de engano que se aproxima.

Como pós-tribulacionistas, cremos que teremos que enfrentar tais acontecimentos e temos que estar alertas para as possibilidades "...para que não sejamos vencidos por Satanás; porque não ignoramos os seus ardis...", como expressa Paulo em sua segunda carta aos coríntios (II Coríntios 2:10).

Confessamos que não temos uma posição categórica e inquestionável sobre o tema levantado por você, ao mesmo tempo em que sustentamos que sua posição a respeito deve ser considerada como provável. Porém, gostaríamos de levantar algumas questões sobre o tema.

Em primeiro lugar está a questão do fôlego ou espírito. O texto diz que ao falso profeta será concedido dar espírito à imagem da besta, com o objetivo de que esta fale (Apocalipse 13:15). Será possível a um homem dirigido por forças satânicas (falso profeta), dar "espírito" a um corpo? Um clone tem espírito ou não? A que o escritor do Apocalipse se refere como "espírito"?

Entendemos que devemos partir de algumas premissas. A primeira é que o Senhor é o Pai dos espíritos (Hebreus 12:9). A segunda é que Satanás e suas hostes podem agir apenas dentro das leis naturais impostas pelo Criador. Satanás pode iludir, enganar e usar técnicas que o homem e sua tecnologia ainda desconhecem. Porém, jamais pode ir além dos limites impostos pelo Senhor.

A palavra grega usada para "espírito" no texto de Apocalipse 13:15 é "pneuma", tendo diversas aplicações no Novo Testamento. O contexto da passagem apocalíptica nos leva a acreditar que seja no sentido de "vida". A versão inglesa King James traduz o termo como "life" (vida).

Fica claro então que algo inanimado, feito pelos homens num primeiro momento, receberá vida e começará a falar...Esse "algo"é descrito pelo escritor do Apocalipse como uma imagem (do grego eikon). Como entendemos que os homens farão tal imagem, fica a clara impressão de que será uma imagem real e não figurada ou simbólica.

Em segundo lugar, queremos chamar a atenção para o tempo da grande tribulação. Como somos literalistas, até o ponto em que o literalismo não seja incongruente com o contexto, cremos que a grande tribulação durará tres anos em meio ou 42 meses (Apocalipse 13:5) e que estamos prestes a ingressar no período decisivo no cronograma escatológico.

Ou seja, não esperamos que haja um avanço revolucionário nas técnicas de clonagem humana daqui até o período tribulacional. Será que em 42 meses poderia ser feito um clone, dentro de nossas atuais limitações e esperar que esse clone alcançasse uma maturidade etária que o possibilite tornar-se um ser "adorável"?

Por último, surge a questão polêmica e ainda pouco estudada sobre o real estado espiritual de um clone. Se considerarmos a hipótese de que um clone seja produzido (se é que já não foi), ao respirar (ter fôlego, vida), estará usando uma capacidade de origem maligna? Cremos que não.

Como você pode ver, a questão é realmente polêmica. No entanto, sua posição é possível se levarmos em consideração que em todo esse processo haverá algum tipo de ilusão coletiva e engano por parte do falso profeta e, ao mesmo tempo, uma revolução nas técnicas de clonagem e de manipulação genética em pouquíssimo tempo, através de uma "revelação" satânica.

Porém, como procuramos ser conseqüêntes com o literalismo, entendemos que a imagem de Apocalipse 13:15 será uma imagem real, talvez de tamanho proporcional a um ser humano, feita pelos próprios homens, a mando do falso profeta. Num determinado momento, receberá a faculdade de "falar" e de "viver" através de algum ilusionismo maligno do falso profeta e será adorada.

Afinal, o próprio Messias disse que seriam feitos sinais tão surpreendentes que, se possível fosse, enganariam até os escolhidos...Se você analisar, a questão "imagem-adoração" até hoje faz parte das grandes religiões, com raras exceções...É bom estarmos alertas para todas as possibilidades. Inclusive a levantada por você.

Em Cristo,

 

PROJETO ÔMEGA

 


 

Perguntas enviadas por nosso leitor André Motta, em 02/01/06

 

"Olá irmão, me chamo André e gostaria de parabenizá-lo pelo Projeto Ômega. Gostaria que o irmão esclarecesse as seguintes dúvidas"

 

André:

 

Obrigado por ler nosso site. Você levanta três questões muito interessantes e vamos respondê-las de acordo com aquilo que entendemos.

 

"Quem são os 144 mil judeus marcados com o sinete em Apocalipse? Nenhum estudo de voces fala sobre eles. Por que somente eles são citados como protegidos do ataque dos gafanhotos (umas das taças da ira do Eterno) APOCALIPSE 9:4. Se a igreja está na terra...por que não é protegida também?"

 

Devemos estar atentos a duas verdades: nós, como Igreja, somos o Israel espiritual do Altíssimo, herdeiros das promessas feitas a Abraão. Porém, entendemos que os propósitos do Senhor com a nação israelense são eternos.

Se você já leu alguns de nossos tópicos sobre a presença da Igreja na tribulação, tais como A IGREJA E A TRIBULAÇÃO, verá que entendemos que parte dela será sobrenaturalmente protegida em meio ao período tribulacional.

Essa proteção se aplica também a Israel, pois são claros os objetivos permanentes do Senhor com a nação israelense, mesmo após a Sua vinda (para maiores informações, você pode acessar os tópicos O MILÊNIO e A VIDA APÓS A VINDA).

Em resumo, cremos que os 144.000 selados de Apocalipse 7:1-8 representam simbolicamente aqueles que serão protegidos de forma sobrenatural pelo Senhor em plena grande tribulação, tanto membros da Igreja, como membros da nação israelense.  

"Qual o papel real das 2 testemunhas, uma vez que o evangelho já terá sido pregado por todas as nações?"  

Cremos que o ministério das duas testemunhas está diretamente relacionado à nação israelense. É mais uma prova cabal de que os propósitos do Senhor com a nação escolhida são eternos e de que suas promessas a Abraão, ao mesmo tempo em que se cumprem espiritualmente na Igreja, se cumprirão materialmente na nação israelense.

As duas testemunhas precederão a grande restauração espiritual e quebrantamento de Israel, cujo clímax é retratado em Zacarias 12:8-11. Esses dois servos do Senhor, cujas identidades têm gerado muita especulação, pregarão em tempos de angústia (grande tribulação) e sua mensagem central será a de que Jesus Cristo é o verdadeiro Messias.

"Se sobreviventes da Ira do Eterno (habitantes de várias nações) irão viver durante o milênio, quer dizer que mesmo pessoas que receberam o sinal da besta não serão mortas e viverão no reino terrestre de cristo??? (Pois os únicos que não receberam o sinal são os crentes...e o judeus escolhidos, como pode isso?)"

Não. A Palavra do Salvadorr é clara: quem receber o sinal da besta será condenado. Não há revelação alguma a respeito de uma "segunda chance milenal". Em nossa resposta ao leitor Noé Costa, expressamos nossa compreensão a respeito da abrangência da imposição da marca da besta.     

Em primeiro lugar, o objetivo "externo" da marca é controlar as transações financeiras, o que colocaria fora desse grupo crianças de pouca idade, por exemplo. A Palavra revela que o período de implantação desse sistema será relativamente curto (42 meses).

Em segundo lugar, o "todos" de Apocalipse 13:16 é um "todos" que fica melhor entendido como uma expressão que indica "sem distinção" e não "sem exceção". Se sabemos que crianças, pessoas que vivem em localidades inóspitas e ate hoje não bem exploradas, os cristãos, e parte dos judeus (muitos deles vivendo em diferentes nações) não serão marcados ou não aceitarão essa marca, então fica claro que o "todos" de Apocalipse 13:16 é um todos "sem distinção".

O próprio contexto corrobora essa impressão ao revelar que "grandes e pequenos", "pobres e ricos", "livres e servos" receberão o sinal da besta. Ou seja, "todos", sem distinção de classe social, importância ou situação financeira.

Por outro lado, as Escrituras são claras ao revelar a existência de nações na Terra, sendo governadas por Jesus logo após a Sua vinda (para maiores informações, acesse os tópicos A VIDA APÓS A VINDA, O MILÊNIO, COMENTÁRIO 03 e PRINCIPAIS ARGUMENTOS AMILENISTAS).

 

No Salvador,

 

PROJETO ÔMEGA

 

 

 

 


 © Copyright Projeto Ômega – Todos os direitos reservados

Scarpe da donna Scarpe Scarpe Adidas adidas Scarpe Scarpe Scarpe hogan oakley nike air presto new balance nike air max adidas Scarpe nike free nike blazer