English French German Italian Spain

 

 

 

COMENTÁRIO 10


 

 

 

Este é mais um comentário no site Projeto Ômega, onde refletimos de forma mais detalhada sobre alguns escritos, correntes, estudos ou ensinamentos, respondendo a eles de forma direta.

Desta vez, vamos abordar a temática "Arrebatamento dos Vencedores" que é uma linha escatológica que defende a ideia de que uma parte da Igreja (os vencedores), será arrebatada na metade da tribulação ou antes da gloriosa volta do Senhor Jesus e o resto da Igreja só será arrebatado no momento dessa vinda.

Essa corrente tem grande semelhança com a crença conhecida como "Arrebatamento das Primícias". Então, talvez nossas respostas possam servir para ambas.

Como sempre nossas respostas estarão em preto (PO=Projeto Ômega) e as premissas comentadas (AV=Arrebatamento dos Vencedores) na cor azul.

AV: Na Bíblia vemos dois tipos de arrebatamento: o arrebatamento dos vencedores e o dos demais crentes na volta do Senhor Jesus. A volta de Jesus será antes do milênio.

O arrebatamento dos vencedores será antes da grande tribulação, mas o arrebatamento dos demais crentes, para os ares com Cristo, só acontecerá quando a última trombeta tocar, no final da grande tribulação.

PO: Paulo ensina que nossa glorificação corpórea ocorrerá na vinda (parousia) de Jesus (I Coríntios 15:23). A única vinda ensinada na Palavra. Em nenhum lugar das Escrituras há um ensino sobre duas futuras vindas.

Então, se Paulo nos ensina a esperar nossa glorificação na vinda do Ungido, essa vinda abrangerá não apenas "os demais crentes", como se fosse uma segunda categoria de cristãos, mas toda a Igreja.

Ao mesmo tempo, dando-nos mais um detalhe importantíssimo, Paulo ensina que isso ocorrerá "ao soar da última trombeta". Se formos coerentes com a revelação de Jesus Cristo, a última e definitiva trombeta soará no momento de Sua gloriosa volta e não antes (Mateus 24:30-31).

 

SOBRE A NECESSIDADE DO ARREBATAMENTO PRÉVIO DOS VENCEDORES

 

AV: Primeiramente vamos considerar a necessidade do arrebatamento dos vencedores. A primeira necessidade é devido à vinda da grande tribulação. Serão dias tão severos que terão de ser abreviados (Mt 24.21,22).

PO: Qual é o argumento bíblico para sustentar que a Igreja não pode passar por uma grande tribulação? Que um cristão não pode morrer num desastre natural ou numa perseguição oficial?

Pelo contrário, tanto Jesus como Seus apóstolos ensinam em todo momento que estaremos, enquanto Igreja, suscetíveis a isso por causa do Evangelho.

Sujeitos a perder nossa integridade física a qualquer momento. Isso fica claro não apenas na Palavra, mas na própria História.

AV: Um laço sobre todos os habitantes da terra. Os laços do diabo são mencionados: a dissipação (comer), a bebedice (beber) e a ansiedade da vida.

Precisamos ser cuidadosos para não nos embriagarmos com os cuidados da vida e também para não cairmos no extremo de não trabalhar e nem estudar.

Ser arrebatado é ser levado à presença de Deus. Se desejarmos ser levados à Sua presença, precisamos estar em Sua presença hoje (Lc 21.34,35).

PO: Concordamos. Quem se deixar levar pelo descaso e pela descrença, será surpreendido na vinda do Senhor. No entanto, essa vinda e o arrebatamento da Igreja são eventos pós-tribulacionais. É só ler o contexto da passagem citada pelo autor.

Devemos estar atentos para que "aquele dia" não venha sobre nós de improviso (Lucas 21:34). Que dia é esse? Se formos honestos em nossa interpretação, esse dia não é outro senão o dia em que "...Verão vir o Filho do homem numa nuvem, com poder e grande glória" (Lucas 21:27). É só considerar o contexto da passagem!

AV: A provação sobre toda a terra habitada - A provação que há de vir sobre toda a terra é a grande tribulação, que consiste nas trombetas do último selo (Ap 3.10).

PO: Sim, cremos que a grande tribulação será uma provação sobre toda a terra.

AV: Destruição como dor de parto - A grande tribulação virá de forma repentina e abrupta como as dores de parto para a mulher grávida. Isso acontecerá quando estiverem falando de paz e segurança (1Ts 5.3).

PO: Nesse texto (I Tessalonicenses 5:3), Paulo não está falando sobre a tribulação, mas sobre o Dia do Senhor, que será o Dia em que Ele se manifestará gloriosamente nos céus. Há diferenças gritantes entre tribulação e Dia do Senhor.

Apenas citamos Isaías 2:11-18, que afirma que apenas o Altíssimo será adorado no Dia do Senhor e que todos os ídolos serão abatidos. Um cenário que não tem nada a ver com a tribulação, onde haverá o clímax da adoração idolátrica com a adoração de quase todos à imagem da besta...

O Dia do Senhor pegará a maioria de surpresa e as tribos da terra se lamentarão, pois reconhecerão que foram enganadas pela besta.

Esse dia ocorrerá imediatamente após a grande tribulação. Será um dia de juízo e de grandes comoções cósmicas (Mateus 24:29-31, Apocalipse 6:12-17)

AV: A ira do diabo sobre a terra - Outra necessidade do arrebatamento é que o diabo descerá à Terra com grande ira, como um "ai para a terra e o mar". Nessa época ele saberá que seu tempo é curto e fará o possível para atormentar o homem (Ap 12.12).

PO: A Igreja não precisa ser arrebatada da Terra para "fugir" de satanás. Ele é quem foge daquele que se sujeita ao Pai e o resiste espiritualmente (Tiago 4:7). Para quem está verdadeiramente em Cristo, o máximo de dano que o sistema maligno pode fazer, sob permissão do Eterno, é matar o corpo físico.

AV: A guerra do grande dragão contra o restante dos descendentes da mulher - Já vimos que a mulher no capítulo 12 é a totalidade do povo de Deus, incluindo tanto a Igreja como os filhos de Israel.

Estes são dois grupos: os que guardam a lei e os que guardam o testemunho de Jesus. O dragão fará guerra contra eles (Ap 12.17).

PO: Essa é uma prova clara de que a Igreja estará aqui nesse período. Quando o autor cita "a Igreja", concordamos com ele. Trata-se da Igreja do Senhor, indivisível, um Corpo. Não uma segunda categoria de cristãos que não são vencedores e que por isso teriam que enfrentar a tribulação.

AV: A vitória da besta (o anticristo) sobre os santos - Os santos são o povo de Deus. Isso indica que na grande tribulação muitos crentes serão martirizados pelo anticristo. Não estamos aguardando esses terríveis eventos, estamos aguardando o arrebatamento para sermos livres dessas perseguições (Ap 13.7).

PO: Onde está revelado que um arrebatamento nos livrará de sermos martirizados? Se existe essa revelação na Palavra, esqueceram de avisar a Estevão, Pedro e Paulo, dentre tantos outros que foram martirizados através dos séculos...

Pelo contrário! Jesus ensina que o servo não é maior do que o seu Senhor... Esperar um arrebatamento para não ser martirizado é simplesmente uma esperança extrabíblica.

Nossa esperança é a gloriosa manifestação de nosso Salvador (Tito 2:13). É encontrar-nos com Ele e viver com Ele eternamente. Não é escapar de uma possível morte física.

 

SOBRE AS PROMESSAS AOS VENCEDORES


AV: Prevalecer, escapar e permanecer de pé diante do Filho do homem - Se vigiarmos e orarmos, então escaparemos de todas as coisas que devem suceder e estaremos de pé diante do Filho do Homem (Lc 21.36).

PO: Evitar todas estas coisas não está relacionado a sair do planeta quando estas coisas tiverem ocorrendo. A Palavra não se contradiz. No mesmo contexto, o Senhor diz que os Seus veriam essas coisas, ou seja, que estariam inseridos em todo o processo:

"Assim também vós, quando virdes acontecer estas coisas, sabei que o reino de Deus está perto" (Lucas 21:31)

No rol de "todas estas coisas" está englobada toda a narrativa do Senhor, desde a destruição do Templo em 70 d.C até a Sua gloriosa volta.

Então, vemos que o fato de evitar tais coisas não significa fazer parte de um arrebatamento, pois os irmãos não foram arrebatados em 70 d.C nem durante toda a história até agora.

Ser digno de evitar todas essas coisas está relacionado à vigilância, para estarmos em pé diante do Senhor. É uma questão de perseverança espiritual, não de livramento físico.

AV: Ser guardado da hora da provação - Por um lado devemos vigiar e orar, mas, por outro, devemos guardar a palavra da perseverança. Se assim fizermos seremos poupados da grande tribulação (Ap 3.10).

PO: O texto de Apocalipse 3:10 não revela que seremos "poupados" da grande tribulação, mais que seremos guardados ou protegidos em meio a ela.

 

OS FATOS DO ARREBATAMENTO DOS VENCEDORES


AV: Um tomado e outro deixado - Nossa vigilância não significa que vamos deixar de trabalhar ou estudar, mas que, mesmo envolvidos com tais coisas, nosso coração permanecerá em Deus (Mt 24.39-44).

PO: Concordamos plenamente neste ponto.

AV: O filho varão arrebatado para Deus - Os vencedores não serão arrebatados para os ares, mas para o trono de Deus. Este arrebatamento acontecerá antes dos três anos e meio da grande tribulação (Ap 12.5).

PO: A crença de que o filho varão é uma elite da Igreja baseia-se nessa passagem do Apocalipse. Vamos mais uma vez ao contexto das Escrituras. A promessa que Jesus faz é que os escolhidos seriam arrebatados nos ares (Mateus 24:31).

Paulo ensina que nosso alívio da tribulação só ocorrerá "Quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu com os anjos do seu poder, como labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo..." (II Tessalonicenses 1:7-8). Não antes!

Ao mesmo tempo, Paulo ensina que a nossa glorificação corpórea ocorrerá "ao soar da última trombeta". Quando Paulo escreveu isso, os irmãos em Corinto só poderiam entender como "última trombeta" aquela que já havia sido ensinada pelo Senhor Jesus (Mateus 24:31) e que soará no momento de Sua gloriosa volta.

Paulo não está falando da sétima trombeta do Apocalipse por uma simples razão: O Apocalipse ainda não tinha sido revelado... Diante desses ensinos claros, usar simbologias e interpretá-las na contramão dessas claras revelações não nos parece o mais coerente.

O próprio autor, num tópico acima, afirma que a mulher de Apocalipse 12 é a Igreja. Agora, afirma que dessa mulher surgirá uma elite de vencedores que fará jus ao arrebatamento antes que a grande tribulação de 3 anos e meio comece...

Que bases bíblicas existem para separar internamente a Igreja em "vencedores" e "não vencedores", se, através de Cristo, somos "mais que vencedores"? (Romanos 8:37). Pertencer à Igreja é ser vencedor, posto que, pertencer à Igreja é pertencer a Cristo!

O mais coerente é interpretar o "filho varão" como o próprio Jesus Cristo. A gramaticalidade do texto nos aponta para uma pessoa ("um filho homem") e encaixa-se na revelação do reinado de Cristo sobre as nações, com vara de ferro (Apocalipse 19:15).

Nós, enquanto Igreja, reinaremos sobre as nações com vara de ferro, porém através de uma delegação concedida pelo Senhor Jesus. Essa autoridade não emanará de nós mesmos, mas do Senhor.

O ato de "reger as nações" em Apocalipse 12:5 se aplica com mais propriedade ao Salvador do que a uma elite de vencedores.

Há outro aspecto a ser considerado. Em Apocalipse 20:5 nos é revelado que os degolados pela besta por não se prostrarem diante da sua imagem nem aceitarem o seu sinal, reinarão com Cristo.

Então, se a promessa de reinar fosse uma prerrogativa exclusiva dos "vencedores arrebatados antes da grande tribulação", então o que estariam fazendo esses "não vencedores" degolados em plena grande tribulação reinando com Cristo?

Paulo insta aos irmãos em Tessalônica, pela palavra do Senhor (I Tessalonicenses 4:15), que "seremos arrebatados juntamente com eles (os mortos ressuscitados) nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares".

Toda a Igreja será arrebatada nos ares, a menos que Paulo não faça parte do time dos "vencedores". E mais: Quando Paulo escreve "pela palavra do Senhor", estava referindo-se à revelação de Cristo sobre o arrebatamento (Mateus 24:29-31). Ir contra essa clara verdade é trilhar um caminho tortuoso...

 

O MOMENTO DO ARREBATAMENTO DOS VENCEDORES

 

AV: Precederá a hora da tribulação - O arrebatamento dos santos vencedores acontecerá antes da grande tribulação. A Palavra de Deus não diz depois de quanto tempo após o arrebatamento a grande tribulação começará, mas parece-nos que não será em seguida. (Ap 3.10) 

PO: Não está revelado que o arrebatamento da Igreja ocorrerá antes da tribulação. Uma correta interpretação de Apocalipse 3:10 mostra que o Altíssimo protegerá (tereo) os que guardarem a palavra de Sua perseverança em meio à grande tribulação.

AV: Antes dos três anos e meio - A grande tribulação é também chamada de três anos e meio, ou a segunda metade da septuaginta semana de Daniel (Ap 12. 5,6; 14;17).

PO: Também cremos que a tribulação de 7 anos se divide em duas partes, sendo a última parte a grande tribulação.

O LUGAR


AV: Para permanecer de pé diante do Filho do homem - O lugar para onde os vencedores serão arrebatados os colocará diante do Filho do Homem nos céus (Lc 21.36).

PO: Estar de pé diante do Filho do homem não pressupõe que isso ocorrerá diante do trono celestial do Pai e, muito menos, que os que estarão de pé terão sido arrebatados no meio da tribulação.

Se lermos atentamente, o texto de Lucas não diz "diante do Filho do homem nos céus", mas "diante do Filho do homem". O próprio Messias revela que, quando Ele voltar, de forma gloriosa e acompanhado de todos os Seus anjos, os homens estarão diante Dele.

Uns serão convidamos a entrar em Seu reino, por herança (Mateus 25:31-34) e outros serão sentenciados ao tormento eterno (Mateus 25:46)

AV: Ser arrebatado para o trono de Deus - Sabemos que o lugar para onde os vencedores irão, será para diante do trono de Deus. Podemos resumir dizendo que os vencedores estarão de pé diante do Filho Homem e do trono de Deus.

Assim, o arrebatamento dos vencedores é completamente diferente dos demais crentes. Estes serão arrebatados para os ares, mas os vencedores irão para o terceiro céu (Ap 12.5).

PO: Já respondemos a esses argumentos. Cremos que eles se baseiam em interpretações equivocadas e divorciadas do resto das Escrituras. Apenas para complementar, neste exato momento já estão nos céus nossos irmãos que morreram em Cristo.

No Apocalipse é mostrado que irmãos nossos estão debaixo do altar e a eles é dito que devem esperar até que o número de mártires se complete. Esse número só será completado na grande tribulação (Apocalipse 6:9-11, Apocalipse 20:4-6).

Ou seja, para estar nas proximidades do altar ou no terceiro céu, não é necessário um arrebatamento da elite dos vencedores. Quem morre com Cristo já está lá, no paraíso com o próprio Senhor, a exemplo do ladrão que se encontrou com Cristo na cruz (Lucas 23:43)

Afirmar que haverá dois arrebatamentos distintos e separar a Igreja em "vencedores" e "não vencedores" é insustentável à luz do conjunto das Escrituras.

 

AS CONDIÇÕES


AV: Vigiar e orar sempre - Existe um preço a ser pago para participarmos do arrebatamento dos vencedores. A primeira condição é vigiar e orar.

Isso não significa que devemos somente orar e esquecer as demais coisas. Significa que enquanto nos envolvemos com elas devemos estar em espírito de oração (Lc 21.36).

PO: Devemos vigiar e orar em relação à volta de Cristo. A única volta revelada na Palavra. O último chamado para vigiar está inserido no momento em que os exércitos do anticristo se preparam para reunir-se no Armagedom (Apocalipse 16:15). Quer dizer, já no final da grande tribulação...

AV: Vigiar e estar pronto - Ficar apercebidos é ficar pronto, é ter um espírito aquecido e um coração exercitado para amar ao Senhor (Mt 24. 40-44; Lc 12.35-40).

PO: Concordamos com isso!

AV: Amar a vinda do Senhor - Amar a vinda do Senhor é ter no coração um desejo ardente de estar com Ele. Muitos não desejam, não esperam e nem amam a Sua vinda, estes não são vencedores (2Tm 4.8).

PO: Sim, devemos amar e anelar a vinda do Messias. No entanto, não subdividindo essa vinda em várias partes, mas aguardar, como ensina Paulo a Tito, o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo (Tito 2:13)

AV: Guardar a Palavra da perseverança do Senhor - Precisamos também ser fiéis à Palavra de Deus e guardá-la no coração. Não seguimos tradições ou religiões humanas, mas seguimos a Palavra viva de Deus.

Quando agimos assim, somos perseguidos e resistidos, por isso precisamos guardá-la com perseverança (Ap 3.10).

PO: Amém. Será necessário guardar a palavra da perseverança em meio à maior de todas as perseguições, durante a tribulação. Guardar a palavra da perseverança se aplica sobretudo ao período tribulacional.

 

O ARREBATAMENTO DOS DEMAIS CRENTES NA VOLTA DO SENHOR


AV: De acordo com Apocalipse 14 existem dois arrebatamentos: dos vencedores e da maioria dos crentes. O arrebatamento da maioria dos crentes é chamado de ceifa (Ap 14.14-16).

PO: O texto apontado pelo autor não mostra nenhum arrebatamento. Primeiro, é mostrado o grupo simbólico dos 144 mil, simbolizando toda a Igreja e depois é mostrada a sega dos ímpios. Não é coerente deixar de lado textos claríssimos que descrevem o arrebatamento da Igreja e forçar interpretações.

AV: Os santos ressuscitados e os que estiverem vivos naqueles dias participarão do arrebatamento da maioria dos crentes (1Ts 4.15; 1Co 15.23).

PO: Então esqueceram de avisar a Paulo que ele não fazia parte da elite dos vencedores, caso a volta do Senhor ocorresse em seus dias, posto que ele se inclui entre os que serão arrebatados "nos ares", juntamente com toda a Igreja.

AV: Quando Paulo diz "os que ficarmos" está dizendo que a esta altura alguns já terão partido, e esses serão os crentes vencedores que já terão sido arrebatados antes da grande tribulação. Mas os crentes que ficarem serão arrebatados para os ares (1Ts 4.15-17).

PO: Quando Paulo diz "os que ficarmos" se refere aos que estarão vivos no momento da volta do Senhor. Não se refere aos que tiverem sobrado depois do pretenso "arrebatamento dos vencedores". É só ler o texto para ver.

Paulo está ensinando a respeito da esperança daqueles que já morreram em Cristo e aguardam a ressurreição.

O autor precisa explicar porque Paulo se inclui no time dos "não vencedores", posto que fala na primeira pessoa do plural quando diz "depois nós, os que ficarmos". Ora, então o próprio Paulo, que cogitava estar vivo no momento do arrebatamento, estaria se colocando fora do seleto grupo dos "vencedores"?

Ao mesmo tempo, terá que explicar porque ensina algo diferente do que Jesus ensinou e algo diferente ao que Paulo ensinou, já que os ensinamentos de Paulo estão sempre sujeitos à "palavra do Senhor", ou seja, o que já tinha sido revelado pelo Mestre anos antes (I Tessalonicenses 4:15)


 

O MOMENTO


AV: Na última trombeta - O momento do arrebatamento da maioria dos crentes será por ocasião da última trombeta, a sétima, que será no final da grande tribulação.

Assim, aqueles que ensinam que todos os crentes serão arrebatados antes da grande tribulação estão em absoluto desacordo com a Palavra de Deus (1Co 15.52; 1Ts 4.16; Ap 10.7; Ap 11.15).

PO: Concordamos quando o autor aponta para a crença errônea num arrebatamento pré-tribulacional, sete anos antes da gloriosa vinda do Senhor. No entanto, o que Paulo ensina em I Coríntios 15:52 sequer se trata do arrebatamento em si, mas da glorificação corpórea de todos os que são de Cristo e não apenas de uma parte.

Essa glorificação ocorrerá "na vinda do Senhor" e não antes (I Coríntios 15:23-25). O próprio Senhor ensina que Sua vinda será logo após a grande tribulação (Mateus 24:29)

AV: Após o homem da iniqüidade (o anticristo) ser revelado - A Palavra de Deus é clara em dizer que o arrebatamento da maioria dos santos será depois da manifestação do anticristo, portanto, no final da grande tribulação (2Ts 2.1-4). 

PO: Onde está revelado que isso ocorrerá com a "maioria" e não com todos? Quer dizer, então, que todos os irmãos em Tessalônica não eram vencedores, já que Paulo os insta a esperar primeiro a manifestação do anticristo?

Mais uma vez, Paulo se inclui nesse encontro com o Senhor, o qual ocorrerá após a revelação do anticristo e não antes ("pela nossa reunião com Ele" - II Tessalonicenses 2:1).

Paulo ensina isso para que os irmãos não sejam enganados diante de ensinamentos errôneos a respeito de nosso encontro com o Senhor, pois alguns estavam ensinando que esse encontro (arrebatamento) se daria antes da revelação do anticristo ou que ocorreria a qualquer momento.

AV: Depois que a besta forçar o povo a adorar à sua imagem - Apocalipse 14.9-16 nos oferece um resumo dos acontecimentos básicos entre o arrebatamento dos vencedores e o arrebatamento dos demais santos.

Ali está claro que antes do arrebatamento da maioria dos santos o anticristo vai estabelecer a sua marca e forçar a adoração de sua imagem na grande tribulação.

PO: Mais uma vez cremos que não se trata da "maioria", mas da totalidade da indivisível Igreja do Senhor, que é o Seu Corpo, o qual não pode ser mutilado nem têm membros mais importantes que outros. Lembramos aqui da pergunta de Paulo aos coríntios: Está Cristo dividido? (I Coríntios 1:13)

AV: Após a guerra de satanás com o restante do povo de Deus - Depois que o filho varão for arrebatado, o restante da descendência da mulher será perseguido.

A mulher só será arrebatada depois dos três anos e meio e, conseqüentemente, após ser perseguida pelo anticristo (Ap 12.17;14;5).

PO: Já respondemos sobre a simbologia do filho varão.

AV: Na consumação dos séculos - O arrebatamento da maioria dos santos será na consumação dos séculos. Esta consumação dos séculos será no final da grande tribulação. Esse será o tempo da ceifa.

Enquanto a época do arrebatamento dos crentes vencedores é desconhecida, a época do arrebatamento da maioria dos santos é bem conhecida, pois nos é dito que será na sétima trombeta, próximo ao fim da grande tribulação (Mt 13.39).

PO: Não é revelado que o arrebatamento será na sétima trombeta, mas que a glorificação ocorrerá "ao soar da última trombeta".

Quando soará essa trombeta? O próprio Senhor nos responde: Quando Ele voltar em glória e majestade, logo após a grande tribulação (Mateus 24:29-31). É nesse momento que os escolhidos serão arrebatados nos ares. Não a maioria, mas todos eles.

 

O LUGAR [2]


AV: A maioria dos crentes será arrebatada aos ares para encontrar com Cristo, enquanto os vencedores serão arrebatados para diante do trono de Deus, para estarem de pé diante do Cordeiro de Deus (1Ts 4.17; Ap 14.14-16).

PO: Já respondemos a isso. Não existem duas divisões na Igreja. Sequer existe uma divisão entre "vencedores" e "semi-vencedores". Em Cristo somos mais que vencedores.

 

AS CONDIÇÕES [2]


AV: A condição para o arrebatamento da maioria dos crentes é que a seara esteja madura. Para participarmos desse arrebatamento basta apenas crer no Filho de Deus como Senhor e Salvador (Ap 14.15).

PO: O raciocínio aqui é o seguinte: Para a parte da Igreja (a maioria) que "apenas" crê no Filho do Pai está reservado o arrebatamento no final da tribulação e para a parte dos "vencedores" está reservado um arrebatamento exclusivo.

Ou seja, fica implícita a ideia de que os "vencedores" fazem algo mais do que crer. É um ensinamento baseado nas obras. Ao mesmo tempo, é um ensinamento que baseia-se em simbolismos, os quais podem ser usados para as mais variadas interpretações, e fecha os olhos para passagens e ensinos claríssimos.

Essa doutrina sobre o arrebatamento exclusivo dos vencedores não fazia parte do ensino primitivo. Não foi ensinado pelos apóstolos. É uma doutrina nova e, como vemos, baseada em simbologias. Não somos contra as simbologias.

As Escrituras estão repletas delas e o Apocalipse também. No entanto, numa comparação entre passagens claras e diretas e as diversas interpretações dadas às simbologias, cremos que essas interpretações devem estar subordinadas à clareza das sentenças bíblicas. No caso da crença no "Arrebatamento dos Vencedores" isso não ocorre.

 

PROJETO ÔMEGA


 


 

Saiba que o Altíssimo está no controle de tudo e de todos. Mesmo nos momentos mais difíceis, Ele estará conosco. A nossa salvação em Cristo é eterna. Nele, somos novas criaturas. Ele já venceu a morte. Ele é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na tribulação. Se você leu este artigo e ainda não tem a certeza da salvação eterna em Jesus, faça agora mesmo um compromisso com Ele! Convide-o para entrar em seu coração e mostrar-lhe a verdade que liberta. Veja porque você precisa ser regenerado e justificado, para viver a boa, perfeita e agradável vontade eterna do Criador e estar firme Nele diante de qualquer circunstância. Clique AQUI.

 

 

 


© Copyright Projeto Ômega – Todos os direitos reservados