English French German Italian Spain

 

                

 

 

COMENTÁRIO 09

 

 

 

 

Nesta edição do tópico "COMENTÁRIOS" vamos postar um e-mail recebido por um dos integrantes do Projeto Ômega e fazer algumas reflexões sobre o que nos foi enviado.

As afirmações da correspondência que recebemos serão identificadas com a palavra E-MAIL. As observações do Projeto Ômega serão identificadas com as iniciais PO.

Como sempre, nosso objetivo neste tópico é que você tenha acesso aos pensamentos e afirmações de duas partes e, através do discernimento que vem do Espírito Santo, possa tirar uma conclusão apropriada.

O e-mail que recebemos tem conotações claras do que se denomina atualmente de "doutrinas judaizantes". No site do Projeto Ômega destacamos claramente o propósito eterno do Altíssimo para Israel como nação e o fato que a Igreja é o Israel espiritual.

No estudo "DISPENSACIONALISMO PROGRESSIVO" esclarecemos que cremos numa revelação progressiva do plano do Senhor para a humanidade e numa participação constante de Israel dentro desse plano.

Porém, a exemplo do que já houvera ocorrido no século I, muitos querem impor aquilo que é sombra como se fosse algo real e concreto ou aquilo que é pacto exclusivo com a nação israelense como se fosse algo abrangente aos que estão sob um novo pacto, firmado com o sangue e a carne do Senhor Jesus Cristo. Boa leitura

E-MAIL: D-us não escolheu o povo judeu por causa de seu número, do seu poder, da sua grandeza. Simplesmente, D-us é soberano e escolheu Israel para ser o veículo de Seu plano para o mundo.

"Porque povo santo és ao ETERNO teu D-us; o ETERNO teu D-us te escolheu, para que lhe fosses o seu povo especial, de todos os povos que há sobre a terra.

O ETERNO não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos, pois vós éreis menos em número do que todos os povos.

Mas, porque o ETERNO vos amava, e para guardar o juramento que fizera a vossos pais, o ETERNO vos tirou com mão forte e vos resgatou da casa da servidão, da mão de Faraó, rei do Egito" (Deuteronômio 7:6-8).

Dessa forma, os judeus existirão para sempre porque se encontram no centro da vontade de D-us para com este mundo.

PO: Concordamos plenamente. O Eterno escolheu Israel dentro de Sua soberania e incluiu Israel no Seu plano de revelar ao mundo Seu Filho Jesus Cristo. Cremos que a nação israelense existirá eternamente, usufruindo das promessas feitas por YHWH a Abraão e aos seus descendentes.

E-MAIL: "E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, e desviará de Jacó as impiedades" (Romanos 11:26).

Hoje, qualquer pessoa que confesse que Yeshua (Jesus) é o Mashiach (Messias), e o aceita em conformidade com a prática diária da Toráh (Lei de D-us), faz parte do povo de Israel, e assim torna-se participante de um mesmo pacto.

Todos somos herdeiros da promessa tanto quanto somos das obrigações... Uma árvore não pode jamais produzir dois ou mais tipos de frutos. Se fazemos parte da oliveira (Israel), é evidente que todos nós iremos produzir os mesmos frutos.

"Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens; Que naquele tempo estáveis sem o Mashiach (Cristo), separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem D-us no mundo.

Mas agora no Mashiach Yeshua (Cristo Jesus), vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue do Mashiach chegastes perto" (Efésios 2:11-13). Leia também Romanos 11:26.

Até porque, tanto a antiga Aliança quanto a nova, foram estabelecidas para os israelitas... "Porque esta é a aliança que depois daqueles dias farei com a casa de Israel, diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus, e eles me serão por povo" (Hebreus 8:10)

PO: As "obrigações" da lei expostas na Torah deixam de ser obrigações na vida de quem nasceu de novo.

Aquele que nasce de novo torna-se morada do Espírito Santo do Criador e esse novo patamar relacional traz uma obediência à vontade Dele que vai muito além da observância de leis escritas em folhas de papel ou em pedras. Todos os filhos do Senhor, através da Graça, são guiados pelo Espírito do Eterno.

A lei deixa de ser apenas um catálogo de mandamentos para fazer parte da vida daquele que é regenerado pelo e no Espírito do Senhor. Os frutos que temos que produzir se originam do fruto do Espírito.

Quem é guiado pelo Espírito já não está debaixo da lei (Gálatas 5:18). Essa promessa também é para Israel como nação. Porém, ela se concretizará nacionalmente em Israel no momento do regresso do Ungido e não antes (Zacarias 12:2-14).

A Nova Aliança aplica-se a um só Corpo, sem separações étnicas ou nacionais. A Igreja é o Corpo de Cristo e esse Corpo é indivisível.

A promessa feita a Abraão tem duas repercussões: a física (Israel como nação, eternamente presente na criação e multiplicando-se para sempre, tornando-se como a areia do mar e as estrelas dos céus) e a espiritual (A Igreja, que comporta os judeus salvos através da Graça, pela fé em Yeshua, e os gentios, também salvos pela fé em Yeshua, todos reunidos inseparavelmente num Corpo unido pelo próprio Messias, como nos ensina Paulo em Efésios 2:14-16).

Então, a Nova Aliança não se aplica apenas ao Israel físico, mas ao Israel espiritual. A Nova Aliança baseia-se no sacerdócio segundo a Ordem de Melquisedeque, não no sacerdócio de Arão.

O sacerdócio de Arão é terrestre. O de Melquisedeque é espiritual e é eterno, pois até mesmo Levi, ainda contido na informação genética carregada por Abraão em seu corpo, foi abençoado por Melquisedeque (Hebreus 7:1-11).

O sacerdócio de Melquisedeque já não baseia seu agir nos aspectos de descendência sangüínea, mas no da incorruptibilidade da glorificação para os que estiverem sob essa Nova Aliança (Hebreus 7:16).

Cremos que é necessário diferenciar essas duas manifestações do plano do Pai para não cairmos em confusão. Israel, como nação escolhida, continuará existindo para sempre e sua descendência continuará multiplicando-se, assim como foi prometido a Abraão.

A Igreja, um Corpo indivisível formado por judeus nascidos de novo através da Nova Aliança e por gentios também nascidos de novo na Nova Aliança, que é a Graça encarnada no Ungido na cruz, será glorificada corporalmente, assim como o Senhor o foi (I Coríntios 15:25-52).

E-MAIL: No início a igreja era um grupo de homens e mulheres centrados no Mashiach vivo, então a igreja chegou à Grécia, e tornou-se uma filosofia pagã. Depois, chegou até Roma e tornou-se uma instituição política e religiosa 100% paganizada.

Em seguida, à Europa, e tornou-se uma cultura. E finalmente, chegou à América, e tornou-se business. Leia Apocalipse capítulo 2 inteiro e entenda melhor esta questão.

Sim, D-us exigirá da religião falsa uma prestação de contas por todos os atos repugnantes que ela cometeu em Seu nome. O que as pessoas devem fazer se não quiserem ter o mesmo fim da religião falsa? “Sai dela, povo meu”, ordena o mensageiro de D-us. (Apocalipse 18:4).

Realmente, agora é a hora de fugir da religião falsa! Mas fugir para onde? Não para o ateísmo, pois seu futuro também é tenebroso.

PO: Neste ponto há uma gritante confusão no raciocínio do autor do e-mail. Ele atrela a chegada e vivência do Evangelho nas cidades de cultura grega e romana como uma necessária paganização da Igreja, como se isso fosse uma questão geográfica.

O retrato que o Novo Testamento nos mostra é o de pessoas sendo transformadas nas cidades gentias. Não mostra o Evangelho sendo "contaminado" pelo simples fato de ser vivido no contexto cultural das cidades gentias.

Não podemos esquecer que foi o próprio Mestre quem enviou os Seus discípulos para todas as nações (Mateus 28:19-20).

Os ensinamentos de Paulo levam a uma concepção de liberdade, onde o discernimento espiritual, não as regras ou regulamentos legais, é o que deve ser seguido em cada situação (Leia o capítulo 14 da carta de Paulo aos romanos, assim como Colossenses 2:18-23).

Todas as coisas nos são lícitas (legais), mas nem todas nos convêm, nem todas edificam. É sobre esse caminho de maturidade espiritual individual que devemos caminhar no Espírito do Evangelho da Graça e do Reino.

É óbvio que houve um crescente processo de apostasia. O processo de apostasia na Igreja já havia sido profetizado, mas seu âmago tem raízes espirituais, não geográficas.

Para Paulo, por exemplo, quem buscava justificar-se pela lei e obrigava os gentios a cumprirem todos os rituais próprios da lei judaica, estava, já em seu tempo, seguindo um Evangelho "diferente" (Gálatas 1:6-9).

Ou seja, já estava apostatando da verdadeira fé. Isso ocorreu muito antes de o paganismo grego/romano entrar na Igreja, o que só começou a ocorrer no século III.

Com toda certeza, o que vemos hoje atrelado ao "cristianismo" é um conjunto de organizações apóstatas e afastadas do verdadeiro sentido do Evangelho.

Isso se deve não à localização geográfica em que se encontra a Igreja, nem a língua que ela fala ou a etnia à qual o discípulo pertence, mas à postura de cada um diante do Evangelho de Jesus Cristo.

E-MAIL: Aceite o verdadeiro Jesus (Yeshua)! Não aceite um Jesus grego (cristão), e nem aceitem um Jesus romano (católico), ou muito menos um Jesus inglês (protestante), pois estes três citados, nada mais são do que os três espíritos imundos de Apocalipse 16:13.

São estas as três formas da falsa religião plantada pelo inimigo. Aceite o verdadeiro Yeshua (Jesus) JUDEU que ele era, é, e sempre será! Pois...

"Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus" (João 4:22).

PO: Concordamos que o verdadeiro Messias que devemos seguir é o Filho revelado pelo Pai aos homens. Esse Jesus se revela ao coração de todo aquele que nasce de novo no Espírito Santo.

As Suas ovelhas ouvem a voz de Jesus Cristo, são conhecidas por Ele e seguem a Ele. Elas têm a vida eterna e ninguém as arrebatará das mãos Dele. Existe apenas um rebanho e um pastor, unindo judeus e gentios que crêem (João 10:14-16).

A salvação vem dos judeus no sentido de que o Criador escolheu o povo judeu para que nele nascesse o Verbo encarnado e fosse a salvação de todo o mundo (João 4:42).

Israel é um instrumento do Eterno, assim como nós somos também, mas a glória é Dele. A salvação não pertence aos judeus nem é uma dádiva dos judeus, mas do próprio Senhor de todos.

E-MAIL: Medite em Efésios 2:11-13, Romanos 2:28-29 e Romanos 3:1-9.

PO: Esses textos apontam para o fato que, no plano do Altíssimo, que se revela de forma progressiva aos homens, coube à nação judia ser o meio no qual a salvação Dele (Yeshua), se revelaria ao mundo, como Salvador não apenas de judeus, mas do mundo kosmos, incluindo toda a criação (João 3:16, João 4:42).

Como já expomos acima, o povo judeu foi o meio escolhido pelo Pai para manifestar Seu Filho, para quem são todas as coisas (Efésios 1:3-11). Logo, o fim não é povo judeu, mas Cristo.

Tornar o meio um fim em si mesmo é negar o verdadeiro fim do plano do Eterno, que é convergir em Jesus Cristo todas as coisas, tanto as que estão nos céus, como as que estão na Terra.

A Igreja é o Israel do Eterno, pois quem crê é filho de Abraão, através da fé. Querer afirmar que apenas os judeus são o povo do Pai secionar aquilo que o Senhor já uniu em Seu próprio Corpo.

E-MAIL: Qual pois, é a vantagem do judeu? Ou qual a utilidade da circuncisão? RESPOSTA: MUITA! Sobre todos os aspectos, porque, primeiramente, as palavras de Deus lhe foram confiadas (Romanos 3:1).

PO: A "vantagem" apontada por Paulo não é uma vantagem em relação a qualquer outro povo, mas em relação à escravidão daqueles que rejeitam a Graça, buscando, cegamente, justificar-se através das obras da lei.

Quem ler todo o contexto de Romanos 2 e 3 entenderá isso. Paulo, sendo inspirado pelo Espírito Santo, consegue enxergar alguma vantagem em toda aquela cegueira dos se apegavam à circuncisão física e não entendiam que a circuncisão, a partir da revelação de Cristo, devia ser a espiritual, no coração.

A única "vantagem" dos judeus encontrada por Paulo em todo esse contexto é que a Palavra do Eterno, a Palavra da Graça em Jesus Cristo, lhes havia sido confiada, através dos profetas e da Torah, como um aio (meio) para trazer revelação acerca da manifestação futura e plena da salvação do Criador para o mundo.

Porém, diante da justiça do Senhor todos éramos pecadores, sem exceções (Romanos 3:9-18). O problema é que, quando essa Graça se manifestou na pessoa de Jesus, o povo judeu, em sua maioria, continuou venerando o aio (leis, ordenanças, exclusivismo nacional), em vez de dar crédito à Graça do altíssimo para toda a Sua criação revelada em Cristo Jesus.

Paulo não defende a supremacia do povo judeu diante do gentio, mas aponta a sublimidade do plano do Pai através das eras, tendo o povo judeu como o meio físico no qual se revelou a Graça do Altíssimo, personificada em Jesus Cristo.

A verdade é que ninguém é melhor do que ninguém. Paulo deixa isso claro na mesma passagem (Romanos 3:9). Tanto judeus como gentios que são alcançados pela Graça do Pai, através da fé, não devem se jactar disso.

Todos são pecadores purificados através do sacrifício de Cristo. Ao serem alcançados pela Graça, não devem vangloriar-se por isso (Romanos 3:10-28). Destacamos o contexto escrito:

"Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado. Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas; isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença.

Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.

Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.

Onde está logo a jactância? É excluída. Por qual lei? Das obras? Não; mas pela lei da fé. Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei.

É porventura Deus somente dos judeus? E não o é também dos gentios? Também dos gentios, certamente, visto que Deus é um só, que justifica pela fé a circuncisão, e por meio da fé a incircuncisão" (Romanos 3:20-30)

Portanto, diante da Graça do Eterno em Jesus Cristo não deve haver nenhuma jactância humana, seja ela de que índole for. Isso é loucura!

Deve haver sim espírito de ação de graças e reconhecimento que nos conduza à constatação de que, se não fosse pelo Ungido, todos nós estaríamos condenados à perdição eterna, sem importar a origem étnica ou nacional.

E-MAIL: Agora Yeshua, o nosso Salvador e autêntico judeu que Ele é, em algumas conversas e situações com seus apóstolos que também são judeus:

"Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel" (Mateus 15:24)

"Assim como o Pai me conhece a mim, também eu conheço o Pai, e dou a minha vida pelas ovelhas. Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor" (João 10:15-16)

PO: Há um pastor e um rebanho. Ninguém deve vangloriar-se pela sua origem humana diante da Graça do Altíssimo. Isso é tolice e louca petulância.

O Senhor reuniu em Seu Corpo todos os que se arrependem de seus pecados, dão crédito ao que Ele consumou na cruz e obedecem a Sua vontade.

Seja ele judeu, sábio vindo do Oriente, eunuco etíope, romano, grego, brasileiro, indígena, chinês ou de qualquer etnia havida ou por haver. Carne e sangue não herdarão o reino do Pai (I Coríntios 15:50).

A carne e o sangue que nos torna aptos para herdar o reino do Pai é a carne e o sangue de Jesus Cristo, carne que já foi sacrificada e sangue que já foi aspergido no santo lugar celestial.

Já não conhecemos a Cristo segundo a carne, mas segundo o Espírito (II Coríntios 5:16). Diante da magnitude do novo nascimento, que nos coloca num patamar de nova criação espiritual em Cristo, essa questão de "judeu" e "gentio" perde toda significação:

"Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão nem a incircuncisão têm virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura" (Gálatas 6:15)

E-MAIL: Querido amigo, querida amiga, você não precisa ficar chateado ou constrangido por não fazer parte do povo de Deus, esta aceitação deve ser reconhecida pelo próprio Deus, e não pelo homem.

Por exemplo: Não é só porque eu nasci no Brasil que eu não posso vir a fazer parte do povo eleito de Deus. Não pense assim! Como eu já disse, quem determina se sou JUDEU ou não, é o próprio Deus de Israel. Basta lermos Isaías 56, Romanos 2:28,29, Efésios 2:11 a 13.

PO: Quem está em Cristo é uma nova criatura (II Coríntios 5:16). As denominações, sejam elas quais forem (institucionais, étnicas, etc), perdem qualquer valor diante da Graça do Pai e do novo patamar criacional que o novo nascimento nos traz.

Já morremos para esse mundo. Já não somos mais judeus, brasileiros, americanos.... Toda aflição relacionada a isso perde total significado diante da Graça. Somos de Cristo, somos filhos do Eterno e ainda não é revelado o que iremos ser (I João 3:1-3).

Nossa filiação agora é espiritual, não está presa aos rótulos deste mundo. Quem ainda se apega a sua estirpe ou a uma denominação humana além do que nos é proposto no Evangelho da Graça, de que somos filhos do Eterno Pai, está rejeitando e caindo da Graça proposta pelo próprio Criador. A nós basta saber que somos filhos do Pai. A Graça nos basta e ela é suficiente.

Quem está em Cristo já pertence ao Israel espiritual do Eterno, cuja Jerusalém está nos céus. Até os progenitores da nação judaica, agora salvos pela fé, a exemplo de Abraão, Isaque e Jacó, agora buscam essa nova pátria (Hebreus 11:14-16).

E-MAIL: Se nós tivéssemos que depender do homem para reconhecer nossa condição religiosa, então muitos que se julgam CRISTÃOS em diversas partes do mundo não poderiam ser reconhecidos como tais, visto que o CRISTIANISMO além de não ser bíblico, tem sua origem em Roma. Sendo assim como ficaria um brasileiro sendo CRISTÃO?

PO: Concordamos com o autor que, aquilo que hoje é conhecido como "cristianismo" nada tem a ver com a vida e mensagem de Cristo. Porém, quem é filho do Pai e sabe que é, não tem necessidades de rótulos, denominações, reconhecimentos ou classificações.

Isso são invenções humanas que nascem da vanglória da carne e suas vaidades. O que conta é ser de Cristo e estar em Cristo.

E-MAIL: Viu como este negócio de judaísmo é para quem quer e para quem tem coragem?... Como posso, eu, um miserável pecador querer me apoderar das promessas feitas ao povo de Deus (ISRAEL), e não querer me comportar e cumprir com as mesmas obrigações para com este povo verdadeiramente único e eleito de Deus?

Tanto que a única desobrigação que um gentio convertido ao judaísmo recebe, é a de não se CIRCUNCIDAR FISICAMENTE, mas um gentio que se une ao povo e passa a fazer parte dos israelitas precisa sobretudo CIRCUNCIDAR seu próprio coração, ou seja: Estamos obrigados a nos circuncidar espiritualmente. Mas no restante, TODA LEI DEVE SER OBSERVADA.

Ou você acha que não matar, não roubar, dizimar, entre outros mais de seiscentos mandamentos não devem ser observados? O que você acha? Quanto a esta questão, leia Eclesiastes 12:13, Apocalipse 14:12 e todo livro de Tiago.

PO: A nossa luta, enquanto trabalho, é pregar as boas novas. A excelente notícia revelada em Jesus Cristo, de que o Criador estava Nele reconciliando-se com todas as coisas (I Colossenses 1:15-20).

A luta que se centra em materializar novamente aquilo que foi tornado espiritual e eterno é uma luta contra o próprio Pai. Somos filhos Dele. Nossa identidade agora é espiritual, pois já morremos para o mundo e seus valores.

Essa luta para tornar as pessoas judias, é uma luta contra o próprio Espírito do Evangelho, pois a reunião de todas as coisas se dá no Verbo eterno do Criador e não na nação judia. É querer, infantil e loucamente, reconstruir o muro de separação que foi derrubado pelo próprio Cristo (Efésios 2:14)

Quem está em Cristo é feito participante das promessas feitas a Israel, pois nessas promessas estava contida a revelação de Cristo.

Não se trata de "apoderar-se" das promessas feitas ao povo do Altíssimo, mas de, pelo sangue de Cristo, fazer-se participante do mistério oculto através dos séculos (Efésios 2:13-14).

O chamado do Evangelho não é para converter-se ao judaísmo. Isso jamais foi ensinado pelo Senhor Jesus nem pelos apóstolos. Se a salvação fosse pela conversão ao judaísmo, Cristo não precisaria ter se manifestado. Em Seu ministério, Ele deixou claro que obedecer as obras do Eterno é crer que Ele enviou Jesus Cristo (João 6:29).

Quem está em Cristo cumprirá a lei, pois ela estará em seu coração, já não mais como uma cartilha feita para alguém que só pode entender uma cartilha, mas para filhos que entendem a voz do Espírito do Pai que neles habita.

Nos tempos em que a lei era escrita fora dos corações, nenhum homem a cumpriu, a não ser o próprio Cristo (João 7:19). Logo, a lei não pode ser cumprida fora de Cristo e fora do Evangelho de Cristo.

Quem está verdadeiramente em Cristo já estará cumprindo Nele toda a lei. O judaísmo não garante o cumprimento da lei e Jesus mostrou isso. Quem ama ao Pai já cumpriu a lei.

Quem renova o seu entendimento em Cristo, renunciando aos valores deste século, dentre os quais o exclusivismo denominacional religioso, experimentará a boa, perfeita e agradável vontade do Eterno (Romanos 12:2).

Exclusivismo denominacional religioso, seja ele judaísmo, protestantismo, catolicismo, e todos os "ismos" que o homem possa inventar, só satisfazem o desejo carnal de se sentir importante, exclusivo e superior aos demais.

A Graça do Eterno quebra todos esses padrões da presente era. Todos são pecadores, reconciliados pelo Pai através de Cristo e feitos filhos do Altíssimo.

Quem der crédito a essa mensagem, será salvo e terá vida eterna. Quem não der crédito, já está condenado, não importa a que "ismo" pertença.

E-MAIL: Os gentios são os estrangeiros, e para fazer diferença quanto aos Judeus (Israelitas), vale lembrar que gentio está relacionado também aos ímpios e os pagãos de todas as outras religiões.

PO: Em Cristo, os que outrora eram estrangeiros foram chegados para perto (Efésios 2:13). Em Cristo, já não existe essa diferença apontada pelo autor judaizante.

O judeu Paulo, sendo alcançado pela revelação da Graça no Ungido, assim escreve aos irmãos em Colossos a respeito do novo homem, livre dos rótulos nacionais e/ou étnicos:

"...Onde não há grego nem judeu, circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre; mas Cristo é tudo em todos" (Colossenses 3:11)

No entanto, quem não teve ainda sua mente renovada no conhecimento do Evangelho de Cristo ainda vive segundo as limitações geográficas, étnicas e religiosas anteriores à Graça. Rogamos ao Pai que as mentes sejam renovadas nesse entendimento.

E-MAIL: Características do gentio moderno: Anda com a Bíblia, ou até a possui em casa, mas professa uma fé contraditória com a mesma, e um claro exemplo disso está no fato dos cristãos observarem o domingo como dia de seu senhor, de seu deus, ao passo que os judeus observam o Sábado como verdadeiro dia do Senhor, o dia que o próprio Deus de Israel estabeleceu. Ver Isaías 58:13,14, Lucas 23:56, Hebreus 4:4,11 a 13.

PO: "Observar" um dia não faz parte da mensagem da revelação plena do Pai aos homens. Então, quem "observa" dias específicos e os considera mais importantes que os outros, seja judeu ou não, ainda não entendeu que para o novo homem, nascido do Espírito, todos os dias já não são dele mas do Senhor.

Quem nasceu de novo e está renovando sua mente em Cristo sabe que sombras não podem ser seguidas quando o que é real está a nosso alcance. Hoje somos filhos do Eterno e o Seu Espírito Santo habita em nós, Seus templos.

Logo, todos os dias são santos, pois aquele que santifica cada dia habita em nós e é cultuado em nós. Aquele que santifica todos os dias em nós é maior do que o sábado, o domingo, e qualquer outro dia da semana.

Se alguém quer separar um dia determinado e consagrá-lo ao Senhor, faz bem. Mas não deve julgar-se superior ao que julga todos os dias iguais (Romanos 14:5)

E-MAIL: Vendo alguns gentios dizerem que qualquer dia pode ser oferecido ao Deus de Israel, me faz lembrar as oferendas de Abel e Caim.

O interessante é que tanto os cristãos quanto Caim sempre pensaram em dar o melhor para Deus, eles só se esquecem é que não podemos ir além daquilo que Deus estabeleceu.

Caim com toda boa vontade não teve sua oferenda aceita por Deus, e isso só retrata ainda mais o que Yeshua falou... Vejam:

"...Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim; Em vão, porém, me honram, ensinando doutrinas que são mandamentos de homens. Porque, deixando o mandamento de Deus, retendes a tradição dos homens..." (Marcos 7:6-8)

E como se não bastasse, tais pessoas são tidas como religiosas. Mas, vejam seu futuro em Mateus 7:21 a 23:

"Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós TRANSGRESSORES DA LEI"

PO: Não se trata de oferecer este ou aquele dia ao Senhor. Temos que oferecer ao Senhor a nossa própria vida. Já não vivemos mais, Cristo vive em nós e Ele é o Senhor de todos os dias, até do sábado.

Quem vive pensando religiosamente e julgando os outros a respeito do sábado ou de qualquer outro dia, ainda não entendeu o que é Graça e relacionamento com Cristo.

Ainda não compreendeu que o adultério vai além da relação carnal, mas nasce no coração (Mateus 5:28). Ainda não compreendeu que o homicídio vai além de ferir mortalmente o corpo do próximo, mas é gerado no ódio que nasce no coração. Ainda não entendeu toda a profundidade do significado de sermos templos do próprio Todopoderoso Criador.

Então, quem já retirou o ódio ao próximo de seu coração, através da renovação de sua mente em Cristo, já não viverá procurando não matar ninguém para justificar-se diante do Altíssimo através da lei que diz "não matarás".

Da mesma forma, quem já morreu para este mundo e descansa totalmente em Cristo, já não viverá escolhendo este ou aquele dia para descansar e santificar, pois o verdadeiro descanso espiritual e santificação já estarão nele. É lícito fazer o bem no sábado?

Quem é guiado pelo Espírito Santo fará o bem todos os dias. Para este, todas as coisas são lícitas, pois sabe o que convém e o que edifica (I Coríntios 6:12).

E-MAIL: Mas o mais lastimável fato estará no grande desapontamento, pois muitos estão esperando a volta de um Yeshua cristão, mas na verdade Yeshua vai voltar do mesmo jeito que subiu, um autêntico judeu.

O problema da decepção será este, os que se dizem cristãos hoje, não são capazes de reconhecer o Yeshua da mesma forma que a mulher samaritana o reconheceu... um judeu:

"...Como, sendo tu judeu, me pedes de beber a mim?" (João 4:9).

Vai entender a cabeça dos gentios, eles dizem seguir Yeshua, mas negam a fé de Yeshua. Dizem seguir um que é na verdade um JUDEU, mas se autodenominam cristãos. Quem segue judeu é judeu e pronto.

PO: Cremos que o autor ainda não leu II Coríntios 5:16. Paulo diz que, ainda que ele também tenha conhecido a Cristo segundo a carne (Paulo foi contemporâneo de Cristo e é muito provável que o tenha visto em Seu ministério), após a revelação da Graça e da glorificação corpórea do Senhor já não o conhecemos desse modo, mas sim espiritualmente.

Da mesma forma que nós, quando formos glorificados, deixaremos de ser brasileiros, uruguaios, franceses, etc, Jesus, ao ser glorificado, tornou-se o primogênito de uma nova criação, cuja cidade e nacionalidade estão nos céus (Hebreus 12:22, Hebreus 13:14).

Jesus não é apenas o homem judeu que viveu aproximadamente 33 anos na Terra. Ele é infinitamente mais do que isso e não podemos limitá-lo a isso. Nós não esperamos apenas um homem que nasceu em Belém há aproximadamente 2.000 anos.

Esperamos o eterno Verbo do Pai, o Filho unigênito, o Rei dos reis e Senhor dos senhores. Aquele que criou todas as coisas (João 1:1-3).

Aquele que permanece sacerdote para sempre, sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, segundo a ordem de Melquisedeque (Hebreus 7:3).

Notamos que o autor se apega ferrenhamente às nomenclaturas. Para ele "judeu" e "cristão" são rótulos que garantem, per si, a salvação ou perdição, a verdade ou o engano. Rótulos nada valem diante daquilo que é espiritual! Rótulos perdem todo significado diante daquele que discerne os corações dos homens!

Quem segue a Jesus Cristo não precisa denominar-se judeu nem ingressar ao judaísmo. Quem quer seguir a Jesus Cristo precisa fazer duas coisas: Negar-se a si mesmo e tomar diariamente a sua cruz (Lucas 9:23).

Nos momentos que antecederem a volta do Senhor, os judeus que ainda não conhecem e vivem a Graça do Pai a conhecerão:

"Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e pranteá-lo-ão sobre ele, como quem pranteia pelo filho unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito.

Naquele dia será grande o pranto em Jerusalém, como o pranto de Hadade-Rimom no vale de Megido. E a terra pranteará, cada família à parte: a família da casa de Davi à parte, e suas mulheres à parte; e a família da casa de Natã à parte, e suas mulheres à parte;

A família da casa de Levi à parte, e suas mulheres à parte; a família de Simei à parte, e suas mulheres à parte. Todas as mais famílias remanescentes, cada família à parte, e suas mulheres à parte" (Zacarias 12:10-14)

O povo judeu é um povo escolhido pelo Eterno. Há promessas eternas para os filhos de Abraão segundo a carne.

Porém, é um erro querer que aquilo que foi usado pelo Eterno como um aio, um canal de concretização da Graça sobre todos os homens, se torne um fim em si mesmo e ocupe o lugar daquele no qual todas as coisas convergem eternamente: Jesus Cristo. Ele é maior que o judaísmo e maior que qualquer povo na Terra. Ele é o Supremo Soberano.

"Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus. Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo. Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus" (Gálatas 3:26-28)

Em Cristo,

PROJETO ÔMEGA

 

 


 

Saiba que o Altíssimo está no controle de tudo e de todos. Mesmo nos momentos mais difíceis, Ele estará conosco. A nossa salvação em Cristo é eterna. Nele, somos novas criaturas. Ele já venceu a morte. Ele é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na tribulação. Se você leu este artigo e ainda não tem a certeza da salvação eterna em Jesus, faça agora mesmo um compromisso com Ele! Convide-o para entrar em seu coração e mostrar-lhe a verdade que liberta. Veja porque você precisa ser regenerado e justificado, para viver a boa, perfeita e agradável vontade eterna do Criador e estar firme Nele diante de qualquer circunstância. Clique AQUI.

 

 

 


© Copyright Projeto Ômega – Todos os direitos reservados